Arte à Vista: um presente dos alunos do Instituto de Cegos Padre Chico e do FIAM-FAAM para a cidade!

E não é que podemos fazer arte pública¹ coletiva por meio da integração e do exercício da solidariedade² para o bem comum?   Alunos do curso fundamental do Instituto de Cegos Padre Chico utilizaram…

Fonte: Arte à Vista: um presente dos alunos do Instituto de Cegos Padre Chico e do FIAM-FAAM para a cidade!

Active Design & Projetos Urbanos: promovendo espaços públicos para a mobilidade à pé – experiências do escritório modelo de arquitetura e urbanismo

Neste semestre, o escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo  desenvolveu uma série de diagnósticos (etapa 1) utilizando os conceitos Active Design e Observações Urbanas (Jan Gehl) ao longo dos meses de setembro e outubro. Ainda em outubro com finalização em novembro, serão realizadas propostas de projetos (etapa 2) inspiradas no concurso público Áreas 40 promovido pela Prefeitura do Município de São Paulo e que premiou projetos que buscavam a convivência pacífica e segura (reduzindo acidentes e atropelamentos por meio do projeto urbano) entre a mobilidade motorizada e não motorizada (pedestres, ciclistas e outros) nas ruas de São Paulo.

Com o apoio da organização social Cidade Ativa, foi realizado um workshop que teve por objetivo apresentar as ferramentas e instrumentos para a realização de pesquisas (Safari Urbano, medições geométricas, painéis interativos) bem como os diagnósticos das áreas de estudo. O resultado da primeira etapa encontra-se disponibilizado nesse post.

Os projetos deverão atender aos princípios de projeto para Cidades Seguras que objetivam a promoção de espaços públicos destinados à caminhabilidade do cidadão e também que atendam às necessidades de segurança para a mobilidade não motorizada.

As ações desenvolvidas são parte do Projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção e gestão do espaço urbano do Programa de Mestrado Profissional em Urbanismo do FIAM-FAAM Centro Universitário em parceria com a organização social Cidade Ativa.

Equipe 1 – etapa 1

Diagnóstico da Rua Taguá, SP realizado pelos alunos do escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo Erika Lima Lopes, Rafaella Ayumi Kaneko e Vitor Zadra sob orientação da Profª Drª Helena Degreas utilizando o Active Design para desenvolvimento de projetos urbanos. O trabalho é parte do Projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção e gestão do espaço urbano do FIAM-FAAM Centro Universitário em parceria com a organização social Cidade Ativa.

Equipe 2 – etapa 1



Aplicação dos instrumentos de análise do Active Design de Observação Urbana (Jan Gehl) para a realização de projetos urbanos com foco em mobilidade não motorizada do ambiente urbano. Pesquisa realizada em parceria com a OnG Cidade Ativa para a Rua 25 de março, SP.

Equipe 3 – etapa 1


Análise e diagnóstico da Avenida Deputado Cantídio Sampaio junto à intersecção com a Avenida Fernando Mendes de Almeida, bairro do Jaraguá na cidade de São Paulo, apresentado ao Escritório Modelo do curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM Centro Universitário sob orientação da Profª Drª Helena Degreas utilizando o Active Design para desenvolvimento de projetos urbanos. O trabalho é parte do Projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção e gestão do espaço urbano do FIAM-FAAM Centro Universitário em parceria com a organização social Cidade Ativa. Alunos: Ligia Frediani da Silva, Kristie Yuka Yokoyama, Renan F. Ribeiro Zupelli, Wagner Godoy

Equipe 4 – etapa 1

Diagnóstico da Rua Agostinho Rodrigues Filho, SP realizado pelos alunos do escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo Ana Paula Gusmão, Fernanda Jimenez, Marcella Crosato e Priscila Ibacache sob orientação da Profª Drª Helena Degreas utilizando o Active Design para desenvolvimento de projetos urbanos. O trabalho é parte do Projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção e gestão do espaço urbano do FIAM-FAAM Centro Universitário em parceria com a organização social Cidade Ativa.

Equipe 5 – etapa 1

Diagnóstico da área de canteiro central localizada entre a Rua Domingos de Morais e a Avenida Professor Noé de Azevedo, SP realizado pelos alunos do escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo Amanda Abreu, Rafael Prado, Carolina Dias Gloeden, Vinicius Zoia, Guilherme Menegatti e Leonardo Baciga Menotti sob orientação da Profª Drª Helena Degreas utilizando o Active Design para desenvolvimento de projetos urbanos. O trabalho é parte do Projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção e gestão do espaço urbano do FIAM-FAAM Centro Universitário em parceria com a organização social Cidade Ativa.

CIDADE ATIVA: AVALIAÇÃO DE DIAGNÓSTICOS E APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETO URBANO

Alunos do escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo vinculados ao Projeto: mobilidade não motorizada e produção de nova tipologia de espaços livres urbanos

Inscrevam-se!

pocket-park-helenadegreas-sp

inscrição aqui

 

Pelos passeios de São Paulo…

Falar de calçadas é também tratar de um tema que se tornou um dos principais desafios das metrópoles contemporâneas: trata-se da mobilidade urbana.

Você sabia que em São Paulo mais de 30% da população se locomove a pé?

Traduzindo em números, cerca de 14 milhões de pessoas utilizam as calçadas de São Paulo para deslocar-se todos os dias: Os motivos são os mais variados e as distâncias também.

O fato é que a locomoção e o deslocamento acontecem sobre um tipo de espaço livre peculiar: as calçadas. Mas, o que é uma calçada? Quais são os elementos que a compõe?

O Decreto Municipal 45.904 de 2005 define os elementos que compõem uma calçada e descreve as 5 faixas que descreveremos as seguir:

– a primeira é a sarjeta, ou ainda, o local por onde escorrem as águas das chuvas, por exemplo, e que fica entre o leito carroçável e a guia. A guia é a elemento que separa a sarjeta da calçada.

sarjeta 3
Fonte

 

– em seguida, vem a faixa de serviço que é aquele espaço de no mínimo 75 cm,  destinado à instalação de equipamentos e mobiliário urbano como vegetação, tampas de inspeção, grelhas de exaustão, de drenagem, lixeiras, postes de sinalização, iluminação pública e eletricidade, floreiras, caixas de correio, telefones públicos e mais dezenas de outras interferências colocadas por permissionárias e concessionárias públicas.

– Logo depois vem a faixa livre, ou seja, aquele lugar em que o pedestre anda livremente e que possui superfície regular, firme, contínua e antiderrapante com largura de, no mínimo, 1.20 m. Trata-se de espaço suficiente para duas pessoas andarem lado a lado. Este lugar tem inclinação transversal de até 2%, ou seja, quase imperceptível para quem está andando mas, que permite, que a água de chuva escorra para a sarjeta sem empoçar no meio do caminho. Quanto à inclinação, ela tem que se igual à da rua: nada daquilo de fazer degraus, escadinhas e várias outras soluções que a gente encontra todos os dias por aí e que nada mais são do que soluções criativas para facilitar a vida particular dos donos dos imóveis ou seja, facilitar a entrada do carro na garagem, servir de apoio para mesas de bares e restaurantes por exemplo.

– Depois temos a faixa de acesso que é a área destinada à acomodação das interferências que são resultantes da implantação, do uso e da ocupação das edificações existentes na via pública. Trata-se da colocação de jardins, floreiras, lixeiras e quaisquer outras necessidades do edifício que está em frente a ela. De qualquer forma, precisa de autorização da prefeitura e só é recomendável para calçadas com mais de 2 metros de largura.

– Por fim o decreto apresenta as esquinas incluindo a intervisibilidade. A esquina constitui o trecho do passeio formado pela área de confluência de 2 (duas) vias. 

boletim lei calcadas_menor_c (1)
Fonte

No evento Calçada-Cilada realizado aqui no FIAM-FAAM Centro Universitário em 01 de abril de 2016, algumas sugestões para a melhoria da vida das pedestres foram apontadas.

O evento contou com a participação de alguns convidados que tratam do assunto. São eles o jornalista Marcos de Souza (MOBILIZE), a arquiteta Meli Malatesta (Cidade a pé e também da ANTP), Andrew Oliveira (Corrida Amiga), Luiz Eduardo Bretas (SPUrbanismo) e Ramiro Levy (Cidade Ativa).

Destaquei algumas mas, se você quiser conhecer as demais, acesse o vídeo do evento aqui:

  • Ampliação das calçadas, passeios e espaços de convivência;
  • Redução de quedas e acidentes relacionados à circulação de pedestres corrigindo e readequando calçadas existentes ou seja, projetando e implantando as cinco faixas ou quando não houver espaço, ao menos as três primeiras – guia e sarjeta, faixa de serviços e faixa livre de 1.20 para o deslocamento;
  • Por fim, a padronização e readequação dos passeios públicos em rotas com maior trânsito de pedestres;

Mas tem uma ação que considero fundamental: por meio de campanhas educativas promovidas pela prefeitura e também por meio das ações criadas pelo ativismo civil organizado, conscientizar os cidadãos da importância das calçadas como um dos elementos que compõem o espaço público das cidades lembrando sempre que a qualidade dos espaços destinados aos cidadãos caracteriza o nível de civilidade de um país. Se quiser saber mais, acesse a Agenda 2030 e Project for Public Spaces.

Texto original: Blog da Paisagem

TROTE SOLIDÁRIO: mais uma reforma relâmpago!!!

O Trote Solidário 2015 será realizado no INSTITUTO DA CRIANÇA – HOSPITAL DAS CLÍNICAS/SP por uma ação voluntária dos alunos e professores do curso de Design de Interiores da FIAM FAAM.

Objetivo: Desenvolver uma ação social e educativa, envolvendo estudantes e professores de Design de Interiores no processo de reforma de dois ambientes no Instituto da Criança, para juntos proporem soluções de melhorias adequadas aos frequentadores do local, familiares e médicos.

Proposta: Reformar a SALA DOS ACOMPANHANTES e a SALA DOS MÉDICOS localizados no 4° andar do INSTITUTO DA CRIANÇA – HOSPITAL DAS CLÍNICAS/SP.

Organização Renata Mello, co-organização Rafael Jun Mabe (vídeo e projeto),Lu Traldi e Skarlen Fialho Soria Galvarro Francine Trevisan Mancini
Alunos: Ma Simões, Carol Postacchini Luciana Alves Zanoni Karolina Martins, Ana Carol, Caroline Queiroz, Su Hee Oh, Bruna Santos, Jussara Oliveira, Aline Cofan, Jacqueline Felix de Lima, Thuyanne Monteiro, Caroline Queiroz. Enill Avalle

E não é que dá para fazer um trote usando tinta de forma produtiva?

Diário de classe:  Trote Solidário!

Todos os dias estaremos publicando as ações de nossos alunos!

Sigam as novidades!!!

Amparo Maternal 2015

No FIAMFAAM Centro Universitário, o Trote Solidário é coisa séria.

Trata-se de uma construção coletiva organizada por alunos veteranos, apoiada por uma dedicada rede de professores e colaboradores voluntários que atuam na constituição de uma sociedade mais justa e que difundem, por meio da educação, os princípios e ações que valorizam o ser humano, promovem o progresso social e a melhoria das condições de vida.

Para quem se dirige o trote e onde será realizado?
Bazar do Amparo Maternal

Quem são? 
O Amparo Maternal é uma Instituição filantrópica com 75 anos de história em assistência a gestante de todo País pelo Sistema Único de Saúde – SUS. Nasceu da concepção de que nenhuma parturiente na cidade de São Paulo deveria ficar sem um local adequado para dar à luz. (texto do site)

Por que o Amparo Maternal?
Alinhado com as políticas de relacionamento com a comunidade, o FIAMFAAM Centro Universitário apoia ações que valorizem a qualidade das relação sociais e a melhoria da qualidade de vida por meio de ações educativas afirmativas.

Quem participa?
Alunos, colaboraadores e professores do curso CST Design de Interiores (organizador) e Comunicação Social.

Data do trote
dia 27.02.2015 das 8h às 11h30m

Como começou tudo isso?

No finalzinho de 2013, a Profª Renata Mello propôs uma parceria entre o Amparo Maternal e o Escritório Modelo do Curso de Arquitetura e Urbanismo. E por que não apoiar também pelo desenvolvimento de projetos, essa ONG? Praticamente vizinhos, agendamos uma reunião e fomos muito bem recepcionados. O lugar é incrível e atende centenas de mães gratuitamente de forma impecável.

Desde o final do ano passado, fui procurada por um conjunto de alunos que estavam no final do curso. A alunaEliane Parente tomou adiante a proposta de inciar as ações para o Trote Solidário. Nele, alunos veteranos deveriam dar as boas vindas aos alunos ingressantes de um forma singular: mostrando aos calouros que é possível já no começo do curso, aplicar os conhecimentos adquiridos em sala de aula e fora dela, na profissão para o bem social. E assim, já no início do semestre, começaram as atividades que tinham várias metas:
– integrar alunos
– integrar o FIAMFAAM com a comunidade ampliando o relacionamento entre a escola e o bairro.
– acolher calouros e mostrar que aprender na prática é possível e pode ser uma atividade que envolve a pintura de forma produtiva – se a pintura caiu na roupa ou na pele, foi por descuido e não por imposição… rs
– melhorar o nosso dia e nossa vida agregando valor social por meio de ações construtivas.

A Organização do Trote Solidário

Os organizadores professores do CST Design de Interiores, ou ainda, aqueles que literalmente estão “colocando a mão na massa” e trabalhando para que o trote seja um sucesso!
Adriana Valli Mendonça; Francine Trevisan; Giuliana Sampaio, Lilian Machado.

Logo depois, mais alguns colegas foram à luta – todos os dias, esta área estará sendo atualizada…
Rafael Jun Mabe, Ricardo Granata, Paulo Sampaio, Renata Mello, Fernanda D’Agostini.

Os alunos organizadores:
Jéssica D’Moura, Tanila Correa, Maria Silva, Bruna Santos, Rodrigo Pereira, Eliane Parente

Data de início – 12.02.2015
bazar Amparo Maternal

Fomos conhecer o local que seria objeto de intervenção: o bazar do Amparo Maternal. Repleto de roupas semi-novas e
objetos diversos em excelente estado, o bazar está localizado na Rua Napoleão de Barros, 1035.
visita ao bazar do amparo maternal

Neste dia os alunos veteranos e os ingressantes iniciaram o levantamento fotográfico e o físico com
o objetivo de realizar um diagnóstico do local e desenvolver as propostas de intervenção.

Etapa 2 – Diagnóstico e levantamento

Vejam as imagens enviadas pela Profª Giuliana Sampaio que mostram parte do levantamento realizada pelo calouro Israel Oliveira – parabéns!

sketchup Israel Oliveira

sketchup Israel Oliveira

Etapa 3 – A proposta de intervenção

Após inúmeras reuniões, as organizadoras chegaram à algumas propostas. Sintetizada pela Profª Francine, temos a imagem do que se pretende realizar durante o trabalho.

proposta de intervenção Amparo Maternal

AMPARO MATERNAL_LAYOUT1

Etapa 4 – Mão na Massa!!!

Antes de pintar, nada melhor do que uma palestra para calouros sobre o uso correto de tintas como revestimento… associada a uma oficina de pintura!

Palestra da Suvinil!

Sala cheia…  não dá para sair “pintando por aí” de qualquer jeito… o trabalho precisa sair perfeito: tudo por uma boa causa!

mais momentos com Suvinil

Sobre PALLETS e reciclagem de materiais… um pouco do antes e depois:

decupagem 1

 

Nova Vida: reciclando

Mesmo com tintas e pincéis, a elegância é fundamental.
Nossos alunos além de socialmente responsáveis, modéstia à parte, são lindos!

elegânica é fundamental em nossa área de atuação - linda na maquetaria 1

Palestra do Professor Paulo Sampaio  para a as voluntárias do Amparo Maternal.
A conversa foi excelente!

Prof. Paulo Sampaio Palestra 1
sampaio 2
Marketing Social: Relacionamento com clientes
Local: Prédio da FMU-FIAM-FAAM – Vila Mariana II
Rua Agostinho Rodrigues Filho, 201
SALA B15
16:00h

 

Mão na massa: dá para ser feliz aprendendo a lixar, pintar e construir?

feliz 1   123

 

trabalho duro 1

 Eles não se intimidam com trabalho difícil… tudo por uma boa causa!

              O Processo: do desmonte à construção coletiva

trabalhando...trabalhandotrabalhandodando duro 4trabalhando

construção 3

trabalho 1

trabalho 2

O GRANDE DIA CHEGOU!!!

inauguração 1

inauguração 6inauguração 7inauguração 8

 

 

 

 ANTES e DEPOIS!

Por meio de uma série de imagens, os leitores poderão observar as mudanças!


trote 6
trote 7
trote 8
trote 9
trote 10

Inauguração, e não é que logo após a inauguração

o bazar já recebeu a primeira cliente?

Bem-vinda Sofia! 

Sofia

Bem-vindos todos!

Nós, professores e alunos do FIAMFAAM Centro Universitário somos gratos pela confiança e por termos podido vivenciar e colaborar cm o trabalho do Amparo Maternal.

E que venham novas ações sociais. Nossos alunos, colabores e professores estão prontos!

Foi um prazer!

Relação dos alunos participantes:

trote 11

ALESSA MARTINS SILVA , ALINE CARDOSO DOS REIS , AMANDA NERI FREITAS , ANDRESSA CRISTINA PEREIRA DA SILVA, ARIANE SOUSA SANTOS , BRENNA SILVA LIMA , BRENO GASQUES DE MORAES, EMILE DE SOUSA FREITAS , FRANCIELLY COSTA MENDES, GEISA FERREIRA COSTA , GIL RONE ROBERTO GUIMARAES DO NASCIMENTO, HENRIQUE DE LIMA , IANE NUNES MACHADO , JESSICA DA SILVA FRANCISCO, JESSICA SANTOS DE SOUZA, JOICE ROCHA MACIEL, LARISSA FERREIRA SILVA , LUANA DE SOUZA FERREIRA, LUCIANA MACIEL FERREIRA , MAIARA DA SILVA SANTOS , MARICY MONTEFORTE , MONIQUE MARIA DE CARVALHO , NADIA SANTOS HERNANDES BONDESIO , NATALIA MACIEL BARBOSA DA SILVA, PALLOMA TELES , PAULO RICARDO INOJOSA ZANZINI , STEFANY NASCIMENTO FELIX, VALERIA THAMIRIS ALVES MOREIRA , VALTER PEQUENO , VITORIA CANDIDO FARISA DA SILVA, HÉLEN CAMPOS DE MENEZES, JÉSSICA FARIA SALAZAR, Karine Gomes de Oliveira, Maria Silva Bruna Santos, Eliane Parente, Jéssica D’Moura, Maria Silva, Rodrigo Pereira, Tanila CorreaÉrica de Brito

saiu na mídia:
http://portal.fmu.br/noticias/4066/trote-solidario-rende-troca-de-aprendizado.aspx