Ser diferente é normal! (turma DU1)

Viver é, acima de tudo, con-viver.
Aquele que pensa que consegue viver sozinho, está muito, muito enganado.
Aristóteles já dizia há 2.500 anos que “somos seres sociais, animais políticos” pois dividimos nossas vidas uns com os outros em grupos humanos, com pessoas iguais a nós.
Em maior ou menor grau, gostamos de nos encontrar com os outros, compartilhando desejos, pensamentos, nossas vidas. Aquele que não compartilha suas experiências seja por que motivo for, pode ser considerado um marginalizado ou um “excluído social”, para utilizar um termo um pouco mais contemporâneo.
Esse isolamento pode ou não ser voluntário. Se voluntário, poderemos até nos isolar de vez em quando, mas sempre estaremos inseridos em comunidades e grupos sociais.

Mas, e quando o isolmaneto não é voluntário? e quando queremos participar e somos impedidos de alguma maneira? e se o motivo for a diferença? e se não formos iguais aos outros?

É possível que a diferença provoque algum tipo de exclusão social?

A convivência com outras pessoas pode gerar conflitos de vontades, desejos e de interesses. Numa situação como essa, normalmente quem vence o impasse é aquele que está melhor aparelhado por assim dizer. Pode ser o mais forte, o mais inteligente, o mais bonito ou numa expressão contemporânea, o “cara mais popular” da turma, grupo, etc.

Portanto, é como se um grupo maior de “iguais” com interesses semelhantes pudesse impor a sua vontade, atitudes, desejos sobre um outro grupo que ele considera diferente do seu.

Essa diferença pode gerar intolerância e com ela, a segregação ou a exclusão do grupo ou do indivíduo por exemplo. A intolerância pode ser descrita como a falta de capacidade de um indivíduo/grupo de suportar, admitir ou ainda consentir a con-vivência com o outro diferente. Ela é fruto de concepções e definições generalistas, de informações imprecisas e incompletas sobre objetos, situações e pessoas. Gera não só atitudes hostis em relação ao outro, dificultando e até inviabilizando a con-vivência, como também estigmatiza um determinado grupo social.

Para alimentar as discussões em aula, assistiremos um conjunto de vinhetas criadas pelo instituo MetaSocial que trata questões vinculadas à diferença e à pessoa deficiente. Na próxima aula falaremos sobre a deficiencia, contextualizando-a no século  XXI.

Relação de vídeos para discussão em sala de aulaEm 2002, foi lançada nova campanha pelo Instituto MetaSocial, desta vez pela agência Giovanni+draftFCB com criação de Cláudio Gatão.
Voltada para o mercado de trabalho, a campanha teve grande impacto positivo na sociedade, resultando na contratação de pessoas com deficiência por empresas que abraçaram a causa.
Ser diferente é normal.
Fonte: http://www.metasocial.org.br

Instituto MetaSocial – Diferenças

Instituto MetaSocial – Garçonete

Instituto MetaSocial – adolescentes

Instituto MetaSocial – Azul


Em 2005, o Instituto fez outra campanha com o mesmo slogan “Ser diferente é normal”, focando a beleza e a harmonia da diversidade humana, sempre com o objetivo de conscientizar a sociedade para as potencialidades e capacidades de todas as pessoas.

Instituto MetaSocial – Carlinhos

Instituto MetaSocial – Pianista


Em 2005, o Instituto fez outra campanha com o mesmo slogan “Ser diferente é normal”, focando a beleza e a harmonia da diversidade humana, sempre com o objetivo de conscientizar a sociedade para as potencialidades e capacidades de todas as pessoas.

A Menina Diferente

Campanha do Meta Social: seja diferente

Junte seu rosto a todos os que, além de acreditar, estão tomando atitudes para mudar a cara do mundo. Veja como participar: assista ao vídeo e depois acesse: http://www.serdiferenteenormal.org.br/pt/

Ao longo de nossa vida mudamos nossas características e atividades. Quando somos crianças, nossas próprias dimensões nos impedem de alcançar ou manipular uma série de objetos, às vezes, por segurança, às vezes, porque a criança não foi pensada como usuário. Quando adultos, nos encontramos em inúmeras situações que dificultam, temporariamente, o nosso relacionamento com o ambiente -como gestação, fraturas, torcicolos, quando carregamos pacotes muito grandes ou pesados, entre outros. Ao alcançarmos mais idade, nossa força e resistência decrescem, os sentidos ficam menos aguçados e a memória decai. Também é possível, mesmo que não freqüentemente, ao logo da vida, adquirir alguma deficiência, seja ela física, psíquica ou sensorial. O ser humano “normal” é precisamente o ser humano “diverso”, e é isso que nos enriquece enquanto espécie. Portanto, a normalidade é que os usuários sejam muito diferentes e que dêem usos distintos aos previstos em projetos…” Mara Gabrilli

Leitura recomendada

O que é desenho universal?

 

Um pensamento sobre “Ser diferente é normal! (turma DU1)

  1. Concordo com o termo “ser diferente é normal” pois independente de nossa aparência e de nossas limitações somos todos seres humanos, tivemos o mesmo ponto de origem e teremos o mesmo fim no final de tudo, temos direitos e querendo ou não devemos respeita los por educação e ética.
    O preconceito é uma bobagem pois pensando bem, não faz muito sentido jugarmos alguém antes mesmo de conhece lo, mas podemos perceber que isso é comum, a aparencia se tornou muito importante e talvez até fundamental em um relascionamento social, mas na verdade não, existem outros pontos a serem considerados além da aparência e além de considerarmos esses outros pontos devemos levar em consideração a tolerância.
    Na vinheta “adolescente” fica claro que não devemos jugar as pessoas por apenas aparência, somos iguais, iguais mesmo, como exemplificado na vinheta, a sindrome de down: os que possuem essa sindrome são iguais a nós e possuem sentimentos, personalidade, vontades, gostos como qualquer um.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s