praças & parques: algumas regrinhas e diretrizes para um bom projeto

Queridíssimos alunos,

Desculpem a inserção da tabela, mas simplesmente coloquei nesta telinha o que coloquei no quadro de giz lá na sala de aula semana passada. Prometo que ao longo dos próximos dias, arrumo a tal “coisa”.

Praça Parque
Inserção urbana A praça é completamente dependente do lugar onde está inserida. Ao projetar, identifique as principais circulações de pedestres. Destes entroncamentos e cruzamentos de pessoas surge a possibilidade do encontro casual e espontâneo. Praça é gente se encontrando. Para os parques, o entroncamento ou cruzamento de pessoas não é essencial. Ele não depende da inserção urbana para existir. Pode-se ir à pé, de carro, de transporte público, de bicicleta… Pode estar inserido em áreas densamente construídas, ocupadas ou distante de tudo isso.
Acesso/ingresso Espaço que compõe e interage com outros espaços públicos  e com as edificações que estão em seu entorno. Significa que calçadas, ruas e prédios lindeiros devem associar-se ou ainda interagir visualmente e fisicamente de forma contínua contextualizando o lugar, dando-lhe forma e significado. Espaço cujo ingresso ou acesso é determinado por entradas controladas ou ainda determinadas por projeto. Trata-se de circulações (principais e secundárias) que definem os passeios de pedestres e as eventuais circulações de automóveis de passeio e ou serviços e que podem levar aos equipamentos, edificações principais, estares e aos estacionamentos como exemplo.
Atividades Lugar das práticas sociais públicas com finalidades diversas: comerciais, políticas, culturais, religiosas, sociais, recreativas entre outras. A construção de edifícios não é recomendada. Conjunto de atividades relacionadas às diversas categorias de um parque. Ele pode ser completamente vegetado e destinar-se a preservação de uma floresta natural, pode ser completamente artificial se for um parque de recreação ativa como Disney World, etc. O tema e o contexto em que se insere serão responsáveis pelo desenvolvimento do programa de atividades e por conseqüência  dos espaços que você irá projetar. Infraestrutura como banheiros, área administrativa, local para guarda de equipamentos, segurança, etc., são sempre obrigatórios. Na wiki que vocês criaram, é possível observar a imensa quantidade de tipos e categoria espaciais do parque. Mais em http://migre.me/2poP7 

 

Modelagem do terreno Depende. Como a praça de apresentar uma continuidade entre todos os espaços livres e logradouros que se encontram em seu entorno, o terreno deverá ser modelado para que esta conexão possa ser realizada de forma direta e respeitando-se as condições de acessibilidade da norma NBR9050. Não necessariamente. A não ser que seja um parque temático focado em recreação ativa, parque cultural, etc., os parques mantém em muitos casos as características naturais do terreno. Isso que dizer que movimentações de terra são desnecessárias em alguns casos  e podem em determinadas situações remover as camadas superficiais de solo prejudicando, a fauna, a flora e a também a qualidade das águas (nascentes, córregos, riachos) existentes no local.
Cercas Não pode: praça é lugar que deve integrar-se à cidade e permitir livre acesso. Depende: se for um local onde o acesso é restrito (Hoppi Hari, Wet and Wild, por exemplo) ou pode oferecer algum tipo de perigo para a fauna existente, os cercamentos podem ocorrer.
Percepção do entorno Nas praças o contexto é percebido ou seja, tudo que está ao redor do lugar é visto por seus usuários. Prédios, monumentos, avenidas, calçadas, etc. De dentro, vejo tudo o que está ao meu redor. Todas as atividades da praça dependem da circulação das pessoas e do que acontece na cidade. Não necessariamente. A proposta do parque nos remetem à situações descontextualizadas do urbano. Ou seja, os ambientes projetados independem das atividades que acontecem lá fora do parque. De dentro não vejo e não sei de nada do que ocorre ao meu redor. Os ambientes internos relacionam-se com o programa de atividades proposto para o parque. As circulações de pedestres e automóveis destinam-se a orientar as pessoas levando-as de um espaço para outro.
Edificações Não tem. As edificações por ventura existentes devem relacionar-se à praça como, por exemplo: O adro que fica em frente ás igrejas, ou ainda, o terreno (praça) que pode ficar em frente a um prédio público (casa de Câmara e Cadeia), etc. Podem existir e relacionar-se à administração, sanitários e às atividades vinculadas ao programa de atividades do parque.  Um parque zoológico deve conter desde edificações que simulem os ambientes naturais dos animais até lanchonetes, restaurantes, aquários e museus.
Vegetação Depende. Se necessária a colocação ela é o elemento secundário do projeto. Pisos devem predominar. Maior área impermeável. Depende. Se não for parque temático cultural ou de recreação ativa, a vegetação é o elemento estruturador dos ambientes projetados e deve predominar.  Maior área permeável.
Água Depende. Ela é elemento secundário que colabora na organização espacial dos ambientes propostos orientando não só visuais internas e externas como também colaborando na organização de circulações. É tratada como espelho d água. Nada de “nascentes”… Se não for um parque temático como o Wet ‘d Wild que usa a água como elemento estruturador dos espaços e de todas as atividades do local, as água pode ser tratada como elemento natural (mantêm-se as nascentes, exploram-se os riachos, córregos, eventuais lagos, etc.) sem maiores intervenções construtivas como pode ser construído “à maneira natural “ imitando-se elementos pictóricos franceses clássicos, ou italianos e românticos…
Mobiliários Depende. Predominam locais para assento e sombreamento esporadicamente. Vinculados ao programa de atividades do parque. Bancos, caramanchões, quadras, etc.
Iluminação Sempre. Por se tratar de área urbana, sugere-se especial atenção á iluminação noturna vinculada não só às calçadas e passeios laterais como também ao pedestre em toda a sua área interna. Depende. Reservas florestais, por exemplo, não necessitam de iluminação interna.  Por outro lado parques culturais como o La Villete (Paris) são projetos que demandam uma  Arquitetura de Luz, pois dela dependem para a sua existência e uso.

2 pensamentos sobre “praças & parques: algumas regrinhas e diretrizes para um bom projeto

  1. Pingback: Franciele Santana

  2. Pingback: Projeto de paisagismo: arquitetura e urbanismo manhã 2012 | Bruno Maxwel

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s