Chegaram os novos projetos de praça da turma de paisagismo!!!

E não é que chegamos ao final do semestre? Parabéns a todos os alunos e espero que os conteúdos aprendidos sejam utilizados na elaboração de projetos que deixem nossas cidades mais acessíveis (foi “duro” calcular as inclinações das rampas e passeios… inesquecível… rs) a todos os cidadãos, mais adequadas ao flanar urbano (sem aquele amontoado de equipamentos como quadras para isso, mesinhas para aquilo…rsrsrsr) sem atividades dirigidas para a recreação ativa e, em especial, com a utilização de elemtnos como água, pisos com diversas paginações, iluminação noturna e sombreamentos bem legais.

Well, vamos ao exercício solicitado:

FIAM-FAAM  Centro Universitário

CURSO:                                   Arquitetura e Urbanismo

DISCIPLINA:                         Introdução ao projeto de paisagismo

Exercício 1 : uso da vegetação em paisagismo
Exercício 2 : Requalificação de praça

Tema: Projeto de praça: qualificação paisagística (morfológica e funcional) de uma área pública destinada a praça. O trabalho deverá contemplar um diagnóstico da área a ser trabalhada (estudo de inserção urbana, transporte, população, atividades do entorno, visuais a manter e a barrar, sons, morfologia do terreno, vegetação existente, etc) um programa de atividades compatível com as necessidades do lugar, zoneamento funcional e plano de massas, pré-projeto contendo: locação da vegetação, mobiliários e equipamentos urbanos, paginação de pisos).

Objetivo:  compreensão do conceito, do programa de atividades, de sua inserção no contexto urbano e do modo de projetar uma praça.

Método:

Aula: expositiva do professor
Elaboração de modelo para compreensão do projeto
Elaboração de desenho técnico do estudo preliminar da praça identificando a
volumetria dos elementos vegetais, paginação de pisos, locação de mobiliários
urbanos (bancos, postes de iluminação, etc.) e dos equipamentos (pontos de
ônibus, bancas, repuxos de água, etc.)

Equipes: 4 a 5 alunos

Tempo de duração: 7 semanas (4horas aula por semana)

Escala:
1:200

Avaliação:

Cada equipe tem 15 minutos para expor o seu trabalho. O trabalho depois de
avaliado deverá ser publicado no site da turma: http:/helenadegreas.wordpress.com
Além da apresentação oral, o grupo deverá encaminhar ao professor, um arquivo da
apresentação em PowerPoint. Além
da apresentação oral, o grupo deverá encaminhar ao professor, um arquivo da
apresentação em PowerPoint.

Ver mais em:
Programa de Paisagismo 2011

Débora Cristina Rodrigues, Ingrid R. Strapasson ( ingridstrapasson@hotmail.com ), José Edurado Taveira (dudutaveira@bol.com.br)  e Johnny
Tabalho completo

Bruna Biano (brunabiano@yahoo.com.br), Guilherme Melo ( gui.omelo@bol.com.br ), Florence Arruda (arruda.florence@bol.com.br)
Trabalho completo

Daniel Prudente Nóbrega da Costa (daniel.arq@ig.com.br), Gisele Doreto Silva (gisele.doreto@hotmail.com), Simone Dias (simone.ambrosio@uol.com.br)
Trabalho completo


Beatriz Shinohara (beatriz_shinohara@hotmail.com), Elivânia ( vania_simpleplan@hotmail.com), JamilySouza  (jamily_souza91@hotmail.com) Sarah Paulert (sarahpaulert@hotmail.com )

Alyne do Viso Gomes  (alyneviso@hotmail.com), Carolina Servilha (carolina.servilha@gmail.com), Elizete do Santos
Castro (elizetestoscastro@hotmail.com), Jessica Mayana P. Silva (jessicamayana@hotmail.com)

 

Paisagismo: Noturno

Cássia Lima, Ian Brasileiro, Maurício Rossi e Nauan Cabrini
Trabalho completo

 

 

os próximos trabalhos serão publicados em breve!!!

Sobre plantas e maquetes táteis: execução do sambódromo (diário de sala)

Este projeto surgiu como proposta complementar para o Carnaval 2011 que vem sendo desenvolvido com a SPTuris e FIAMFAAM Centro Universitário com o precioso apoio da Fundação Dorina Nowill para Cegos

Como atividade vinculada ao escritório-modelo do Curso de Arquitetura e Urbanismo, um conjunto bastante significativo de alunos, voluntariou-se para colaborar numa tarefa bastante difícil: como mostrar o sambódromo (planta em PDF) e o espaço para evolução de uma escola de samba?

O Desafio:
1. Como podemos colcaborar com um Deficiente Visual ajudando-o a compreender as características arquitetônicas e espaciais de um complexo de edificações que constituem o sambódromo de São Paulo?
2. Será que por meio de nosso trabalho conseguiremos colaborar na compreensão de como se dá o desenvolvimento da apresentação de uma escola de samba.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vamos construir objetos que servirão de tecnologias assistivas.

1.Vamos representar como uma planta de implantação das edificações do sambódromo? e para que serve a planta tátil? como é usada?

Planta tátil: seu uso é destinado para a orientação espacial

A orientação espacial dentro dos edifícios ou em áreas urbanas ocorre a partir da percepção do posicionamento que os objetos tem uns em relação aos outros. Como os deficientes visuais (para o caso dos cegos) não são capazes de apreender toda a situação a partir do olhar ou de uma imagem geral, é importante que a compreensão da organização, relacionamento, distância e organização entre objetos, edificações e arquiteturas possam ocorrer por meio de outros mecanismos.

A percepção do conjunto de edificações, localização e distribuição do complexo de edificações que compõem o sambódromo será viabilizada por meio de uma planta tátil de localização ou de implantação. Isso dará a oportunidade do Deficiente Visual compreender as relações espaciais entre os edifícios. A manipulação da planta tátil por diversos ângulos (a planta será colocada sobre uma mesa)  associada à memorização (repetição da leitura organizando uma sequência de situações) colaborará na formação dos conteúdos necessários para a orientação do deficiente visual.

Em seguida, inseri uma série de imagens do Guia Tátil (planta táil): complexo Padre Chico executado em 2005.

Objetivos:

Planta tátil do Pólo Cultural e Esportivo Grande Otelo

– A planta será realizada na escala 1:750 (0.50m x 1.50m x 0.04m) e poderá ser colocada tanto sobre mesa quanto fixada na parede.
– Identificação dos edifícios que serão representados; identificação das áreas permeáveis que serão representadas; identificação das circulações e pisos que serão representados; identificação dos cercamentos que serão representados; identificações dos viários de entorno que será representados.
– Definição do uso de fonte Verdana 24, ou maior para escrita dos textos;
– Planta tátil será construída com poliestireno em três cores, a saber: branco, preto e vermelho (edifícios), piso do sambódromo em branco e viário do entorno em preto.
– Os textos serão confeccionados em vinil adesivado branco com texto impresso em preto e vinil adesivado preto com texto impresso em branco. Não haverá texto impresso sobre as edificações que estão em vermelho.
– Tanto textos impressos quanto textos em Braille obedecerão a NBR9050.

Maquete Tátil: Arquibancadas e Camarotes (setor B)

– A maquete tátil será realizada na escala 1:100 (0.24m x 1,28m x 0.50m) e poderá ser colocada sobre mesa; Sua base tem medidas de 0,06m x 0,80m x 1,40m.
– Deverá representar a forma (volume – cheios e vazios), proporções, escalas, estrutura da edificação, afim de dar noções de espacialidade ao deficiente visual.
– Definição do uso de fonte Verdana 24, ou maior para escrita dos textos.
– Os textos serão confeccionados em vinil adesivado
– Ainda será decidido se haverá ou não a diferenciação de cores na maquete, ou se será mantida a uniformidade da cor do MDF envernizado.

Ficha Técnica do Sambódromo:

Nome real do local:
Pólo Cultural e Esportivo Grande Otelo

Assessoria e consultoria técnica voluntária em maquetes
Prof. Ângelo Pinheiro

Alunos (comprometidíssimos) voluntários
Andréia da Rocha, Christofer Carvalho, Alexandre Vinícius Appel, Aline Oliveira Janas, Henrique Matuchita Viana, Fabiana da Silva Queiroz, Aline Pinho Linguanoto, Talitha Chiovetto, Gabriel Presto, Cleber Sakin Hanashiro, Juliana Escribano, Cleidnalva Ferreira de Araújo, Michele Medeiros

Planta tátil do Sabódromo

Materiais:

Chapas (2,00m x 1,00m) de poliestireno (ps)
1 chapa de 1mm preta
1 chapa de 1mm branca
1 chapa de 2mm vermelha
Cola Spray 3m “77” – 3 latas
Cola Branca – 1kg
Cola adesivo instantâneo CA 40 – 2 tubos grandes
Verniz em spray ColorGin Decor spray multiuso
Loja: Vick

MDF
mdf 3mm – 1 chapa de 1,00m x 0,50m
mdf 9mm – 1 chapa de 1,40m x 0,50m
mdf 12mm – 2 chapas de 0,80m x 0,30m
Sarrafos (cedrinho aparelhado) de +/-  2,5cm x 5,0cm
2 barras de 1,40m
4 barras de 0,50m
2 barras de 1,00m

Loja: Peg&Faça

Construção da Planta Tátil: algumas imagens


trabalho de muiiittttaaa paciência…


delicadeza….. preparando a massa que servirá para idenificação das áreas permeáveis – jardins

Planta Tátil

Embora parcialmente pronta, ainda falta adesivar o texto em tinta e o texto em Braille.

ai, meu Deus… não sabemos ler o alfabeto Braille… ainda bem que conseguimos o material da FDNC… a identificação e leitura será visual mesmo… para quem tem presbiopia como eu, não vai dar… mas os meninos que são jovens, conseguem… rsrsrs


adesivaradesivardesivaradesivaradesivaradesivaradesivarasesivaradesivar

envenvernizando a planta tátil sob um sol de 35oC - só os fortes sobrevivem...

Hora do rango, bóia… porque ninguém é de ferro… como estão todos sem tempo, esfihas do Habib’s… umas cem aproximadamente…
Desculpem a foto, está com a cara de fim de feira, mas como estavam todos com fome, só lembramos de fotografar os restos… na maquetaria mesmo… rs

Maquete Tátil: Arquibancadas e Camarotes (setor B)

Materiais

MDF
mdf 3mm – 1 chapa de 1,40m x 0,80m
mdf 6mm – 1 chapa de 1,40m x 0,80m
mdf 12mm – 1 chapa de 1,40m x 0,80m
Sarrafos (cedrinho aparelhado) de +/-  2,5cm x 5,0cm – 2 barras de 1,40m

Loja: Peg&Faça

1.Vamos representar a arquibancada principal do sambódromo? e para que serve uma maquete tátil? como é usada? ela é diferente de uma maquete feita para videntes?

Maquete Tátil: seu uso é destinado para a percepção da forma, do volume, das estruturas, das proporções, dimensões e dependendo da escala, dos detalhes construtivos de uma edificação explorando os demais sentidos. Portanto, é possível incluir contraste de cores para atender aos usuários com baixa visão, ou ainda som com o objetivo de complementar informações não atendidas pela maquete e também odores. O tato é por assim dizer, mais uma das possibilidades de compreensão das arquiteturas.

Construção da Maquete tátil: algumas imagens

preparando o tabuleiro: a maquete é feita de MDF e será manipulada pelos DVs para compreensão. precisa ser firma, rígida, sólida enfim… por isso a base reforçada.

Pensando e discutindo com o Prof. Ângelo os objetivos da maquete tátil. Resumindo, o que deve ser mostrado e como fazer com que os conteúdos sejam inteligíveis para os DVs. Foi decidio então que a maquete deverá ressaltar dimensões (a partir da escala humana), proporções e as principais características arquitetônicas (forma das arquibancadas, das estruturas de concreto, a localização das principais funções tais como sanitários, camarotes, acessos entre outros). A partir daí, o grupo optou por construir a maquete tátil na escala 1:100, mais adequada para apresentar os objetivos definidos.


Depois de imprimir o material em papel e estudar a melhor forma para construí-la, os alunos dividiram-se me grupo e iniciaram o desenho e o corte das peças. Nessa foto, os launos estão lixando a estrutura de concreto que sustenta a arquibancada.

Todas as 19 peças são revistas para que tenham o mesmo tamanho. por que 19?!?


É que a professora acabou quebrando uma delas… delicadeza zero…



Como o trabalho todo é manual, artesanal, algumas revisões são necessárias: de volta à serra de fita pois…


agressivos? não… #diversão pura num sábado calorento…

E não é que está ficando bem legal? foto do esqueleto da arquibacanda principal.


Acima, grupo feliz com o trabalho do dia.

Abaixo, também

hoje, 19.02.2011

Já são 16h.  Ainda estão animados. Tentamos ouvir todos os sambas das escolas estudadas mas o modem 3G da #CLARO não serve para nada…

Retomando os trabalhos: alguns começaram a ficar estranhos… sei não…

será o calor? a fome? a sede? abstinência de sono?

ou será a pressão do prazo?????

acho que foi o excesso de açúcar... deixou todo mundo elétrico... criança é assim mesmo...

Vamos todos agradecer à Profª Alessandra, grande fornecedora de biscoitos, bolos… ai, meu Deus, como é bom… rsrsrs

Alguns excessos vêm acontecendo entre eles… é a idade…

falta espaço... sobra vontade... 😀

Dia 22.02.2011, 20h.

Todo o grupo reunido para terminar a maquete tátil da arquibancada monumental. Vocês estão vendo?!?

acabou a energia elétrica... as serras não funcionam...

Fechando a maquetaria com CHAVE DE OURO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
A-CA-BA-MOS antes do prazo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Enredo (áudio do samba)

Camisa Verde e Branco
Paulista viva, vista a camisa.
A mais paulista das avenidas Compositores
:

Mestre Ideval, Dica, Diego Santos e Fabiano Brandão

Rosas de Ouro
Abre-te Sésamo: a senha da sorte

Mocidade Alegre
Carrossel das Ilusões
Douglas, Edmilson, Marcio Bueno, Igor Leal, Rodriguinho e Victor Alves

 

Mais sobre o assunto em:

Vídeo sobre a finalização e agradecimentos aos participantes

Saiu na mídia
Deficientes Visuais Visitam escola de samba na zona norte de São Paulo
Deficientes Visuais vivenciarão o carnaval de São Paulo
Carnaval Acessível de São Paulo 2011: Só não vê quem não quer

Carnaval de São Paulo lança projeto, ‘Só Não Vê Quem Não Quer’
Carnaval 2011 de São Paulo contará com ação para inclusão de pessoas com deficiência visual

Carnaval 2011 de São Paulo terá inclusão de deficientes visuais

“Só não vê quem não quer” seleciona participantes

Carnaval de SP pretende levar deficientes visuais ao sambódromo

Carnaval 2011 de São Paulo terá inclusão de deficientes visuais

Deficientes visuais também acompanharão o Carnaval 2011
Carnaval 2011 de São Paulo terá inclusão de deficientes visuais
Inclusão sóciocultural na Mocidade Alegre
http://vascopresscom.blogspot.com/

Alunos e Professores mostram suas produções para o carnaval
FMU apresentou maquetes táteis do carnaval 2011 para pessoas com deficiência Visual

TV
Projeto abre as quadras de escolas de samba para deficientes visuais


Diagnóstico e proposta de acessibilidade: Museu da Energia (casarão Santos Dumont)

Desenvolvido pelos alunos do Escritório Modelo Digital do Curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário FIAM-FAAM, o trabalho avaliou as condições de acessibilidade de alguns locais de uso público e coletivo em São Paulo.

Local:
Museu da Energia (casarão Santos Dumont – SP)
Aluna:
Neide Quitéria da Costa ( nqcosta@uol.com.br)
Tutor:
Drª Helena Degreas

Relatório da visita técnica (doc)

Diagnóstico do casarão (PDF)

Diretrizes para intervenção

Deficiência Visual: um pouco sobre o assunto

Alunos do escritório-modelo e do curso de moda, bom dia!

Hoje vamos falar um pouco sobre a deficiência visual.

Para que possamos desenvolver nossas atvidades, precisaremos conhecer as características de nossos clientes e, em especial, suas necessidades.

E a deficiência, como pode ser entendida?

O termo deficiência pode ser entendido como todo e qualquer comprometimento que afeta a integridade da pessoa e traz prejuízos na sua locomoção, na coordenação de movimentos, na fala, na compreensão de informações, na orientação espacial ou na percepção e contato com as outras pessoas (Artigo 3o do Decreto federal nº 3.298/1999). Doravante, utilizaremos o termo pessoa com deficiência utilizado no texto da Convenção Internacional sobre os Direitos das pessoas com Deficiência para fins de discussão e apresentação de projetos em sala de aula.

A CIF é uma classificação de saúde e dos estados relacionados à saúde.

RESUMINDO: DEFICIENTE NÃO É DOENTE

Muito além da definição do conceito “deficiente” como algo falho, imperfeito e incompleto, a CIF define componentes de saúde e de bem-estar à ela relacionados (tais como educação e trabalho). Seus domínios são da saúde e relacionados à saúde. Ao agrupar sistematicamente diferentes domínios de uma pessoa em determinada condição de saúde, ela identifica o que uma pessoa pode ou não pode fazer.

A funcionalidade dessa forma, engloba todas as funções do corpo, atividades e participação.

A incapacidade é um termo que incluiu deficiências, limiação da atividade ou restrição na participação.

O que considerar no ato de projeto:

Funções e estruturas do corpo e deficiências
Definições:
As funções do corpo são as funções fisiológicas dos sistemas orgânicos (incluindo as funções psicológicas)
As estruturas do corpo são as partes anatômicas do corpo, tais como, órgãos, membros e seus componentes.
Deficiências são problemas nas funções ou na estrutura do corpo, tais como, um desvio importante ou uma perda.

Atividades e Participação/limitações da atividade e restrições na participação
Definições:
Atividade é a execução de uma tarefa ou ação por um indivíduo.
Participação é o envolvimento numa situação da vida.
Limitações da atividade são dificuldades que um indivíduo pode encontrar na execução de atividades.
Restrições na participação são problemas que um indivíduo pode experimentar no envolvimento em situações reais da vida.

O que é tecnologia assistiva? e para que serve ?

Tecnologia assistiva é o nome utilizado para identificar todo o conjunto de recursos e de serviços que contribuem para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e conseqüentemente promover sua independência e inclusão colaborando na na viabilização de demandas comumente solicitads em ambientes domésticos e sociais.

O maior ou o menor grau de independência e autonomia dos indivíduos com deficiência em suas atividades, são determinados pelo contexto ambiental onde vivem.

Não se avaliam mais apenas as condições de saúde/doença do indivíduo; são também consideradas também o contexto do ambiente físico e social pelas diferentes percepções culturais e atitudes em relação à deficiência e pela disponibilidade de serviços e de legislação.
(Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde)

Como o texto anterior se materializa em nossos projetos? Por onde começar? Como fazer em nosso trabalho?

Relações comunitárias:
.               utilização de serviços, tecnologias, equipamentos públicos e privados da/na comunidade;
.               participação em atividades e/ou ambientes coletivos;
.               participação em eventos e/ou na comunidade;
.               locomoção na comunidade;
.               relacionamento social com vizinhos, conhecidos e pessoas desconhecidas da comunidade.

Vida diária em seu lar e Atividades Ocupacionais

O que vê quem não vê?

Deficiência Visual
É  a perda ou redução da capacidade visual em ambos olhos em caráter definitivo e que não possa ser melhorada ou corrigida com uso de tratamento cirúrgico, clínico e/ou lentes.
O Decreto 3298 considera deficiente visual a pessoa que tem dificuldade  ou impossibilidade de enxergar a uma distância de 6 metros o que uma pessoa sem deficiência enxergaria a 60 metros, após a melhor correção, ou que tenha o campo visual (área de percepção visual) limitada a 20%, ou com ambas as situações;

CEGOS: têm somente a percepção da luz ou que não têm nenhuma visão e precisam aprender através do método Braille e de meios de comunicação que não estejam relacionados com o uso da visão.

VISÃO PARCIAL: têm limitações da visão à distância, mas são capazes de ver objetos e materiais quando estão a poucos centímetros ou no máximo a meio metro de distância.

VISÃO REDUZIDA: são considerados com visão indivíduos que podem ter seu problema corrigido por cirurgias ou pela utilização de lentes.

Como não sou uma profissional vinculada à área da medicina ocular e afins, deixo aqui algumas imagens (e também hiperlinks para a wikipédia) e descrições (contraídas – não visíveis) das principais deficiências visuais para que vocês possam compreender um pouco melhor o nosso universo de trabalho.

Glaucoma




Catarata




Degenaração Macular



Retinite Diabética


Daltonismo


Resumindo:

– Nosso cliente é saudável (deficiência não é doença)
– Nosso cliente tem um comprometimento em uma das estruturas do seu corpo. Esta estrutura deveria estar adaptada ao exercício de uma determinada função. A função desta estrutura é sensorial e deveria propiciar juntamente com os outros sentidos (olfato, tato e paladar) nosso relacionamento com o ambiente externo ou o mundo que nos rodeia. Esta função consiste na habilidade de detectar a luz e de interpretá-la .
– nosso cliente quer participar do evento como você e eu;
– nosso cliente quer saber o que está acontecendo no evento;
– nosso cliente precisa de tecnologias assistivas. É para isso que fomos chamados. Temos que criar objetos que possam colaborar na compreensão do que está acontecendo e para os deficientes visuais possam interagir com as demais pessoas. Em suma: ele também quer participar, comentar e se divertir.

Links para consulta

https://helenadegreas.wordpress.com/2010/02/05/deficiencia-definicao-e-classificacao/

https://helenadegreas.wordpress.com/2010/02/01/ser-diferente-e-normal/

https://helenadegreas.wordpress.com/2010/03/04/desenho-universal-tecnologias-assistivas/

http://www.once.es/otros/trato/trato.htm

http://www.brasilmedia.com/Baixa-visao.html

http://deficienciavisual.com.sapo.pt/index.htm

E, para quem quer ouvir uma audiodescrição…

https://helenadegreas.wordpress.com/2010/11/16/de-olhos-bem-fechados-urban-gallery-e-tofer-chin-para-quem-nao-ve/

https://helenadegreas.wordpress.com/2010/07/09/teste-para-audiodescricao-capa-da-revista-xxx-edicao-de-aniversario/

Parques: Introdução ao projeto de paisagismo – manhã 2010/2)

Publicado em 16/11/2010 por auladepaisagismo

Ao longo deste semestre, vocês foram convidados a pesquisar o conceito por meio de uma “wiki”, realizar uma visita técnica a uma série de locais selecionados pelos professores e projetar um parque público no município de São Paulo.

O parque está localizado num terreno atualmente tombado pelo poder público e encontra-se inserido entre as Ruas Caio Prado, Augusta e Marques de Paranaguá. um dos lados tem como vizinho a PUCSP.

A Entrega:

Seminário de Avaliaçao: cada equipe deverá apresentar em powerpoint (com baixa resoluçao) plantas contendo: modelagem do terreno (cotas e alteraçao das curvas de nível quando necessário), vegetaçao (com legenda especificando formas, volumes e alturas); água; pisos (circulaçoes, estares, estacionamentos) e sua paginaçao; mobiiários e equipamentos urbanos e a foto da maquete volumetrica do projeto.

A apresentaçao deverá conter necessariamente um conjunto de cortes que demonstre claramente as alteraçoes sofridas pelo terreno para a implantaçao das circulaçoes e ambientes de estar. O número é indefinido; ilustraçoes (fotos) de croquis e perspectivas que demonstrem as intenções de projeto. Fotos do modelo/maquete deverão ser inseridas na apresentaçao e deverao conter uma frase ou legenda que aponte o motivo pelo qual a imagem foi inserida na apresentação.

Pasta contendo plantas; cortes, croquis do projeto realizado (dobradas); maquete pronta.

Mando também um pouco de inspiração para o desenvolvimento dos seus projetos!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Danilo Akiyama e Luan Teixeira
Projeto Completo

Fernanda Supino e Dania Jean
Projeto Completo

Daniele Tavares e Vivian São Pedro
Projeto Completo

Wilson Trega e Nathália Pironato
Projeto Completo

Bruna Leite e Cecília Hayashi
Projeto Completo

Tiago Bagarollo e Cristiano T. Souza
Projeto Completo

Ieda Oliveira e Silva e Talita Carvalho Guerra
Projeto Completo

Renan Rinaldi e Vanessa Uehara
Projeto Completo


Ariane Silva e Mariana Touzarin
Projeto Completo

Renata Pereira e Vania Vendrúsculo
Projeto Completo

Alguns projetos ainda estão em fase de finalização

Dieberger & Cia: Arte e Jardim (1928)

Datado de 1928, o livro Dieberger & Companhia: arte e jardim foi digitalizado e inserido neste post. O material, apesar de sua linguagem datada, é precioso pois mostra a passagem dos ajardinamentos tidos como ornamentos ou ainda  coadjuvantes dos edifícios para um papel principal interagindo e integrando-se ao projeto de arquitetura  nas palavras de Dieberger.

O manual, como é chamado pelo autor, apresenta uma coletânia de projetos de jardins residenciais e parques, além de um capítulo dedicado à definição do conceito de jardim praticado por sua companhia.

Costumo utilizá-lo em aulas para mostrar o desenvolvimento das linguagens de projeto e também para falar um pouco mais sobre o uso da vegetação.

Como não me lembro de ter visto exemplares à venda, achei que talvez após 82 anos não haveria problema algum em disponibilizar o material. Não sei quem digitalizou, mas agradeço de qualquer forma pois posso utilizá-lo para ensinar.

Boa leitura a todos! divirtam-se tanto quanto eu.

 

Roteiro da Arquitetura Moderna e do Ecletismo: Região Central SP

Apesar da pesquisa ainda estar em andamento, não resisti e coloquei no ar assim mesmo: incompleta…
Desculpem a “ansiedade”, mas o material é bem rico e está ficando bem bacana.

Para a próxima etapa, faremos a pesquisa no local – levem material de desenho e celular para fotografar… Só aceito fotos  inéditas… rsrsrs Daremos fim às ilustrações do Mr. Google… rsrsrs

Mesmo con tantos percalços, parabéns aos alunos!

Material ainda em processo de elaboração:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Modernismo e ecletismo na região central de SP