Revista Casa Projeto & Estilo: dormitório acessível para um adolescente

FIAM-FAAM Centro Universitário

Escritório Modelo: Acessibilidade Universal
Cursos: Design de Interiores, Arquitetura e Urbanismo
Tema: adaptação de um apartamento para um adolescente

Alunos:
Ana Verônica Cruz
Giovanna Galvão
Maiara Bicalho
Leonardo Mamede
Luana Souza Pereira
Luciana Ishu
Sabrina Archanjo Brasil
Simone Dias
Foto: Cibele Rossi de Almeida
Orientação: Profª Helena Degreas

Foto dos alunos

2 3

Introdução
Quem não se lembra de como era bom sair correndo pelos corredores da casa e pular sobre a cama dos pais ou sobre os sofás da sala quando criança? Trazer amigos para dormir em casa, passar a noite inteira acordado assistindo TV, jogando games, conversando e fingindo que está dormindo quando os pais entram no quarto? Estas travessuras e outras tantas são rotina na vida de João (9 anos) e Pedro (12 anos), filhos de um casal jovem que como todos nós, tem uma agenda preenchida por trabalho, estudos, vida social intensa e diversos afazeres vinculados ao lar.

planta do dormitório

É neste ambiente que se desenvolve a proposta de redefinição dos layouts. Com a chegada da adolescência, novas demandas surgiram: os meninos que antes dormiam juntos terão doravante seus quartos individuais que devem oferecer um programa de atividades semelhantes, mas atendendo algumas especificidades: Pedro tem habilidades funcionais motoras reduzidas que, de tempos em tempos, variam entre o uso de cadeiras de rodas e andadores; recentemente, vem sendo estimulado a andar de forma autônoma sem o uso de tecnologias assistivas situação essa que lhe dará a liberdade de escolher para onde quer ir – andando ou correndo a seu modo. Embora ele apresente dificuldades para aprendizagem de conteúdos educacionais, sua habilidade visual é adequada, mas, como qualquer pré-adolescente, sua habilidade funcional auditiva é, na opinião dos pais, bastante “seletiva”.

Quarto do Pedro

quarto do Pedro

Partido

Todos os ambientes foram desenvolvidos para atender às linguagens estéticas e às necessidades sociais da família (recepção de amigos e parentes), bem como às orientações da TO – terapeuta ocupacional e do fisioterapeuta frente aos condicionantes espaciais necessários ao pleno desenvolvimento das habilidades de locomoção e compreensão do Pedro na sua nova fase de vida. A casa deve prover e colaborar no pleno desenvolvimento de autonomia na execução das atividades cotidianas domésticas que vão desde aos cuidados com sua higiene pessoal, alimentação bem como a execução de tarefas que são de sua responsabilidade como guarda de roupas e objetos pessoais, realização de tarefas da escola com acompanhamento eventual da TO, recepção de amigos nos finais de semana e algumas atividades de fisioterapia.

Cozinha Adaptada

Cozinha Adaptada

Cozinha Adaptada

Cozinha Adaptada

O layout foi desenvolvido para todos os ambientes da casa e alguns elementos foram incorporados visando à locomoção segura. A partir dos estudos de circulação (em pé, com auxílio de andadores ou em cadeira de rodas) e, atendendo às formas de uso dos ambientes pelos meninos, todos os vãos de portas e circulações apresentam 0.90m livres. Algumas paredes receberam a fixação de barras de apoio (corredores, salas de estar, jantar, TV, cozinha, banheiro) para que Pedro possa andar apoiando-se por toda a casa. Assentos da cozinha, salas de jantar, estar e home office  (sofás, poltronas e cadeiras diversas) e banheiro são fixos e tem alturas que se adequam à transferências por cadeira de rodas.

No quarto de Pedro foram previstas as mesmas atividades de Marcelo com alguns diferenciais no mobiliário: a bancada de estudo é longa para comportar dois lugares (para ele e para a TO). Nela foi inserida uma prancheta com altura regulável revestida nas quatro laterais com material emborrachado e altura de 0,01m (evita a queda de cadernos e lápis quando inclinada); os gavetões com rodinhas ficam embaixo de uma das laterais da bancada e neles são colocados objetos e brinquedos. A frente é de acrílico transparente para que os objetos sejam facilmente identificáveis pelo menino. A cama é motorizada e biarticulada e sobre ela, no teto levemente rebaixado, foram embutidos dois spots que podem ser acionados para fins de leitura. Como Pedro adora desenhar, ao lado do armário e na parede foi colocada uma grande lousa branca com apoio para que ele fique em pé. Grande paixão do Rodrigo, a bicicleta adaptada juntamente com a cadeira de rodas que aos poucos ele vai largando, ficam pendurados na parede do quarto.

Banheiro adaptado dos meninos: Pedro e João

Banheiro adaptado dos meninos: Pedro e Marcelo

Lavabo adaptado

Lavabo adaptado

adaptação do banheiro dos meninos

adaptação do banheiro dos meninos

O banheiro recebeu mais uma porta que se abre (com folha de correr) para o quarto facilitando o acesso durante a noite. A pia do banheiro e do lavabo tem alturas reguláveis associadas a um sifão flexível. Ao lado da banheira há um assento e apoios laterais retráteis que tem por objetivo facilitar a troca de roupas, como exemplo. As pias do lavabo (que foi colocada no hall de circulação da cozinha) e do banheiro tem barra de apoio na frente facilitando as atividades de higiene. Os pisos todos foram selecionados com materiais antiderrapantes e de fácil manutenção. Tapetes foram embutidos e fixados no chão evitando escorregamentos.

quarto do casal

Revista Casa Projeto & Estilo: apartamento acessível

FIAMFAAM Centro Universitário

Alunos: Ana Paula Higa e Ricardo Cipolla
Foto: Tulio Oliveira
Escritório Modelo: Acessibilidade Universal
Curso: Arquitetura e Urbanismo
Profª: Drª Helena Degreas

Ricardo Cipolla e Ana Paula Higa

Ricardo Cipolla e Ana Paula Higa

Conceito

É possível projetar ambientes confortáveis, bonitos, de fácil manutenção e que ainda assim sejam suficientemente flexíveis para se adaptarem às mudanças físicas do nosso corpo em diversos estágios da vida? É possível morar num mesmo lugar por décadas? A partir destas questões, alunos do escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo projetaram um apartamento de aproximadamente 52 m² preocupando-se em atender as necessidades de desenvolvimento do ser humano, construindo objetos e lugares compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas visando à eficiência, eficácia e satisfação. Acessibilidade, portanto, foi a premissa de projeto. Para o caso, o desafio proposto foi o de viabilizar espaços que atendam tanto um casal de jovens quanto pessoas idosas e que apresentem a necessidade de uso de tecnologias assistivas.

Os problemas mais comuns enfrentados em nossos lares

Dificuldade em usar tomadas, passar por portas, corredores ou ainda mover-se livremente em ambientes estreitos, escorregar em pisos lisos ou molhados, derrubar ou ter dificuldade em alcançar objetos que estão mais altos em armários são situações que enfrentadas diariamente por todas as pessoas e que aparentemente são corriqueiras. Mas não deveriam ser: pequenas adequações de projeto geram maior qualidade de vida a todos os usuários.

planta do apto

Pequenas mudanças gerando maior conforto

Para atender às expectativas dos clientes, foram estudados os principais ambientes de um lar. Com isso, a planta do apartamento foi reformada: os dois dormitórios minúsculos que mal comportavam uma cama e armários deram espaço a um dormitório de casal e ampliaram a área do banheiro. A cozinha e a área de serviço antes enclausuradas por paredes, foram reformuladas visando à funcionalidade e eficiência frente às necessidades e comportamentos contemporâneos dos moradores. A cozinha que utilizou granitos, madeiras e cerâmicas antiderrapantes, não só ampliou o espaço como também permitiu a comunicação entre os moradores e eventuais visitantes da casa. Para atender às diferentes estaturas, o cooktop elétrico juntamente com a pia e os armários de parede, todos em aço, têm alturas reguláveis graças aos trilhos de correr. Gaveteiros, estantes, adega, bancadas, toalheiros e demais acessórios foram projetados com alturas que vão entre 0,40m e 1,40m gerando conforto no uso. Portas, corredores e áreas de circulação tem vão de 0,90m mínimo para atender a movimentação e a passagem de uma pessoa em pé ou com mobilidade funcional motora reduzida, usando ou não auxílio para a locomoção como cadeira de rodas, andador ou muletas. A bancada de apoio dobra seu tamanho e pode ser usada tanto para receber amigos quanto como estação de trabalho comportando papéis, laptop e demais materiais. Todas as tomadas do apartamento são altas e foram implantadas há 1.10m de altura.

Cozinha com princípios de Desenho Universal

Cozinha com princípios de Desenho Universal

Dormitório e sala minimalista compartilham o mesmo aparelho de TV que, graças ao mecanismo que o faz girar, viabiliza o uso em ambientes distintos. O tapete, embutido no piso é fixado ao chão evitando movimentação e garantindo segurança ao morador.

Os armários do dormitório tem divisórias e nichos que otimizam o espaço organizando roupas e acessórios adequadamente. Os varões, apesar de estarem em pontos mais altos, são articulados e móveis trazendo as roupas dos cabides para perto do morador e permitindo o uso de praticamente toda a parede do dormitório de forma funcional evitando o desperdício ou ociosidade de espaços. Com isso, mesmos os pontos mais altos ficaram acessíveis.

Living com princípios do Desenho Universal

Living com princípios do Desenho Universal

As portas de correr receberam espelhos que dão mão leveza e amplitude ao ambiente. A área de banheiro recebeu tons neutros dando mais sobriedade e classe ao ambiente. O espelho toma toda a parede e encontra-se inclinado facilitando a visualização de todo o corpo. A pia é deslizante, pois encontra-se fixada a um sistema de trilhos. Existe o espaço para a colocação de barras de apoio entre o vaso, pia e bancada caso necessários. Ao box foi incorporado um banco retrátil que garante maior conforto durante o banho.

Banheiro acessível: elevação

Banheiro acessível: elevação

 

 

Acessibilidade Universal: projetos de alunos 2012

Estes projetos mostram o resultado de um semestre de exercícios e trabalhos desenvolvidos pelos alunos da disciplina de Acessibilidade Universal do curso de Design de Interiores do Centro Universitário FIAMFAAM. Com quarenta horas, a disciplina aborda temas vinculados aos direitos humanos, conceitos diversos vinculados ao tema, desenho universal, deficiências funcionais e tecnologias assistivas associando-os à ergonomia do ambiente e dos objetos contextualizando as discussões, seminários e projetos nas linguagens e estéticas contemporâneas. Os objetos utilizados pelos alunos são vendidos em lojas e empresas em muitos casos, não especializados em tecnologias assistivas. Esta situação demonstra que, com a compreensão das medidas, comportamentos e necessidades de clientes com deficiências funcionais, designer são capazes de compor ambientes funcionais que também atendem aos padrões estéticos mais refinados.

No início do semestre, nossos alunos foram convidados a criar um programa de atividades para um cliente especial. Trata-se de um apartamento cuja planta é bastante grande e deve atender a uma casal com dois filhos. Ela jornalista renomada de uma rede de TV, é paraplégica e deseja poder percorrer todos os ambientes da casa sem restrições e gozando de autonomia e liberdade de uso. Para a viabilização dos projetos, todos os comportamentos, movimentos e usos dos ambientes foram estudados. Os movimentos da cadeira de rodas, suas manobras e estacionamentos foram previstos em cada cômodo, ambiente e situação incluindo todos os locais da casa viabilizando uso e transferência quando necessário.

Estes são alguns dos trabalhos encaminhados pelos alunos. Os objetos utilizados e empresas encontram-se nas fichas técnicas que estão nos links abaixo das fotos.

Projeto:
Camila Bueno, Tamiris Herculano e Thatiane Pinheiro
Proposta completa

Projeto:
Caroline Almeida, Cássia Sybille, Margarete Brito, Nadia Padilla

Proposta completa

Projeto :
Ana Paula Lopes Dias, Marina Moreira, Will Guimarães

Projeto Completo

Projeto:
Carolina Mayumi, Michele Soaino, Rafaela Perton

Projeto completo

Projeto
Antônia Régia, Maiara Oliveira, Maria Adenice, Rosilene Alves
Projeto :
Amanda Domiciano , Nathalia Toral e Leticia Herbas.

Projetos de turmas anteriores 2010 2

Casa: Projeto & Estilo – Espaço Universitário (março 2011)

16 de Março
“…Universitários talentosos merecem espaço e reconhecimento. Está nas mãos e nas mentes brilhantes criativas de VOCÊS o nosso futuro INCLUSIVO com DESIGN e BELEZA. São os únicos que poderão mudar a arquitetura brasileira para que ela seja totalmente inclusiva e bela. Criamos este “Espaço Universitário” para incentivá-los e estamos muito felizes com estes primeiros resultados. PARABÉNS!!!! Universidades Belas Artes SP, FMU e FAU UFRJ—com Flávia Bueno e Kim Brandão”  (texto retirado da página da revista Casa: Projeto é Estilo no facebook)
Gostaria de agradecer a oportunidade dada aos alunos da disciplina Acessibilidade Universal do curso de Design de Interiores do Complexo Universitário FMU de participar do Espaço Universitário na revista Casa: Projeto e Estilo.
Trata-se de uma das raríssimas oportunidades em que alunos ainda em processo de formação tem a oportunidade de expressar suas idéias livremente e apresentar aos leitores boas ideias que podem colaborar na mudança de cultura, comportamentos e ações frente aos desafios da inclusão da pessoa com deficiência funcional no Brasil. Parabéns aos editores da revista e a todos os orientadores e alunos participantes !
Alunos:
Como sou professora da disciplina, deixarei aqui alguns dos materiais que serviram de pesquisa para o desenvolvimento da proposta. Obrigada alunos!

Conceito

Trata-se de um casal com cerca de 30 e poucos anos, sem filhos e financeiramente estável e que acaba de adquirir um novo imóvel. Ela é artista plástica e ele profissional da área de comunicação e marketing. Os dois gostam de receber amigos e tem por hobby viajar e frequentar exposições e eventos vinculados à área de arte, cinema e design. Um acidente durante o trabalho afetou algumas das habilidades funcionais motoras do marido levando-o a utilizar uma cadeira de rodas. Foi solicitada a readequação do projeto de design para atender à nova realidade, viabilizando o desempenho das mesmas atividades com independência, qualidade, conforto e bem-estar. Serão apresentados aqui três dos ambientes – quarto do casal, banheiro e closet que além de bonitos e de linguagem contemporânea, atendem ao programa de atividades do casal incorporando com elegância algumas tecnologias acessíveis existentes no mercado brasileiro e no exterior.

O closet

Para atender às necessidades do casal, o closet ficou aberto, sem portas e foi separado em dois setores: o maior deles localizado em duas das paredes foi dedicado à imensa quantidade de roupas, acessórios, objetos e sapatos da senhora. A parede restante foi dedicada ao senhor e nela, para facilitar a visualização e manuseio, foram criadas separações com alturas diferenciadas cujo alcance manual varia entre 0.40 m e 1.40m e onde estão distribuídos prateleiras, gavetas, porta objetos, porta gravatas, porta lenços e cintos além das sapateiras, calceiros e camiseiros. Os cabideiros são basculantes e podem ser instalados em pontos mais altos, pois o varão é puxado para baixo permitindo a descida por inteiro. Em um dos lados, após determinação da forma de aproximação e movimento foi colocado um grande pufe que facilita a troca de roupas e sapatos. Para viabilizar a transferência com mais conforto, o móvel foi suspenso em cerca de 10 cm alinhando-o à altura da cadeira de rodas destacando-se juntamente com o lustre na composição do ambiente. O espelho do teto ao chão facilita a visualização do look e reflete o elegante papel de parede. Iluminação embutida nos armários facilita na visualização interna.

Dormitório

Para a elaboração do layout, o primeiro passo foi determinar a localização dos ambientes solicitados pelo casal juntamente com a circulação e as manobras que seriam realizadas para o deslocamento da cadeira de rodas. Encontrada a posição adequada da cama de casal e do aconchegante ambiente para leitura, conversas e café, foram estudadas as manobras de aproximação e transferência da cadeira para a cama motorizada e da cadeira para a poltrona de massagem robótica esmeralda bege. Mesa de apoio e luminária foram alocadas atendendo aos alcances manuais laterais do cliente. A cama do casal tem reguladores para ajuste de tensão, controle individual de posições além de massageador proporcionando bem estar ao usuário.  Para facilitar a transferência, a cama foi elevada em cerca de 0.10 cm do piso chegando à mesma altura da cadeira. Em frente à cama afixada à parede, foi colocada uma tela especial de projeção em vidro adequando-se à decoração e aliando alta-qualidade, tecnologia e design ao ambiente.

Banheiro do casal

Para que o casal possa dividir o banheiro da suíte com conforto, a bancada da pia foi projetada prevendo duas cubas: uma fixa e a outra utilizando um sistema de trilhos que permite o ajuste à altura da cadeira de rodas. O sifão articulado é flexível e seu posicionamento junto à parede permite o acesso frontal com segurança. Para maior comodidade do usuário, os misturadores do lavatório encontram-se em frente à bancada da pia, facilitando a movimentação para uso.  Em frente, o espelho que toma toda a parede, está inclinado a 10 graus permitindo a vista do usuário em sua totalidade. No Box foi colocada uma cadeira de banho com braços ajustáveis por meio de um sistema de trilhos. Com hidromassagem, a banheira selecionada proporciona um banho relaxante também para o marido. A aproximação é lateral e a transferência viabilizada pela altura do assento e pela porta deslizante que permite entrada e saída com facilidade.  O vaso sanitário suspenso a 0.46 m tem altura igualada à da cadeira de rodas.

Dicas Profissionais

– Lembre-se de que as circulações devem permitir uma passagem livre de obstáculos e, portanto, segura para os deslocamentos entre os ambientes de um mesmo local. Fios, objetos, tapetes e cantos de móveis devem ser evitados. Corredores confortáveis para usuários de cadeiras de rodas têm no mínimo 0.90 cm de largura. Para o vão das portas, o mínimo é de 0.80 cm para passagem.

– Outra sugestão que garante o conforto e o bem estar do usuário de cadeira de rodas refere-se à qualidade dos deslocamentos e das manobras realizadas. Da mesma forma que um carrinho de bebê, bicicleta, automóvel precisa de espaço adequado para poder fazer giros e manobras, o desenho dessas circulações também precisa ser pensado, pois de nada adianta prever o local para a permanência da cadeira estacionada se o usuário não consegue chegar até lá. Assim, giros completos devem ter 1.50 m de diâmetro para viabilizar uma volta inteira no ambiente. Dependendo do caso, as rotações ocupam 1.20 m x 1.50 m para meia volta e 1.20 m por 1.20 m para girar à esquerda ou à direita por exemplo. Uma circulação confortável, dependendo do modelo da cadeira, precisa de uma largura de 0.80 m.

– Tapetes e carpetes podem ser utilizados na decoração desde que sejam “embutidos” no piso evitando um desnível que pode gerar acidentes ou dificuldade na locomoção da cadeira de rodas. O segredo está em criar uma espécie de recorte no piso na altura exata do tapete ou carpete fixando-o no chão. Essa atitude além de evitar tropeços e quedas, também facilita a circulação sobre rodas.

– Procure sempre utilizar pisos antiderrapantes em ambientes como banheiros, lavabos, cozinhas, lavanderias, garagens e áreas externas. Essa atitude evita escorregamentos em ambientes molhados ou em dias de chuva.

– Procure utilizar sofás, cadeiras, poltronas, camas e assentos que tenham pelo menos 0.46 m. Isso significa que móveis com altura semelhante à da cadeira de rodas dão mais conforto, liberdade e bem-estar ao usuário facilitando a transferência. Como os móveis existentes no mercado não chegam a essa altura, sugere-se que a situação seja corrigida com calços ou ainda elevações que devem ajustar o móvel ou os objetos à altura da cadeira de rodas. Embora não seja a situação ideal, ela permite a compra de produtos disponíveis em qualquer loja.

– Situações confortáveis para manuseio de objetos, roupas e acessórios em espaços destinados a armários e closets podem ter, dependendo da profundidade, alturas variáveis entre 0.40 m e 1.40 m do piso. A altura mínima também pode servir para as tomadas de chão. Isso significa que gaveteiros e demais componentes de armários (cozinhas, dormitórios, banheiros, lavanderias e closets) devem estar nestas alturas para que o usuário de cadeira de rodas possa encostar lateralmente e pegar ou guardar os objetos e roupas sem necessitar da ajuda de outras pessoas da casa.

– Pias, mesas e bancadas em geral podem ter alturas entre 0.75 m e 85 m lembrando sempre que o vão entre chão e a parte debaixo da mesa precisa ter altura livre de qualquer obstáculo (como gavetas, sifão entre outros) de 0.73 m para evitar batidas e machucados para o usuário de cadeira de rodas.

Ficha Técnica

Closet

Armários
Em MDF liso branco 25mm, laqueado, feito sob medida para o ambiente e para atender as necessidades específicas do casal.

Tinta
Suvinil Acrilico Antibactéria na cor of-white Casamento  – A201

Papel de parede
Bucalo: Linha Alta Gamma Sempre

Iluminação
PLAFON Embutido MF175 Metal Técnica

Lustre
Dominici : Bouquet

Pisos
Carpete Tabacow Art Nylon White

Acessórios
O Cabideiro Basculante foi desenvolvido para ser instalado em armários altos. Com ajuda do varão, basta puxar para baixo e o cabideiro desce por inteiro.

Suporte para cintos

Suporte para Lenços

Suporte para gravatas

Porta Jóias para gaveta

Porta objetos

Móveis
Puff Barcelona Artefacto

Dormitório do Casal

Cama Motorizada Melody

Cortina
Cortinas e cia: Cortina de Voil prega macho – cor branco

Parede
Suvinil: Cor Miragem (paleta dos marrons e neutros)

Rodapé  em gesso

Carpetes
Carpete Tabacow Art Nylon White

Nichos de gesso

POLTRONA NEW WOLF

Cadeira de Massagem Robótica Esmeralda – Bege

Parede – Papel de Parede Bucalo 

Double screen

Luminária circular, com anel de arremate em alumínio tratado e pintado por processo eletrostático

Beat Light é uma das coleções de luminárias do designer Tom Dixon. É composta por quatro modelos diferentes de pendentes, produzidos artesanalmente por meio de técnicas tradicionais de artesãos indianos. O interior das luminárias é feito de latão envelhecido, com superfície desigual, contrastando com a patina preta no exterior. Uma boa sugestão é montar conjuntos com as luminárias da coleção, organizando-as em diferentes alturas. Assim, se obtêm um ambiente agradável, descontraído e com iluminação inovadora. 4 modelos: wide (h=16 ø=36cm), fat (h=30 ø=24cm), tall (h=36 ø=19cm) e stout (h=50 ø=52cm)

MESA LATERAL BRASILIA

Banheiro

Cadeira de banho

Imperador Light stone

Revestimento de madeira  de demolição em relevo

Porcelanato Tokio Warm 45×45 Cx. 1,58m² – Ref: 21125e  –  Portobello

Bacia Convencional Suspensa Link Branco Gelo P232  –  Deca   Cód: 880426

Lavatórios – Deca

Luminária circular, com anel de arremate em alumínio tratado e pintado por processo eletrostático nas cores branca, preta, ou padrão Lumini. Refletor em alumínio anodizado. Controle antiofuscamento através do próprio refletor. E 003V – Código para visor em translúcido

Sistema de trilhos para pia – ProfiloSmart

Através de Suportes reguláveis é possível deixar a prateleira na altura desejada.

Banheira Kohler

Ducha Lorenzetti S.A

Se quiser ver mais publicações sobre o assunto, clique aqui.

Igreja Cristã da Família: proposta para acessibilidade

Aluno: Eduardo Castro Silva Gomes
Local: Igreja Cristã da Família
Cliente: Sr. Paulo Oliveira
Tutor: Drª Helena Degreas (escritório modelo digital)
PRANCHA 1- PROPOSTA
PRANCHA 2- PROPOSTA

Chegaram os novos projetos de apartamentos acessíveis da turma de Desenho Universal!

Neste semestre tive o prazer de lecionar a disciplina Acessibilidade Universal para quatro turmas do curso de Design de Interiores.

Discutimos questões vinculadas aos direitos universais que, para meu espanto, não eram conhecidos pelos meus futuros colegas de proffissão. Sim, em poucos dias, seremos colegas, não é? =D

Passamos por dicussões acaloradas sobre o direito à dignidade humana, por projetos acessíveis a todos que respeitem não apenas aos aspectos culturais e econômicos mas, principalmente, às necessidades e diferenças de cada ser humano.

Sei que é um tema árduo, difícil pois, apesar de vocês quererem desenvolver “sonhos” (sim, porque vocês projetam sonhos), as empresas brasileiras ainda não desenvolveram mobiliários e equipamentos bonitos que estejam à altura da formação de vocês. Imaginem então… acessíveis… É uma vergonha o que eu estou escrevendo, mas infelizmente é a verdade. Não pretendo citar as empresas mas, lembro-me de uma pergunta feita por um de vocês outro dia.

Era mais ou menos assim:
“Professora, de que me adianta conhecer as técnicas e os materiais para desenvolver projetos acessíveis a todos ou ainda para atender pessoas com algum tipo de deficiência funcional se o mercado só oferece mobiliários que deixam meus projetos com cara de hospital e são feios de doer… além de caríssimos…”

Fica aí registrado o recado dos meus queridinhos para as empresas. Ofereçam mobiliários e peças de qualidade, esteticamente adequadas aos nossos padrões culturais, que atendam nossos deficientes, com necessidades especiais, idosos, crianças, a TODOS enfim e tenham preços que não sejam extorsivos como aqueles com os quais meus alunos se depararam…

Bom, vamos ao programa proposto:

Casal na faixa de seus quarenta e poucos anos. Ele é advogado e ela médica. Tem um filho adolescente. Moram com a avó que, apesar de independente, necessita de andador para locomover-se.  Após um acidente, ele machuca a coluna e passa a locomover-se por meio de uma cadeira de rodas. A avó, viúva, não aceita a s limitações impostas pela idade e, para desespero de toda a família, não admite a ajuda de ninguém. Gosta de cozinhar para seu neto e os amigos dele. O neto, obviamente, não reclama… A família adora receber amigos e o pai, vez e outra, surpreende a todos com jantares organizados por ele. Que aliás, são melhores que os da mãe que nunca tem tempo para nada… rs

Proposta:
Não há limitação no orçamento mas, os alunos, deverão fazer um layout do apartamento considerando o atendimento das necessidades de todos os moradores. Na segunda etapa, vocês deverão selecionar um cômodo, desenvolver o projeto em escala compatível a detalhamento indicando as peças e empresas escolhidas por vocês para composição dos ambientes.

Gostei de trabalhar com vocês! obrigada!

Em seguida, alguns dos trabalhos enviados por eles.

Nayara Pereira (nay.interiores@hotmail.com) e Silvio Oliveira (silviojo@hotmail.com)

Projeto completo
Mirian Moura Ferreira (mirianmmoura@hotmail.com)
Projeto completo

Francis Amaral, Davii Prata (davi@tendi.com.br) e Márcio Henriques

planta de circulação
Planta.banho
memorial descritivo

Rodrigo Colombo colombo.ro@gmail.com  William S. Sato willjapones@hotmail.com
Projeto completo

Adriana Martins de Siqueira Amato( driamato@uol.com.br ), Ana Aparecida Russo (anaarusso@ig.com.br ) e Danielly Ojea( danielly002@hotmail.com )
Projeto completo

Fabio de Bem, Renata Acunzo, Thais AndradeProjeto completo

Elza A. Santos ( binaspa@hotmail.com)
Fabio A. Gomes (fabiogomesinteriores@hotmail.com)

Projeto completo

Alessandra Albuquerque (alessandra@boomerland.com.br) e
Camila Melo (caaah.melo@gmail.com )

Projeto completo

Andreia Barros, Ariane Fernandes, Lucas Duarte (lucasduartedesign@gmail.com )

Nisrin El Yousef (nisrinelyoussef@hotmail.com) Aline Iesenco Samara Delgado

Projeto completo

Jéssica Emily – jehzinha_10@hotmail.com
Gisleine Pimenta – gisleine_pimenta@hotmail.com
Thais Araujo – thaisaraujo.interiores@hotmail.com

Projeto completo

Lidia Ling (lidialing@hotmail.com) e Priscila Brito (priscililabrito@gmail.com)

Projeto completo

Diagnóstico e proposta de acessibilidade: Museu da Energia (casarão Santos Dumont)

Desenvolvido pelos alunos do Escritório Modelo Digital do Curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário FIAM-FAAM, o trabalho avaliou as condições de acessibilidade de alguns locais de uso público e coletivo em São Paulo.

Local:
Museu da Energia (casarão Santos Dumont – SP)
Aluna:
Neide Quitéria da Costa ( nqcosta@uol.com.br)
Tutor:
Drª Helena Degreas

Relatório da visita técnica (doc)

Diagnóstico do casarão (PDF)

Diretrizes para intervenção