Por uma vida independente

Descrição da imagem #PraCegoVer: Imagem no formato retangular, na horizontal. Um casal de idosos está em uma cozinha preparando alguns alimentos. Fim da descrição.
Arquitetura pode garantir qualidade de vida e independência na melhor idade (Foto: Divulgação)

Por: Helena Degreas*

Todos nós queremos ter uma vida independente ao longo de toda nossa vida. Infelizmente, mais cedo ou mais tarde, o corpo começa a perder as habilidades que tanto demoramos a conquistar e começa a ‘reclamar’ com uma dorzinha aqui e uma fisgadinha ali… uma hora porque a tomada parece que ficou mais baixa do que o usual, para levantar do sofá macio o encosto para os braços é necessário ou ainda a parte superior do armário parece inalcançável…

 

Vida independente na melhor idade

Mais cedo ou mais tarde, a casa em que moramos precisará de algumas alterações para poder nos servir de forma mais eficiente com o passar dos anos. Projetar a independência no lar faz-se necessário, quando não, inevitável…

Ao pesquisar aqui por nossas terras a existência de profissionais e escritórios de arquitetura que atendam às especificidades funcionais e necessidades de pessoas mais maduras (conceito sugerido pelo meu colega arquiteto Cidomar), deparei-me com a baixa oferta frente à demanda atual e também futura. A pesquisa também apontou que em alguns casos, o passar dos anos é associado ao envelhecimento e à doença, quase como se fossem sinônimos. Trata-se de uma postura absolutamente equivocada e reducionista para abordar o assunto.

A independência e a capacidade de agir livremente são fundamentais para a qualidade de vida de qualquer ser humano. É possível que doenças crônicas relacionadas à idade possam ocorrer não necessariamente interferindo sobre a mobilidade e habilidades funcionais do corpo ou do intelecto.

Os princípios de desenho universal podem e devem ser utilizado por qualquer profissional de arquitetura e design para a qualidade de vida das pessoas, mas, sozinhos não são capazes de servir de apoio para a sonhada independência.

Ainda que na mesma habitação, o ‘habitar’ toma diferente formas com os anos. Mudam os pensamentos, o estado do corpo, as qualidades e atributos que moldam e definem aquela pessoa e com ele o seu jeito de ser e ver o mundo. Os anos trazem novidades e com elas formas de habitar. Embora o investimento e os tipos de moradia variem muito de uma para outra cultura, países como Inglaterra, Canadá e Estados Unidos apresentam tanto empresas privadas quanto políticas públicas de atendimento à demanda de assistência por tipos de serviço necessários para uma vida independente. São planos e programas que oferecem serviços de assistência diversificada, incluindo opções de habitação, que se adequam aos estilos de vida, saúde e condições financeiras.

Aging in place ou ainda permanecer morando em sua própria casa ao longo de toda a sua vida é uma opção bastante atraente e desejável. A grande vantagem dessa situação é manter-se em local familiar, perto de seus vizinhos e num bairro cujos serviços, comércios são conhecidos facilitando uma vida social autônoma. Nesses casos, os planos oferecidos pelas empresas asseguram serviços de cuidado e manutenção da casa com o objetivo de tornar a vida mais fácil e segura ao morador. Os serviços incluem desde reformas e adaptações de toda a casa até serviços de limpeza e alimentação.

Uma segunda forma de morar é a coletiva e colaborativa. Em vilas, comunidades, residenciais horizontais ou verticais, são condomínios especializados que oferecem programas e serviços especializados como transporte, supermercado, ajuda em tarefas domésticas, cuidados com a saúde e uma rede de atividades sociais (recreação, teatro, viagens, visitas e uma infinidades de atividades culturais) com outros membros do lugar. Nesses casos, diferentemente da casa e mesmo com vida independente, são residenciais projetados exclusivamente para adultos mais velhos e que não desejam cuidar de uma casa ou morar sozinhos. Levam o nome de retirement communitiesretirement homessenior housing ou ainda senior apartments.

Outra forma de morar é conhecida por assisted living residence. Trata-se de uma residência coletiva para adultos que optam, por diversos motivos, por não viver de forma independente. Nos estados Unidos é tratada como uma indústria de vida assistida ou ainda de prestação de serviços altamente especializados que viu seu negócio evoluir do modelo de cuidados pessoais em saúde (com foco em enfermagem como exemplo) para um modelo com foco na sociabilidade e também com cuidados pessoais e saúde.

Mais do que atender aos princípios do desenho universal, esses profissionais deverão estar preparados para a prática do Transgenerational Design. Cunhado em 1986 por James J. Pirk, o conceito trata da prática de conceber e tornar produtos e ambientes compatíveis com os impedimentos físicos e sensoriais associados ao processo de envelhecimento humano e que podem vir a limitar as principais atividades da vida diária quer no lar, quer no ambiente de trabalho que em ambiente social. Coincidência ou não, o conceito surgiu em meados dos anos 1980 paralelamente à concepção do desenho universal como subproduto da Lei denominada Age Discrimination Act of 1975 (ADA) que proíbe uma espécie de “gerontophobia” ou ainda a discriminação com base na idade em ‘programas e atividades que recebem assistência financeira federal’ ou ainda excluindo, negando ou fornecendo serviços diferentes ou de qualidade inferior tendo como base a idade. Empresas como a Microsoft e Intel vêm desenvolvendo produtos ‘amistosos’ para o uso de pessoas com idade mais avançada colaborando na diminuição da tendência de associação do processo de envelhecimento ao de deficiência, declínio ou incapacidade frente às situações de vida.

Embora as oportunidades de investimento e negócios sejam promissores para as próximas décadas, a formação dos profissionais nas áreas de constrição civil, negócios imobiliários, planos de saúde e assistência doméstica para pessoas maduras, precisarão ampliar o leque de produtos e serviços para atender a uma população exigente e com estilos de vida bem mais abrangentes e interessantes do que aqueles tradicionalmente oferecidos como ‘casas de repouso’, ‘cuidadores’, enfermeiros, homecare, flats para terceira idade entre outras variações.

 

Descrição da imagem #PraCegoVer: A imagem está no formato retangular, na vertical. Nela, está a arquiteta Helena Degreas em um retrato preto e branco. Helena tem cabelos loiros, ondulados, um pouco abaixo dos ombros. Ela está com o corpo de lado e com os braços cruzados. Helena usa uma blusa branca, com botões.Fim da descrição.
Foto: Divulgação

*Helena Degreas é arquiteta e atua como professora do Programa de Mestrado Profissional em Projeto, Produção e Gestão do Espaço Urbano do FIAM-FAAM Centro Universitário. Leciona nas áreas de Design Universal e Planejamento Urbano.

Anúncios

Revista Casa Projeto & Estilo: apartamento acessível

FIAMFAAM Centro Universitário

Alunos: Ana Paula Higa e Ricardo Cipolla
Foto: Tulio Oliveira
Escritório Modelo: Acessibilidade Universal
Curso: Arquitetura e Urbanismo
Profª: Drª Helena Degreas

Ricardo Cipolla e Ana Paula Higa

Ricardo Cipolla e Ana Paula Higa

Conceito

É possível projetar ambientes confortáveis, bonitos, de fácil manutenção e que ainda assim sejam suficientemente flexíveis para se adaptarem às mudanças físicas do nosso corpo em diversos estágios da vida? É possível morar num mesmo lugar por décadas? A partir destas questões, alunos do escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo projetaram um apartamento de aproximadamente 52 m² preocupando-se em atender as necessidades de desenvolvimento do ser humano, construindo objetos e lugares compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas visando à eficiência, eficácia e satisfação. Acessibilidade, portanto, foi a premissa de projeto. Para o caso, o desafio proposto foi o de viabilizar espaços que atendam tanto um casal de jovens quanto pessoas idosas e que apresentem a necessidade de uso de tecnologias assistivas.

Os problemas mais comuns enfrentados em nossos lares

Dificuldade em usar tomadas, passar por portas, corredores ou ainda mover-se livremente em ambientes estreitos, escorregar em pisos lisos ou molhados, derrubar ou ter dificuldade em alcançar objetos que estão mais altos em armários são situações que enfrentadas diariamente por todas as pessoas e que aparentemente são corriqueiras. Mas não deveriam ser: pequenas adequações de projeto geram maior qualidade de vida a todos os usuários.

planta do apto

Pequenas mudanças gerando maior conforto

Para atender às expectativas dos clientes, foram estudados os principais ambientes de um lar. Com isso, a planta do apartamento foi reformada: os dois dormitórios minúsculos que mal comportavam uma cama e armários deram espaço a um dormitório de casal e ampliaram a área do banheiro. A cozinha e a área de serviço antes enclausuradas por paredes, foram reformuladas visando à funcionalidade e eficiência frente às necessidades e comportamentos contemporâneos dos moradores. A cozinha que utilizou granitos, madeiras e cerâmicas antiderrapantes, não só ampliou o espaço como também permitiu a comunicação entre os moradores e eventuais visitantes da casa. Para atender às diferentes estaturas, o cooktop elétrico juntamente com a pia e os armários de parede, todos em aço, têm alturas reguláveis graças aos trilhos de correr. Gaveteiros, estantes, adega, bancadas, toalheiros e demais acessórios foram projetados com alturas que vão entre 0,40m e 1,40m gerando conforto no uso. Portas, corredores e áreas de circulação tem vão de 0,90m mínimo para atender a movimentação e a passagem de uma pessoa em pé ou com mobilidade funcional motora reduzida, usando ou não auxílio para a locomoção como cadeira de rodas, andador ou muletas. A bancada de apoio dobra seu tamanho e pode ser usada tanto para receber amigos quanto como estação de trabalho comportando papéis, laptop e demais materiais. Todas as tomadas do apartamento são altas e foram implantadas há 1.10m de altura.

Cozinha com princípios de Desenho Universal

Cozinha com princípios de Desenho Universal

Dormitório e sala minimalista compartilham o mesmo aparelho de TV que, graças ao mecanismo que o faz girar, viabiliza o uso em ambientes distintos. O tapete, embutido no piso é fixado ao chão evitando movimentação e garantindo segurança ao morador.

Os armários do dormitório tem divisórias e nichos que otimizam o espaço organizando roupas e acessórios adequadamente. Os varões, apesar de estarem em pontos mais altos, são articulados e móveis trazendo as roupas dos cabides para perto do morador e permitindo o uso de praticamente toda a parede do dormitório de forma funcional evitando o desperdício ou ociosidade de espaços. Com isso, mesmos os pontos mais altos ficaram acessíveis.

Living com princípios do Desenho Universal

Living com princípios do Desenho Universal

As portas de correr receberam espelhos que dão mão leveza e amplitude ao ambiente. A área de banheiro recebeu tons neutros dando mais sobriedade e classe ao ambiente. O espelho toma toda a parede e encontra-se inclinado facilitando a visualização de todo o corpo. A pia é deslizante, pois encontra-se fixada a um sistema de trilhos. Existe o espaço para a colocação de barras de apoio entre o vaso, pia e bancada caso necessários. Ao box foi incorporado um banco retrátil que garante maior conforto durante o banho.

Banheiro acessível: elevação

Banheiro acessível: elevação

 

 

Chegaram os novos projetos de apartamentos acessíveis da turma de Desenho Universal!

Neste semestre tive o prazer de lecionar a disciplina Acessibilidade Universal para quatro turmas do curso de Design de Interiores.

Discutimos questões vinculadas aos direitos universais que, para meu espanto, não eram conhecidos pelos meus futuros colegas de proffissão. Sim, em poucos dias, seremos colegas, não é? =D

Passamos por dicussões acaloradas sobre o direito à dignidade humana, por projetos acessíveis a todos que respeitem não apenas aos aspectos culturais e econômicos mas, principalmente, às necessidades e diferenças de cada ser humano.

Sei que é um tema árduo, difícil pois, apesar de vocês quererem desenvolver “sonhos” (sim, porque vocês projetam sonhos), as empresas brasileiras ainda não desenvolveram mobiliários e equipamentos bonitos que estejam à altura da formação de vocês. Imaginem então… acessíveis… É uma vergonha o que eu estou escrevendo, mas infelizmente é a verdade. Não pretendo citar as empresas mas, lembro-me de uma pergunta feita por um de vocês outro dia.

Era mais ou menos assim:
“Professora, de que me adianta conhecer as técnicas e os materiais para desenvolver projetos acessíveis a todos ou ainda para atender pessoas com algum tipo de deficiência funcional se o mercado só oferece mobiliários que deixam meus projetos com cara de hospital e são feios de doer… além de caríssimos…”

Fica aí registrado o recado dos meus queridinhos para as empresas. Ofereçam mobiliários e peças de qualidade, esteticamente adequadas aos nossos padrões culturais, que atendam nossos deficientes, com necessidades especiais, idosos, crianças, a TODOS enfim e tenham preços que não sejam extorsivos como aqueles com os quais meus alunos se depararam…

Bom, vamos ao programa proposto:

Casal na faixa de seus quarenta e poucos anos. Ele é advogado e ela médica. Tem um filho adolescente. Moram com a avó que, apesar de independente, necessita de andador para locomover-se.  Após um acidente, ele machuca a coluna e passa a locomover-se por meio de uma cadeira de rodas. A avó, viúva, não aceita a s limitações impostas pela idade e, para desespero de toda a família, não admite a ajuda de ninguém. Gosta de cozinhar para seu neto e os amigos dele. O neto, obviamente, não reclama… A família adora receber amigos e o pai, vez e outra, surpreende a todos com jantares organizados por ele. Que aliás, são melhores que os da mãe que nunca tem tempo para nada… rs

Proposta:
Não há limitação no orçamento mas, os alunos, deverão fazer um layout do apartamento considerando o atendimento das necessidades de todos os moradores. Na segunda etapa, vocês deverão selecionar um cômodo, desenvolver o projeto em escala compatível a detalhamento indicando as peças e empresas escolhidas por vocês para composição dos ambientes.

Gostei de trabalhar com vocês! obrigada!

Em seguida, alguns dos trabalhos enviados por eles.

Nayara Pereira (nay.interiores@hotmail.com) e Silvio Oliveira (silviojo@hotmail.com)

Projeto completo
Mirian Moura Ferreira (mirianmmoura@hotmail.com)
Projeto completo

Francis Amaral, Davii Prata (davi@tendi.com.br) e Márcio Henriques

planta de circulação
Planta.banho
memorial descritivo

Rodrigo Colombo colombo.ro@gmail.com  William S. Sato willjapones@hotmail.com
Projeto completo

Adriana Martins de Siqueira Amato( driamato@uol.com.br ), Ana Aparecida Russo (anaarusso@ig.com.br ) e Danielly Ojea( danielly002@hotmail.com )
Projeto completo

Fabio de Bem, Renata Acunzo, Thais AndradeProjeto completo

Elza A. Santos ( binaspa@hotmail.com)
Fabio A. Gomes (fabiogomesinteriores@hotmail.com)

Projeto completo

Alessandra Albuquerque (alessandra@boomerland.com.br) e
Camila Melo (caaah.melo@gmail.com )

Projeto completo

Andreia Barros, Ariane Fernandes, Lucas Duarte (lucasduartedesign@gmail.com )

Nisrin El Yousef (nisrinelyoussef@hotmail.com) Aline Iesenco Samara Delgado

Projeto completo

Jéssica Emily – jehzinha_10@hotmail.com
Gisleine Pimenta – gisleine_pimenta@hotmail.com
Thais Araujo – thaisaraujo.interiores@hotmail.com

Projeto completo

Lidia Ling (lidialing@hotmail.com) e Priscila Brito (priscililabrito@gmail.com)

Projeto completo

Banheiro do Casal (com deficiência) – Mostra D&D

Este post tem por objetivo colaborar no trabalho de pesquisa dos alunos da disciplina  de Acessibilidade que hoje ministro no curso de Design de Interiores do Centro Universitário FIAM-FAAM.

Reiterando, o conceito não deve ser associado a pessoas com deficiência, com mobilidade reduzida ou ainda com alguma necessidade especial temporária apenas.  Todos os nossos clientes tem direito de usufruir de ambientes acessíveis e principalmente usáveis.

Por isso decidi falar sobre a Mostra D&D Casa e Corporativo que aconteceu em junho e julho de 2010. Alguns dos ambientes criados foram projetados por designers, decoradores e arquitetos para pessoas com deficiência mas posso afirmar que grande parte dos espaços resultantes atendem aos princípios do Desenho Universal.

Este é o segundo post da mostra. Para acessar o primeiro – Dormitório para um casal de idosos, clique aqui.

Banheiro do Casal

Banheiro Casa Acessível D&D

No banheiro do casal, o arquiteto  Robson Gonzales utilizou um lavatório suspenso com ajuste elétrico de altura o que permite que pessoas de qualquer estatura, idade, deficiência ou necessidade especial possam utilizar o equipamento com conforto e segurança. O comando em forma de alavanca está localizado na parede. Peças deste tipo facilitam o manuseio de pessoas que apresentam algum tipo de deficiência funcional nos membros superiores.
Nas fotos vocês verão que os misturadores da torneira foram colocados na bancada, para facilitar o alcance e o manuseio.
Alunos, prestem atenção no Sifão! as pessoas em cadeira de rodas tem a sensibilidade das pernas prejudicada isso significa que podem machucar-se com a colocação tradicional do sifão fixo logo abaixo da pia. Na foto, você perceberá que o sifão é flexível para evitar batidas.
Verifiquem o espelho. Ele está inclinado e atende tanto uma pessoa com uma estatura menor quanto alguém que encontra-se sentado. A visão da pessoa em pé não é prejudicada. Testei e aprovei.
Cantos de todas as peças são arrendodados. Situação que considero ótima para todos pois evita hematomas…

Ficha Técnica

Aquário
Cadeira de Rodas

Cortina para box e gaveteiro
Espelho
Equipamentos (vaso, pia, banco)
Iluminação
Louça, materiais sanitários
Marcenaria: Amóbio Dutra (11 96792992)
Mármores e Granitos
Mármores e Granitos: 11 36263571
Papel de Parede
Pintura: Osmar Araújo: 11-83305257
Quadros
Rodatelo: Voni (11 98184705)
Tintas
Válvula de descarga:

Algumas dicas

 

Dimensões e alturas (armários, vaso, etc.)

Casa e Imóvel