Dieberger & Cia: Arte e Jardim (1928)

Datado de 1928, o livro Dieberger & Companhia: arte e jardim foi digitalizado e inserido neste post. O material, apesar de sua linguagem datada, é precioso pois mostra a passagem dos ajardinamentos tidos como ornamentos ou ainda  coadjuvantes dos edifícios para um papel principal interagindo e integrando-se ao projeto de arquitetura  nas palavras de Dieberger.

O manual, como é chamado pelo autor, apresenta uma coletânia de projetos de jardins residenciais e parques, além de um capítulo dedicado à definição do conceito de jardim praticado por sua companhia.

Costumo utilizá-lo em aulas para mostrar o desenvolvimento das linguagens de projeto e também para falar um pouco mais sobre o uso da vegetação.

Como não me lembro de ter visto exemplares à venda, achei que talvez após 82 anos não haveria problema algum em disponibilizar o material. Não sei quem digitalizou, mas agradeço de qualquer forma pois posso utilizá-lo para ensinar.

Boa leitura a todos! divirtam-se tanto quanto eu.

 

Praças do ecletismo: a linha clássica de projeto

SIlvio Macedo: Acervo QUAPA

 
 A origem das praças no Brasil: implantação e forma na malha urbana
 
 “Reunir-se: fazer-se público de sua presença, exibir pompa, ver homens e mulheres bem-vestidos e bonitos, contar e ouvir as novidades, assistir a apresentações musicais, mostrar filhas na busca de maridos, homens finos admirando e fazendo corte a cortesãs. Os jogos sociais e sexuais – com a tácita concordância entre seus praticantes – o plaisir de la promenade, tinha uma palco magnífico nos jardins público.” Hugo Segawa.

Em seus estudos sobre praças contemporâneas, Macedo (2002) considera duas premissas básicas para conceituar tais espaços: uso e acessibilidade, conceituando-os  como espaços livres urbanos destinados ao lazer e ao convívio da população, acessíveis aos cidadãos e livres de veículos. Lembramos que os estudos foram elaborados a partir das praças nas cidades contemporâneas brasileiras. Ainda assim,  essa tipologia mantém o caráter de sociabilidade que é intrínseco às funções da praça descartando-se alguns logradouros públicos enquadrados como tal e que nada mais são do que canteiros centrais, rotatórias, restos de sistemas viários gramados não oferecendo condições mínimas adequadas ao exercício do lazer ou acessibilidade da população. Tal fato se deve à necessidade de muitos órgãos públicos municipais de ampliar quantitativamente o número dos seus espaços públicos e de lazer perante a comunidade.
Os primeiros espaços livres públicos urbanos surgiram no entorno das Igrejas. Ao seu redor, foram construídos os edifícios públicos, palacetes e comércio servindo como local de convivência coletiva da comunidade. Murilo Marx afirma que a praça deve a sua existência sobretudo aos adros das Igrejas, onde serviu como espaço para reunião de pessoas e para um conjunto de atividades diferentes, caracterizando-se de forma bastante típica e marcante.

A forma urbana influenciou o traçado de nossos logradouros públicos. Se para a colonização espanhola, as ruas eram traçadas em cruz e na colonização inglesa, francesa, holandesa e belga, os traçados obedeciam a sistemas em xadrez, radiocêntricos e lineares, as cidades de colonização portuguesa cresceram de forma espontânea assumindo a modelagem do terreno e de maneira informal, quando não, à margem da lei. 

imagens de Bruxelas : Ssolbergj

Vista panorâmica sobre a Londres moderna, vista da Golden Gallery da Saint Paul’s Cathedral: http://migre.me/nQbZ

Vista panorâmica de Lisboa e ponte 25 de Abril a partir do miradouro do Cristo-Rei.http://migre.me/nQgL
 O Desenho Clássico nos projetos das praças
Inspirada nos jardins franceses dos séculos XVI e XVII, as praças estudadas apresentavam uma natureza dominada pela mão do homem, prevalecendo a geometria, a simetria e a construção de perspectivas monumentais com a utilização de planos ortogonais, caminhos em cruz, passeios perimetrais, estar central com ponto focal e espaços espelhados.

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

 Síntese das principais características

· traçados em cruz ;
· grandes eixos com pontos focais e estar central;
·hierarquia nas circulações com presença de caminhs secundários perimetrais;
· canteiros que apresentam formas geométricas e espelhadas;
· eixos de circulação ortogonais;
· grande quantidade de áreas permeáveis com o uso da topiaria e das bordaduras em canteiros e caminhos além da grande utilização de espécies exóticas e pouca utilização das espécies nativas;
· utilização de mobiliários e equipamentos tais como coretos, pavilhões, espelhos d’água, estátuas, monumentos, fontes, bustos; 
· vegetação arbórea plantada ao longo dos caminhos para sombreamento;
· grande utilização de espécies exóticas européias e pequena utilização de espécies nativas;
 
Alguns exemplos

Praça da República (Recife-Pe) Acervo QUAPASEL (Livro Praças Brasileiras)

Praça da República (Recife-Pe) Acervo QUAPASEL (Livro Praças Brasileiras)

Praça da República (Recife-Pe) Acervo QUAPASEL (Livro Praças Brasileiras)

Praça da República (Recife-Pe) Acervo QUAPASEL (Livro Praças Brasileiras)

Praça da República (Recife-Pe) Acervo QUAPASEL (Livro Praças Brasileiras)

Observação: esse post (e suas imagens) foi organizado predominantemente a partir do capítulo A linha Clássica do livro Praças brasileiras indicado na bibliografia.
 
Referências Bibliográficas
 
Gomes, Marcos Antônio Silvestre. De Largo a Jardim: praças públicas no Brasil – algumas aproximações.
Disponível em: http://migre.me/nP9H . Acesso: 12.03.2010 18:25:15
MACEDO, S. S.(Coord.).Introdução a um quadro do paisagismo no Brasil. São Paulo: Projeto Quapá, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 1998.
MARX, M. Cidade Brasileira. São Paulo: Melhoramentos: Editora da Universidadede São Paulo, 1980.
ROBBA, F; MACEDO, S. S. Praças Brasileiras. (public squares in Brazil). São Paulo: Edusp: Imprensa oficial do Estado. 2002, 312p.
SEGAWA, H. Ao amor do público: jardins no Brasil. São Paulo: Studio Nobel:Fapesp, 1996.

Endereços eletrônicos
A vegetação na paisagem urbana. Resenha de Márcia Nogueira Batista do livro
TERRA, Carlos; ANDRADE, Rubens de; TRINDADE, Jeanne; BENASSI, Alfredo. Arborização. Ensaios historiográficos. Rio de Janeiro, Maia Barbosa, 2004, 215 p.
Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/resenhas/textos/resenha145.asp
Acesso: 24.03.2010 As 23h:37:25