Ser diferente é normal! (turma DU1)

Viver é, acima de tudo, con-viver.
Aquele que pensa que consegue viver sozinho, está muito, muito enganado.
Aristóteles já dizia há 2.500 anos que “somos seres sociais, animais políticos” pois dividimos nossas vidas uns com os outros em grupos humanos, com pessoas iguais a nós.
Em maior ou menor grau, gostamos de nos encontrar com os outros, compartilhando desejos, pensamentos, nossas vidas. Aquele que não compartilha suas experiências seja por que motivo for, pode ser considerado um marginalizado ou um “excluído social”, para utilizar um termo um pouco mais contemporâneo.
Esse isolamento pode ou não ser voluntário. Se voluntário, poderemos até nos isolar de vez em quando, mas sempre estaremos inseridos em comunidades e grupos sociais.

Mas, e quando o isolmaneto não é voluntário? e quando queremos participar e somos impedidos de alguma maneira? e se o motivo for a diferença? e se não formos iguais aos outros?

É possível que a diferença provoque algum tipo de exclusão social?

A convivência com outras pessoas pode gerar conflitos de vontades, desejos e de interesses. Numa situação como essa, normalmente quem vence o impasse é aquele que está melhor aparelhado por assim dizer. Pode ser o mais forte, o mais inteligente, o mais bonito ou numa expressão contemporânea, o “cara mais popular” da turma, grupo, etc.

Portanto, é como se um grupo maior de “iguais” com interesses semelhantes pudesse impor a sua vontade, atitudes, desejos sobre um outro grupo que ele considera diferente do seu.

Essa diferença pode gerar intolerância e com ela, a segregação ou a exclusão do grupo ou do indivíduo por exemplo. A intolerância pode ser descrita como a falta de capacidade de um indivíduo/grupo de suportar, admitir ou ainda consentir a con-vivência com o outro diferente. Ela é fruto de concepções e definições generalistas, de informações imprecisas e incompletas sobre objetos, situações e pessoas. Gera não só atitudes hostis em relação ao outro, dificultando e até inviabilizando a con-vivência, como também estigmatiza um determinado grupo social.

Para alimentar as discussões em aula, assistiremos um conjunto de vinhetas criadas pelo instituo MetaSocial que trata questões vinculadas à diferença e à pessoa deficiente. Na próxima aula falaremos sobre a deficiencia, contextualizando-a no século  XXI.

Relação de vídeos para discussão em sala de aulaEm 2002, foi lançada nova campanha pelo Instituto MetaSocial, desta vez pela agência Giovanni+draftFCB com criação de Cláudio Gatão.
Voltada para o mercado de trabalho, a campanha teve grande impacto positivo na sociedade, resultando na contratação de pessoas com deficiência por empresas que abraçaram a causa.
Ser diferente é normal.
Fonte: http://www.metasocial.org.br

Instituto MetaSocial – Diferenças

Instituto MetaSocial – Garçonete

Instituto MetaSocial – adolescentes

Instituto MetaSocial – Azul


Em 2005, o Instituto fez outra campanha com o mesmo slogan “Ser diferente é normal”, focando a beleza e a harmonia da diversidade humana, sempre com o objetivo de conscientizar a sociedade para as potencialidades e capacidades de todas as pessoas.

Instituto MetaSocial – Carlinhos

Instituto MetaSocial – Pianista


Em 2005, o Instituto fez outra campanha com o mesmo slogan “Ser diferente é normal”, focando a beleza e a harmonia da diversidade humana, sempre com o objetivo de conscientizar a sociedade para as potencialidades e capacidades de todas as pessoas.

A Menina Diferente

Campanha do Meta Social: seja diferente

Junte seu rosto a todos os que, além de acreditar, estão tomando atitudes para mudar a cara do mundo. Veja como participar: assista ao vídeo e depois acesse: http://www.serdiferenteenormal.org.br/pt/

Ao longo de nossa vida mudamos nossas características e atividades. Quando somos crianças, nossas próprias dimensões nos impedem de alcançar ou manipular uma série de objetos, às vezes, por segurança, às vezes, porque a criança não foi pensada como usuário. Quando adultos, nos encontramos em inúmeras situações que dificultam, temporariamente, o nosso relacionamento com o ambiente -como gestação, fraturas, torcicolos, quando carregamos pacotes muito grandes ou pesados, entre outros. Ao alcançarmos mais idade, nossa força e resistência decrescem, os sentidos ficam menos aguçados e a memória decai. Também é possível, mesmo que não freqüentemente, ao logo da vida, adquirir alguma deficiência, seja ela física, psíquica ou sensorial. O ser humano “normal” é precisamente o ser humano “diverso”, e é isso que nos enriquece enquanto espécie. Portanto, a normalidade é que os usuários sejam muito diferentes e que dêem usos distintos aos previstos em projetos…” Mara Gabrilli

Leitura recomendada

O que é desenho universal?

 

Mas afinal, o que são Direitos Humanos?

Antes de iniciar nossos trabalhos, preciso que vocês respondam rapidamente:

O que são direitos humanos? você pode dar um exemplo concreto relacionado ao seu dia a dia?

Difícil de responder.

Às vezes fica difícil até de exemplificar.

Algumas pessoas até conhecem alguns de seus direitos: direito de ser remunerado pelo seu trabalho, direito de eleger seu representante pelo voto, direito de ser livre, direito de expressar sua opinião e tantos outros.

Quando você não conhece seus direitos, situações como injustiça, intolerância, discriminação podem ocorrer.

Antes de começar a projetar para pessoas com deficiência, mobilidade reduzida ou ainda para pessoas com necessidades especiais, vamos discutir um pouco mais sobre direitos humanos.  O que é um direito? o que é ser humano?

Para exemplificar e servir de subsídio para discussões em sala de aula, deixarei postados alguns vídeos realizados por Youth For Human Rights Education que tratam do assunto(http://www.youthforhumanrights.org/watchads/index.html)  e também o link que dá acesso ao texto completo da Declaração Universal dos Direitos Humanos  (http://www.onu-brasil.org.br/documentos_direitoshumanos.php)

A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem.

Artigo I.
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.

Artigo II.
1. Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, idioma, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição.
2. Não será também feita nenhuma distinção fundada na condição política, jurídica ou internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate de um território independente, sob tutela, sem governo próprio, quer sujeito a qualquer outra limitação de soberania.

Artigo III.
Todo ser humano tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

Artigo IV.
Ninguém será mantido em escravidão ou servidão; a escravidão e o tráfico de escravos serão proibidos em todas as suas formas.

Artigo V.
Ninguém será submetido à tortura nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante.

Artigo VI.
Todo ser humano tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecido como pessoa perante a lei.

Artigo VII.
Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.

Artigo VIII.
Todo ser humano tem direito a receber dos tribunais nacionais competentes remédio efetivo para os atos que violem os direitos fundamentais que lhe sejam reconhecidos pela constituição ou pela lei.

Artigo IX.
Ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado.

Artigo X.
Todo ser humano tem direito, em plena igualdade, a uma justa e pública audiência por parte de um tribunal independente e imparcial, para decidir sobre seus direitos e deveres ou do fundamento de qualquer acusação criminal contra ele.

Artigo XI.
1. Todo ser humano acusado de um ato delituoso tem o direito de ser presumido inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada de acordo com a lei, em julgamento público no qual lhe tenham sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa.
2. Ninguém poderá ser culpado por qualquer ação ou omissão que, no momento, não constituíam delito perante o direito nacional ou internacional. Também não será imposta pena mais forte do que aquela que, no momento da prática, era aplicável ao ato delituoso.

Artigo XII.
Ninguém será sujeito à interferência em sua vida privada, em sua família, em seu lar ou em sua correspondência, nem a ataque à sua honra e reputação. Todo ser humano tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques.

Artigo XIII.
1. Todo ser humano tem direito à liberdade de locomoção e residência dentro das fronteiras de cada Estado.
2. Todo ser humano tem o direito de deixar qualquer país, inclusive o próprio, e a este regressar.

Artigo XIV.
1. Todo ser humano, vítima de perseguição, tem o direito de procurar e de gozar asilo em outros países.
2. Este direito não pode ser invocado em caso de perseguição legitimamente motivada por crimes de direito comum ou por atos contrários aos objetivos e princípios das Nações Unidas.

Artigo XV.
1. Todo homem tem direito a uma nacionalidade.
2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua nacionalidade, nem do direito de mudar de nacionalidade.

Artigo XVI.
1. Os homens e mulheres de maior idade, sem qualquer restrição de raça, nacionalidade ou religião, têm o direito de contrair matrimônio e fundar uma família. Gozam de iguais direitos em relação ao casamento, sua duração e sua dissolução.
2. O casamento não será válido senão com o livre e pleno consentimento dos nubentes.
3. A família é o núcleo natural e fundamental da sociedade e tem direito à proteção da sociedade e do Estado.

Artigo XVII.
1. Todo ser humano tem direito à propriedade, só ou em sociedade com outros.
2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua propriedade.

Artigo XVIII.
Todo ser humano tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, em público ou em particular.

Artigo XIX.
Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.

Artigo XX.
1. Todo ser humano tem direito à liberdade de reunião e associação pacífica.
2. Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação.

Artigo XXI.
1. Todo ser humano tem o direito de fazer parte no governo de seu país diretamente ou por intermédio de representantes livremente escolhidos.
2. Todo ser humano tem igual direito de acesso ao serviço público do seu país.
3. A vontade do povo será a base da autoridade do governo; esta vontade será expressa em eleições periódicas e legítimas, por sufrágio universal, por voto secreto ou processo equivalente que assegure a liberdade de voto.

Artigo XXII.
Todo ser humano, como membro da sociedade, tem direito à segurança social, à realização pelo esforço nacional, pela cooperação internacional e de acordo com a organização e recursos de cada Estado, dos direitos econômicos, sociais e culturais indispensáveis à sua dignidade e ao livre desenvolvimento da sua personalidade.


Artigo XXIII.

1. Todo ser humano tem direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de trabalho e à proteção contra o desemprego.
2. Todo ser humano, sem qualquer distinção, tem direito a igual remuneração por igual trabalho.
3. Todo ser humano que trabalha tem direito a uma remuneração justa e satisfatória, que lhe assegure, assim como à sua família, uma existência compatível com a dignidade humana e a que se acrescentarão, se necessário, outros meios de proteção social.
4. Todo ser humano tem direito a organizar sindicatos e a neles ingressar para proteção de seus interesses.

Artigo XXIV.
Todo ser humano tem direito a repouso e lazer, inclusive a limitação razoável das horas de trabalho e a férias remuneradas periódicas.

Artigo XXV.
1. Todo ser humano tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar-lhe, e a sua família, saúde e bem-estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência em circunstâncias fora de seu controle.
2. A maternidade e a infância têm direito a cuidados e assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio gozarão da mesma proteção social.

Artigo XXVI.
1. Todo ser humano tem direito à instrução. A instrução será gratuita, pelo menos nos graus elementares e fundamentais. A instrução elementar será obrigatória. A instrução técnico-profissional será acessível a todos, bem como a instrução superior, esta baseada no mérito.
2. A instrução será orientada no sentido do pleno desenvolvimento da personalidade humana e do fortalecimento do respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais. A instrução promoverá a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos, e coadjuvará as atividades das Nações Unidas em prol da manutenção da paz.
3. Os pais têm prioridade de direito na escolha do gênero de instrução que será ministrada a seus filhos.

Artigo XXVII.
1. Todo ser humano tem o direito de participar livremente da vida cultural da comunidade, de fruir das artes e de participar do progresso científico e de seus benefícios.
2. Todo ser humano tem direito à proteção dos interesses morais e materiais decorrentes de qualquer produção científica literária ou artística da qual seja autor.

Artigo XXVIII.
Todo ser humano tem direito a uma ordem social e internacional em que os direitos e liberdades estabelecidos na presente Declaração possam ser plenamente realizados.

Artigo XXIX.
1. Todo ser humano tem deveres para com a comunidade, na qual o livre e pleno desenvolvimento de sua personalidade é possível.
2. No exercício de seus direitos e liberdades, todo ser humano estará sujeito apenas às limitações determinadas pela lei, exclusivamente com o fim de assegurar o devido reconhecimento e respeito dos direitos e liberdades de outrem e de satisfazer as justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar de uma sociedade democrática.
3. Esses direitos e liberdades não podem, em hipótese alguma, ser exercidos contrariamente aos objetivos e princípios das Nações Unidas.

Artigo XXX.
Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada como o reconhecimento a qualquer Estado, grupo ou pessoa, do direito de exercer qualquer atividade ou praticar qualquer ato destinado à destruição de quaisquer dos direitos e liberdades aqui estabelecidos.

Teaching Human Rights. Disponível em: http://www.youtube.com/user/teachinghumanrights?feature=results_main Acesso em: 17.08.2012 às 22:33:15