Revista Casa Projeto & Estilo: apartamento acessível

FIAMFAAM Centro Universitário

Alunos: Ana Paula Higa e Ricardo Cipolla
Foto: Tulio Oliveira
Escritório Modelo: Acessibilidade Universal
Curso: Arquitetura e Urbanismo
Profª: Drª Helena Degreas

Ricardo Cipolla e Ana Paula Higa

Ricardo Cipolla e Ana Paula Higa

Conceito

É possível projetar ambientes confortáveis, bonitos, de fácil manutenção e que ainda assim sejam suficientemente flexíveis para se adaptarem às mudanças físicas do nosso corpo em diversos estágios da vida? É possível morar num mesmo lugar por décadas? A partir destas questões, alunos do escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo projetaram um apartamento de aproximadamente 52 m² preocupando-se em atender as necessidades de desenvolvimento do ser humano, construindo objetos e lugares compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas visando à eficiência, eficácia e satisfação. Acessibilidade, portanto, foi a premissa de projeto. Para o caso, o desafio proposto foi o de viabilizar espaços que atendam tanto um casal de jovens quanto pessoas idosas e que apresentem a necessidade de uso de tecnologias assistivas.

Os problemas mais comuns enfrentados em nossos lares

Dificuldade em usar tomadas, passar por portas, corredores ou ainda mover-se livremente em ambientes estreitos, escorregar em pisos lisos ou molhados, derrubar ou ter dificuldade em alcançar objetos que estão mais altos em armários são situações que enfrentadas diariamente por todas as pessoas e que aparentemente são corriqueiras. Mas não deveriam ser: pequenas adequações de projeto geram maior qualidade de vida a todos os usuários.

planta do apto

Pequenas mudanças gerando maior conforto

Para atender às expectativas dos clientes, foram estudados os principais ambientes de um lar. Com isso, a planta do apartamento foi reformada: os dois dormitórios minúsculos que mal comportavam uma cama e armários deram espaço a um dormitório de casal e ampliaram a área do banheiro. A cozinha e a área de serviço antes enclausuradas por paredes, foram reformuladas visando à funcionalidade e eficiência frente às necessidades e comportamentos contemporâneos dos moradores. A cozinha que utilizou granitos, madeiras e cerâmicas antiderrapantes, não só ampliou o espaço como também permitiu a comunicação entre os moradores e eventuais visitantes da casa. Para atender às diferentes estaturas, o cooktop elétrico juntamente com a pia e os armários de parede, todos em aço, têm alturas reguláveis graças aos trilhos de correr. Gaveteiros, estantes, adega, bancadas, toalheiros e demais acessórios foram projetados com alturas que vão entre 0,40m e 1,40m gerando conforto no uso. Portas, corredores e áreas de circulação tem vão de 0,90m mínimo para atender a movimentação e a passagem de uma pessoa em pé ou com mobilidade funcional motora reduzida, usando ou não auxílio para a locomoção como cadeira de rodas, andador ou muletas. A bancada de apoio dobra seu tamanho e pode ser usada tanto para receber amigos quanto como estação de trabalho comportando papéis, laptop e demais materiais. Todas as tomadas do apartamento são altas e foram implantadas há 1.10m de altura.

Cozinha com princípios de Desenho Universal

Cozinha com princípios de Desenho Universal

Dormitório e sala minimalista compartilham o mesmo aparelho de TV que, graças ao mecanismo que o faz girar, viabiliza o uso em ambientes distintos. O tapete, embutido no piso é fixado ao chão evitando movimentação e garantindo segurança ao morador.

Os armários do dormitório tem divisórias e nichos que otimizam o espaço organizando roupas e acessórios adequadamente. Os varões, apesar de estarem em pontos mais altos, são articulados e móveis trazendo as roupas dos cabides para perto do morador e permitindo o uso de praticamente toda a parede do dormitório de forma funcional evitando o desperdício ou ociosidade de espaços. Com isso, mesmos os pontos mais altos ficaram acessíveis.

Living com princípios do Desenho Universal

Living com princípios do Desenho Universal

As portas de correr receberam espelhos que dão mão leveza e amplitude ao ambiente. A área de banheiro recebeu tons neutros dando mais sobriedade e classe ao ambiente. O espelho toma toda a parede e encontra-se inclinado facilitando a visualização de todo o corpo. A pia é deslizante, pois encontra-se fixada a um sistema de trilhos. Existe o espaço para a colocação de barras de apoio entre o vaso, pia e bancada caso necessários. Ao box foi incorporado um banco retrátil que garante maior conforto durante o banho.

Banheiro acessível: elevação

Banheiro acessível: elevação

 

 

Revista Casa: Projeto & Estilo – Hotéis acessíveis

Antes de iniciar a apresentação, quero agradecer Revista Casa: Projeto & Estilo a oportunidade dada aos jovens das várias instituições de ensino superior deste imenso Brasil. Mostrar suas ideias, apresentar propostas, apontar soluções que dão mais qualidade de vida aos usuários por meio do uso dos princípios do Desenho Universal e do uso de tecnologias assistivas (muitas vezes inovadoras, criadas pelos próprios alunos para atender deficiências funcionais específicas) é muito importante para a conscientização de todos e para a mudança de cultura. Parabéns aos editores!





Centro Universitário FIAMFAAM

Curso: Design de Interiores

Disciplina: Acessibilidade Universal

Aluno: Caroline Almeida, Cássia Sybille , Margarete Brito, Nadia Valencia, Willian Guimarães

Orientador: Profª Drª Helena Degreas

Introdução

Em 2014, doze cidades das cinco regiões brasileiras receberão a Copa do Mundo. Bilhões de reais serão investidos na remodelação, ampliação e construção de infraestrutura das capitais para atender aos milhares de turistas que virão ao evento. Trata-se de garantir o acesso a todas as oportunidades de lazer, cultura e entretenimento do país. Os resultados preliminares da amostra do Censo Demográfico 2010 do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística expressam o crescimento do número de pessoas que declarou algum tipo de incapacidade ou deficiência permanente visual, auditiva, motora e intelectual de acordo com o grau de severidade. De 14,5% em 2000, os novos questionários apontaram para a existência de uma população de 35.792.488 ou ainda, 23,9%  dos cerca de 190 milhões de brasileiros. Ao seguir as recomendações da OMS – Organização Mundial da Saúde na coleta de dados, o Brasil incorpora ao universo de deficientes aqueles que apresentam alguma dificuldade de enxergar, ouvir, andar e compreender diagnosticando graus diferenciados de deficiência funcional.

Hospitalidade e deficiências funcionais

A infraestrutura voltada à hospitalidade deve garantir não apenas condições de acesso e mobilidade bem como oferecer condições equitativas funcionais, estéticas e de usabilidade das acomodações hoteleiras. A partir de uma pesquisa qualitativa, foram avaliadas as opções de alojamento para pessoas com deficiência em diferentes hotéis procurando-se identificar a existência dos requisitos necessários para a adequação às condições específicas para o uso dos espaços propostos além dos recursos e serviços existentes para as deficiências auditiva, visual e motora.

Uma primeira observação aponta para a existência de apartamentos standart, ou ainda, padrão, não havendo nenhuma menção quanto à oferta de unidades adaptadas maiores ou com serviços diferenciados para os diversos perfis sócioeconômicos e culturais deste segmento.

As adaptações atendem parcialmente às condições de mobilidade de pessoas com deficiência funcional motora. A distribuição do mobiliário nas unidades e das peças sanitárias nos banheiros desconsidera as necessidades de manobra, estacionamento e transferência. Armários, tomadas, bancadas, arandelas, locação de secadores de cabelo, altura de roupões e toalhas são apenas alguns dos itens que encontravam-se em alturas incompatíveis com as condições de acesso manual frontal ou lateral da pessoa em cadeira de rodas e de idosos.

Quanto ao acesso às informações e comunicação em folders referentes aos serviços de hospedagem tais como cardápios, uso da lavanderia, concierge, informações de segurança (planta tátil da rota de fuga) entre outros, encontravam-se apenas em mídia impressa restringindo o acesso apenas aos videntes. Telefones e interfones, além de campainhas e alarmes adaptados aos deficientes auditivos inexistiam nas unidades avaliadas. Estas são apenas algumas das situações identificadas nas avaliações e que foram estudadas quando do desenvolvimento dos projetos. Para este trabalho, os alunos selecionaram dois tipos de unidades: a standart e outra maior e com mais serviços identificada como “luxo” com espaços que se adéquam a um cliente diferenciado. Para os dois projetos de design, os alunos adaptaram os espaços internos existentes para pessoas com deficiência funcional motora, auditiva e visual priorizando o uso de mobiliários e equipamentos existentes no mercado brasileiro.

Conceito

O desafio do projeto foi construir dois dormitórios (um standart e outro luxo) cuja ambientação clássica, sóbria e com uso
de materiais nobres atenda às necessidades de clientes com deficiências visual, auditiva e motora com o conforto, aconchego e elegância esperados de um hotel. Os dois dormitórios foram revestidos com papel de parede em estampa floral, Roda Meio em MDF com acabamento na cor branca, carpete com estampa miúda e moldura nas paredes em estilo clássico. Piso, paredes e bancadas dos dois banheiros foram revestidos em mármore Niwala Yellow.


Apartamentos: standart e luxo

Com cerca de 34m² o dormitório standart (banheiro:1.60 m x 3.40 m – dormitório: 6.00 m x 3.80 m e closet: 2.60 m x 1.65 m) passou por uma reformulação de seus espaços. Para atender clientes com deficiência funcional motora, o projeto definiu os ambientes (local para dormir, comer ou trabalhar, vestir-se, ler, assistir TV, descansar, área de closet e banheiro), sua localização e distribuição nas dependências do dormitório para posteriormente identificar as manobras da cadeira de rodas, muletas e andador (os acessos, as circulações com ou sem deslocamento, as transferências e o estacionamento). A partir daí, foram dimensionadas as portas e os corredores de circulação. Para o tipo standart, as duas camas de solteiro utilizadas tem alturas compatíveis para transferência e seu estrado é motorizado permitindo movimento anatômico, articulado e duplo (cabeceira e pés). A área de leitura (que também serve como área para troca de roupas) posiciona-se ao lado de uma das camas e é composta por uma poltrona chaise longue motorizada com movimento também articulado e duplo. O uso do suporte articulado para a TV com movimentos laterais (cerca de 45°) e inclinação de até 15° permite que o cliente assista seus programas favoritos confortavelmente a partir de vários ambientes. Para o apartamento do tipo Luxo (cerca de 36 m², banheiro – 1.80 m x 3.40 m; dormitório – 6.00 m x 4.20 m; closet – 2.60 m x 1.85 m), as duas camas de solteiro foram juntadas e o criado mudo transferido para uma das laterais. A chaise longue foi substituída por um Puff que também atende à troca de roupa. Para a leitura, o usuário poderá utilizar as poltronas (sem braço) da pequena sala de estar.

Para o local de trabalho e alimentação, foi construído um móvel com altura e dimensões para o alcance manual de atividades por tempo prolongado além da aproximação frontal de um cliente em cadeira de rodas. Para maior conforto de todos os clientes, todas as tomadas foram alocadas em frente à bancada ou com altura mínima de 0.90 m. Em uma das laterais, foi previsto um tampo extensível que permite melhor distribuição tanto dos objetos e equipamentos do cliente quanto do conjunto de folders e demais amenidades disponibilizadas pelo hotel.

O closet foi totalmente adaptado. Gaveiteiros, sapateiros e local para a guarda de malas foram colocados prevendo a aproximação lateral de uma cadeira de rodas. Apesar da instalação em pontos mais altos, os cabideiros são basculantes e o varão tem altura compatível para o alcance manual lateral. Tanto o frigobar quanto o cofre encontram-se na área de alcance manual ou ainda entre 0.45 e 1.40 m a partir do chão. A profundidade do armário atende o alcance manual lateral sem esforço.

As adaptações realizadas para os deficientes visuais (cegos e baixa visão) priorizaram a comunicação das informações e também a iluminação do ambiente. Luminárias, lustres e arandelas tem foco de luz direcionado para a realização das tarefas previstas em cada ambiente do quarto. Destacam-se a iluminação do rodapé em fita de led e também com spots que permitem a circulação à noite com segurnaça sem acender luzes. Folders, avisos, comunicados, cardápios, sacos plásticos de lavanderia ou ainda o conjunto de amenidades que se encontram sobre a mesa de trabalho ou bancada de banheiro deverão ser identificadas em Braille e nos idiomas praticados pelo serviço de hospedagem do hotel. O mesmo ocorre com o atendimento dos requisitos de segurança tais como mapas táteis indicando as rotas de fuga em situações de incêncio e demais informativos que foram fixados atrás da porta do apartamento em altura compatível para a leitura de uma pessoa em cadeira de rodas.

Para os deficientes auditivos, as adaptações necessárias referem-se à substituição das informações sonoras por sinais luminosos e vibratórios. Nas camas, o criado mudo apoia um telefone adaptado (sinal de luz para toque, modo vibratório associado, tela para digitação e leitura das informações) e um relógio-despertador com sinal vibratório. Foram colocadas no teto (do quarto, área de closet e banheiro) campainhas com sinal de luz.

O banheiro

Com o objetivo de atender pessoas com diferentes estaturas e mobilidades, a cuba, os apoios para os braços tanto na cadeira de banho quanto no vaso sanitário foram conectados a um sistema de barras de parede que se ajustam horizontal e verticalmente de acordo com as especificidades de cada cliente. O sifão utilizado é articulado e flexível garantindo segurança. Os misturadores encontram-se em frente à bancada de mármore, garantindo maior conforto no uso. A temperatura da água está identificada em Braille. O espelho que cobre toda a parede está inclinado a 10° facilitando a visualização de quem se encontra sentado. O vaso é suspenso com altura igualada à cadeira de rodas. O mesmo ocorre com a cadeira de banho que se encontra no box. Para os dois casos, os braços laterais são articulados e também ajustáveis e servem de apoio para os movimentos de transferência do usuário. Os trilhos das portas de vidro blindadas foram embutidos no piso facilitando o ingresso, se necessário, de cadeira de rodas. Uma ducha higiênica foi instalada ao lado do vaso sanitário em substituição ao bidê ampliando e facilitando a circulação e as manobras da cadeira de rodas. O banheiro recebeu interfone com tela para leitura e digitação de textos e sinal vibratório para campainha. Para a suíte Luxo, a cadeira de banho foi substituída por uma banheira que é motorizada e apresenta uma porta lateral deslizante que permite a transferência lateral para o assento embutido. Os dois banheiros tem na área do box, tanto um chuveiro de parede como também uma ducha para banho. Tomadas e barras de apoio encontram-se em alturas compatíveis para uma pessoa sentada, ou ainda, acima da bancada da cuba. O mesmo ocorre com a disposição de  toalhas, roupões, secadores de cabelo, porta shampoo, saboneteiras e demais amenidades oferecidas pelo hotel.

Cão-guia

Para os dois apartamentos, foi criado um ambiente para a permanência e descanso de cão-guia. Trata-se de um futon forrado com tecido lavável e impermeabilizado. Ao lado da cama do animal, o hotel oferece como parte do pacote de amenidades, louça adequada para alimentação do leal companheiro.


ilustração 1 e 2: apto standart

Ilustrações do apartamento luxo

Ficha Técnica com especificações de produtos e empresas

Acessibilidade Universal: projetos de alunos 2012

Estes projetos mostram o resultado de um semestre de exercícios e trabalhos desenvolvidos pelos alunos da disciplina de Acessibilidade Universal do curso de Design de Interiores do Centro Universitário FIAMFAAM. Com quarenta horas, a disciplina aborda temas vinculados aos direitos humanos, conceitos diversos vinculados ao tema, desenho universal, deficiências funcionais e tecnologias assistivas associando-os à ergonomia do ambiente e dos objetos contextualizando as discussões, seminários e projetos nas linguagens e estéticas contemporâneas. Os objetos utilizados pelos alunos são vendidos em lojas e empresas em muitos casos, não especializados em tecnologias assistivas. Esta situação demonstra que, com a compreensão das medidas, comportamentos e necessidades de clientes com deficiências funcionais, designer são capazes de compor ambientes funcionais que também atendem aos padrões estéticos mais refinados.

No início do semestre, nossos alunos foram convidados a criar um programa de atividades para um cliente especial. Trata-se de um apartamento cuja planta é bastante grande e deve atender a uma casal com dois filhos. Ela jornalista renomada de uma rede de TV, é paraplégica e deseja poder percorrer todos os ambientes da casa sem restrições e gozando de autonomia e liberdade de uso. Para a viabilização dos projetos, todos os comportamentos, movimentos e usos dos ambientes foram estudados. Os movimentos da cadeira de rodas, suas manobras e estacionamentos foram previstos em cada cômodo, ambiente e situação incluindo todos os locais da casa viabilizando uso e transferência quando necessário.

Estes são alguns dos trabalhos encaminhados pelos alunos. Os objetos utilizados e empresas encontram-se nas fichas técnicas que estão nos links abaixo das fotos.

Projeto:
Camila Bueno, Tamiris Herculano e Thatiane Pinheiro
Proposta completa

Projeto:
Caroline Almeida, Cássia Sybille, Margarete Brito, Nadia Padilla

Proposta completa

Projeto :
Ana Paula Lopes Dias, Marina Moreira, Will Guimarães

Projeto Completo

Projeto:
Carolina Mayumi, Michele Soaino, Rafaela Perton

Projeto completo

Projeto
Antônia Régia, Maiara Oliveira, Maria Adenice, Rosilene Alves
Projeto :
Amanda Domiciano , Nathalia Toral e Leticia Herbas.

Projetos de turmas anteriores 2010 2

Espaço Universitário (Casa: Projeto & Estilo 17): projeto de um lavabo para deficiente motor

A proposta apresentada para a revista Casa: Projeto & Estilo foi idealizada como parte da disciplina Acessibilidade Universal ministrada por mim para o curso de Design de Interiores do Centro Universitário FIAMFAAM em dezembro de 2011. A disciplina tem por objetivo discutir conceitos diversos que abordam desde assuntos vinculados aos Direitos Humanos, dignidade, inclusão, deficiência, habilidades funcionais (entre outros) associando-os ao desenho universal e também às tecnologias assistivas  que viabilizam a realização das atividades (sociais, de trabalho e familiares) cotidianas da pessoa com deficiência. A inclusão se dá, para este caso, por meio do projeto e do uso de tecnologias assistivas que atendem ao uso de uma pessoa com habilidades funcionais motoras prejudicadas.

A reforma da residência previa a readequação de circulações, acessos e ambientes para atender ao cliente dependente de cadeira de rodas para locomoção. O espaço do lavabo foi desenvolvido a partir da análise detalhada de todas as manobras da cadeira de rodas e também dos movimentos do cliente para uso do local com independência. Num segundo momento, a linguagem do projeto adotada em todos os ambientes da casa foi utilizada também no lavabo. À seleção do conceito, cores, matérias e texturas foi incorporado um conjunto de revestimentos, peças sanitárias, iluminação dentre outros que encontram-se melhor detalhadas na Ficha Técnica.

O Conceito

Lavabo para um casal contemporâneo

O lavabo que será utilizado por todos os membros da casa e convidados, ganhou além da segurança proporcionada pelos materiais, acabamentos nobres e elegantes que mantém o estilo contemporâneo adotado para a casa. Os proprietários são um jovem casal (ele escritor paraplégico após um acidente e ela designer) com dois filhos que adoram receber convidados para jantares e finais de semana.  Para adequar o espaço a um deficiente motor, o lavabo passou por reformas que ampliaram largura e comprimento do local permitindo o giro completo e confortável de uma cadeira de rodas (1.50m/raio) viabilizado pela manobra sem deslocamento. Ao acabamento em laminado de madeira branca (com frisos) do rodapé contrapõem-se às placas de porcelanato cinza antiderrapante do piso e combina com a tonalidade clara da cuba especialmente esculpida em pedra Limestone. O sifão articulado e flexível sob a pia associado ao misturador monocomando facilitam o uso do escritor. O espelho inclinado a 10 graus da parede permite acesso visual pleno a quem se encontra em pé ou sentado. O vaso sanitário que se encontra a 0.46cm de altura atende confortavelmente a todos incluindo a transferência da cadeira de rodas para o sanitário. Nas laterais, foi incorporado um sistema de barras com regulagem de altura e posição conferindo segurança aos usuários. A lixeira é automática e está localizada entre a bancada e o vaso assegurando a aproximação lateral da cadeira pelo outro lado. A papeleira foi colocada a uma altura compatível ao alcance manual lateral respeitando relação entre altura e profundidade para quem estiver sentado. A válvula de descarga sofreu uma adaptação que permite uso diferenciado. O toque de elegância se dá pelo revestimento de papel em estilo floral com detalhes metalizados que ficam mais evidentes coma iluminação diferenciada dada pela alternância dos spots que encontram-se no forro com as arandelas que estão ao lado do grande espelho e evitam o ofuscamento.


Alunos: Alessandra França e Rodrigo Colombo

Ficha Técnica

Acabamento para válvula de descarga Pressmatic Benefit Chrome
Fornecedor: Docol

Barra de apoio de 80 cm
Fornecedor:Docol

Misturador monocomando para lavatório mesa Nexus
Fornecedor: Docol

Papeleira linha Polaris chrome
Fornecedor: Docol

Lixeira automática – inox
Fornecedor: Assentos sanitários & acessibilidade

Bacia convencional LK suspensa
Assento poliéster AP 230 Fornecedor: Deca

Ligação Flexível
Fornecedor: Deca

Sifão articulado
Fornecedor: Deca

Papel de parede coleção Tuxedo
(PG 7 – SW29194) Fornecedor: Bucalo

Papel de parede  coleção Jeff Banks Design
Fornecedor: Bucalo

Bancada de Limestone pedra Blanca com cuba esculpida
Fornecedor: Marmotec

Piso: Spazio Grigio AP – Porcelanato anti derrapante
Fornecedor: Biancogres

Sistema de barras de parede com ajuste horizontal e vertical
Fornecedor: Arco sinalização universal

Porta padrão lisa  e Puxador tubular em inox
Fornecedor: Portello

Luminária embutida orientavel focus
Fornecedor: Lumini

Arandela mini tab 
Fornecedor: Lumini

Rodapé em MDF primer branco com 2 frisos
Fornecedor: Madelânima

Tinta acrílica branco neve
Fornecedor: Suvinil

Representações gráficas para paisagismo: algumas sugestões

Nesta semana, vocês desenvolveram planos de massa utilizando oelementos vegetais na comosição de espaços livres – ou ainda, como vocês carinhosamente chamas, as maquetes de algodão. O próximo post será dedicado apenas a elas, ok:

Na aula passada, pedimos a vocês que representassem o que estavam vendo nas maquetes na forma de plantas (com legendas), cortes, elevações e croquis. Como sugestão, pedimos que vocês encontrem os trabalhos que fizeram nas disciplinas de Desenho Técnico com a Profª Alessandra, lembram-se dela? Pois é. A hora é agora. Apliquem nos desenhos.

Outras sugestões de desenho encontram-se aqui, no conjunto de slides que as professoras Kátia Lulli e Fabíola Bernardes prepararam para vocês.

Em tempo: as ilustrações foram retiradas destes três livros (que estão na bilbioteca), a saber:

ABBUD, Benedito. Criando Paisagens. São Paulo: Senac, 2006. MASCARÓ, Juan Luis. Loteamentos Urbanos. Porto Alegre: Editora Masquatro, 2005. REID, Grant W. Landscape graphics. New York, Whitney Library of Design, 1987.

Deixo aqui também uma aula em ppp realizada pelo Prof. Dr. Silvio Soares Macedo (FAUUSP – Quadro do Paisagismo no Brasil) que  fala sobre a importância das formas de representação das idéias para as discipçinas de paisagismo.

Praça Washington Gomes Campos

Cliente: subprefeitura Vila Mariana
Alunos: Daniela Ponce Bueno e Andréia Gomes Carmo
Local: praça Washington Gomes Campos
Tutor: Drª Helena Degreas

Diagnóstico: prancha 1
Projeto: prancha 02
Projeto: prancha 3

6º Prêmio Nacional de Pré-fabricados de concreto para estudantes de arquitetura

Concurso: 6º PRÊMIO NACIONAL DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO PARA ESTUDANTES DE ARQUITETURA
Alunas: Carolina Arbex,  Jéssica Inácio da Silva, Meire Ellen Fernandes Casal
Orientador: Drª Helena Degreas

Prancha 1
Prancha 2
Prancha 3