The open spaces system as a structural element of urban form: proposal for a new point of view

The open spaces system as a structural element of urban form: proposal for a new point of view

Sílvio Soares Macedo. E-mail: ssmduck@usp.br. Prof. Tit. at FAUUSP, CNPq scholarship.

Eugenio  Fernandes  Queiroga. E-mail:  queiroga@usp.br.  Prof. Dr.  at  FAUUSP  e  CNPq scholarship.

Jonathas Magalhães Pereira da Silva. E-mail: jonathas@mpsassociados.com.br Prof. Dr. at FAU and POSURB-PUC-Campinas

Ana Cecília de Arruda Campos. E-mail: anacecilia@arrudacampos.com, LAB-QUAPÁ researcher at FAUUSP.

Rogério Akamine. E-mail: akamine224@gmail.com. Prof. Dr. UNINOVE e USJT, LAB-QUAPÁ researcher at FAUUSP.

Fany Galender. E-mail: fgalender@uol.com.br. Prefeitura Municipal de São Paulo, LAB-QUAPÁ researcher at FAUUSP.

Helena Degreas. E-mail: hdegreas@uol.com.br.  Profa. Dra. FIAMFAAM, LAB-QUAPÁ researcher at FAUUSP.

Fábio Mariz Gonçalves. E-mail: fabiomgoncalves@uol.com.br. Prof. Dr. at FAUUSP.

Vanderli Custódio. E-mail: vanderli@usp.br. Profa. Dra. at Inst. de Estudos Brasileiros (Área Temática de Geografia) – IEB-USP.

Morphology studies cannot consider urban form without taking into account buildings and open spaces. These two elements are closely connected to physical support and pre-existing environmental dynamics. Therefore we see no sense in breaking them in any studies related to the urban form. This article begins to look at the city and its forms under  a rarely used way. The open space becomes the protagonist of the analysis. This approach considers both publicly and privately owned spaces. It evaluate the role of different types of retreats that shape backyards, enclosed yards, parking lots, parks and plazas, etc.. and through which passes part of everyday city life. Despite the natural connection links with others societies in the world like: similar neighborhoods and architectural forms, global urban habits, Brazilian cities hold a peculiar form coming from the specific process of parceling land, urban legislation, cultural habits and formal and informal actions that resulted as the contemporaneous Brazilian urban landscape. After five years of study, carried out by a national network of researchers, coordinated by LAB-QUAPA[1] – at the São Paulo University, it was possible to build a comprehensive overview of the characteristics, opportunities and constraints of the Brazilian cities open space systems. The presentation discusses the relationship between the open space systems and the urban form, checking the points in common: their process of constitution, the existing social and environmental conflicts, and their morphological structure and appropriation types of open spaces.

Keywords: stakeholders, open spaces system, urban form

Introduction

This text is a result of a search that works with the concepts: space by reference to the Brazilian geographer Milton Santos, open space worked by the Brazilian architect and urban planner Miranda Magnoli, the public sphere derived from the political theory of Habermas(1989) and Hannah Arendt (1991) and notions of complexity and system proposed by the philosopher Edgar Morin (2008).

The research was developed through a national network known as QUAPÁ-SEL Network – Frame of Landscaping in Brazil / Open Space System – which currently has researchers from 17 Brazilian universities.

Networking aimed to build a theoretical-conceptual and methodological framework of the open space systems and the constitution of the public sphere in Brazil, through exchange and knowledge from the sum of specificity, methods and suggestions from each investigation that integrated the research.

 

Objectives

The survey was designed and developed to deepen discussions on the existing open spaces in cities. We tried to check them as representatives of a condition of urban cultural life and to examine how Government acts towards them.

It aimed to build a referential interpretation of the Brazilian urban contemporaneity linking open spaces and public life evaluating and dimensioning the initiatives of institutions, enterprises and populations (plans, projects and management), in order to qualify public spaces.

The study also sought to understand the recent structure of open space systems in significant Brazilian urban formations, be they metropolitan, megalopolitan and responsible for diffuse urbanization. Aimed at critical review of thought and values dominant models ​​that guide the planning of open space systems, the implementation of its elements and the recent trends related to real estate. To do so it  was necessary to understand the interdependence and complementarity between public and private spaces.

The assessment of ecological potentials of the open spaces systems to conserve and regenerate urban natural resources was also needed to understand the contribution of different open spaces system for the constitution of contemporary public life environments in various Brazilian urban realities.

Finally, we tried to create theoretical and methodological bases for the elaboration of general principles for public policies, plans and deployments of open spaces, more attentive to the heterogeneity of the Brazilian urban reality and to environmental protection and urban ecology.

 

Working Standards

The working standards indicate the scope and limits for the development of the research. To reach the stated objectives it was necessary to establish weekly meetings with the researchers, perform field research, organize semi-annual series of lectures with professionals in the private and public sectors, develop an agenda  for workshops in all participating cities involved with the university, identify representatives from the local public and society, organize annual conferences involving national network of researchers and systematize photographic documentation and mapping carried out during the research.

With the collected material it was possible to develop graphical analysis of maps and aerial photos in addition to urban and environmental legislation resulting on the production of specific texts.

Follows the adopted concept for the open space system as well as the results achieved so far.

Open Spaces System Concept

The open spaces system is understood as the set of all existing urban open spaces, regardless of their size, aesthetic, attributes, function or location. We consider every open space, public or private.

1

The idea of system is constituted by full functional binding, since only public spaces are physically connected to each other, especially considering the road system. The drawings emphasize the buildings while the open spaces are considered as their negatives.

The land ownership structure affects the construction of the city and therefore of its public and private spaces. It also interferes in the form of these appropriations. So there are two categories of open spaces in terms of land ownership: the public and private.

The urban public open spaces are almost always linked together via the integrated network of pathways in which streets, avenues and alleys are physically connected and allow, in theory, the user access to both buildings and open spaces linked to them, but also for other public spaces such as squares, parks, etc.. Because of this integrative role, and considering the fact that much of everyday urban life occur in the set of routes, they can be considered as the most important public spaces of any city.

Public open spaces are unrestricted to all those within public ownership, with different degrees of accessibility and appropriation. In Brazil, using the property definitions established by the Civil Code, three types of public open spaces can be identified:

  • “Bens dominicais” – Dominicais – are public spaces suitable for transfer of ownership
  • “Bens de uso especial” – Special use – targeted to specific activities (school or a prison open spaces, for example).
  • “Bens de uso comum do povo” – Public use – spaces for public use (street, square, city park, the beach, etc.)

The public open spaces are a subsystem within the open spaces system. As stated in previous paragraphs, the main space is the street, a fundamental connection in the city, where important daily activities of urban society occur. Other types of spaces such as parks, plazas, promenades, boardwalks, urban forests, nature reserves, caves, informal soccer fields, lakes, beaches, etc.. complete this system.

The private open spaces are those embedded within particular areas with access not available or with special permissions granted for partial areas.

Such spaces form a subsystem inserted into the urban open space systems. Gardens, yards, parking lots, loading and unloading yards, private forest reserves, private soccer fields, business parks, etc.. part of this system, unlike the public spaces, only rarely are physically connected to each other, and are extremely fragmented and spread throughout the urban tissue. They are frequently isolated by walls and fences, usually inaccessible, trapped in the middle of city blocks, separated from the street by  building blocks.

The contribution of this subsystem to urban environmental demands varies but it is essential to confront the issues of drainage and slope stabilization due to the shortage of public spaces in the Brazilian cities.

They add up to the majority of private spaces as courtyards, corridors, between the existing buildings and crucial to the daily life of the population.

Sílvio Macedo, 2005

It is on these spaces that happen every day some of the recreational activities and domestic services such as washing and drying clothes, children’s games, the cultivation of plants, car parking, car washing, etc.. These activities are therefore complementary to the life that occurs inside the buildings.

We observed densely built lots and a high degree of land-sealing with excessive pavement of open spaces. For everyday conveniences, both owners and renters do not hesitate to reduce the existing open space on the lot. This behavior is independent of the use. It could be observed in residential, business, commercial or industrial uses. The private open space is handled as if it were only reserve for the future expansion of the building.

 

The landscape and the open spaces system

Landscape is understood here as the morphological expression of the transformation of physical space by the social and environmental changes within a given space-time.

The Brazilian city does not have a standard form and this fact can be determined primarily by the shape of the urban patches and for the insertion in these physical support that induce different landscapes.

Is defined as urban patches the built area contained within the perimeter of an urban sprawol, independent of the size and the extent of urbanization: village, city or metropolis.

Cities according to their urban patches can be presented in four different ways, namely:

I – linear – found within valleys embedded in middle of hills and high declivity slopes, sea and river borders and even along roadsides.

II – tentacular – structured by a compact core which irradiating arms of urbanization along street or water lines.

III – mixed – the most common type.

IV – compact – Elder cities, which originated from any of the three previously indicated ways, whitch growth will take a compact and continue form.

These denominations are mere references towards a more detailed classification in accordance with the open spaces systems and the whole of the urban sprawl.. They are:

I – Open spaces system within a compact urban spread, as in the cases of São Paulo and Belo Horizonte.

II – open spaces system within a fragmented and discontinued urban area, spread over two or more units, as in the case of metropolitan Campinas.

III – open spaces system within an urban area fully or partially discontinued by large scale natural elements, as the case of Rio de Janeiro and the Florianópolis insular territory.

IV – Open spaces system within a discontinuous urban area totally or partially fragmented by scattered natural elements, such as in Manaus and Palmas.

In the case of natural structures discontinuity, it results from the presence of various physical support elements such, estuaries, ponds and dunes or from woods or forests spreads.

Many of those formats may last as a result of growth impediments due to grades and water ways, even those modified by fast urban sprawl through areas with modest physical support elements, due to population growth and economic activities

Large metropolitan areas faced physical barriers to grow, like São Paulo dealing with the flooding of large areas along its river beds, or Rio de Janeiro, by means of landfills on the ocean shores, swamps and mangroves, altering its urban spread altered by technology, regardless of its physical support limitations

Each urban configuration presents a set of tissues and a specific open spaces system, with similar characteristics due to origins and cultural, urban, landscape and economic patterns. Previously mentioned images indicate systems components, with diverse urban tissues indicated as a blotch within a mesh of streets and traversed by green spots indicating parks and squares and blue strips for river basins.

Obviously, such schematic indications are simplistic, but provide available structural indicatives for a specific urban sprawl.

City boundaries format and its area are directly linked to access permeability of citizens to contiguous non urbanized spaces. It is easier to reach on foot open fields, wooded areas and neighboring hills in Santa Maria on Rio Grande do Sul due to its linear and narrow configuration than for a citizen of São Paulo, wide and compact, requiring several hours to do it.

Presented below are the maps resulting from the research of open spaces on target communities.

São Paulo-SP

Open Space Systems for the municipality of Rio de Janeiro and São Paulo

Sea coast linear cities, with compact urban areas, equally allow for easiness of access to the beaches for its inhabitants, such as in Vila Velha (ES) and Praia Grande (SP). In the case of Rio de Janeiro, also linear in configuration, the Tijuca range of hills hampers easy access from inland to the beaches, requiring tunnels and freeways to conquer those barriers.

Aerial view of Vila Velha, Espírito Santo. Photo: Silvio Macedo, 2007

 

Systems modes

Every Brazilian city has an open space system, resulting from the growth of the urban nucleus. Usually open spaces result from local land parceling practices resulting in street webs and public spaces, rulling out the possibility to define a priori, when and where open spaces for parks and plazas should be planned for, increasing the prevailing dependence on market variables to do so.

Standards for the constitution of open spaces, streets, avenues, parks and plazas, are rare. That leads to a non-egalitarian distribution of future public open spaces, totally dependents on future decisions on land parceling and destination of public spaces.

Only under fully planned urban situations, together with rigid control over implementation practices, either under government or private rule, it is reasonable to expect an equitable distribution of proposed types of open spaces. This has been the case for Palmas, Maringá, Brasília and Boa Vista. Nonetheless this appropriate distribution does not allow for articulation and complementarity between open spaces, as a quality system requires.

Under contemporary Brazilian urban practices, large private enterprises assume the role of providing for open spaces systems usually adequately qualified, but as a common fact, introduce highly controlled low accessibility, weakening and even hampering general and public use. Such enterprises are coming to life not only on capitals and big metropolitan areas, but also in midsize cities such as: São Carlos, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, São José dos Campos and Londrina, between other examples.

Open Space Systems for the municipality of  Ribeirão Preto, SP.

There is a growing market dependence on the constitution of open spaces systems, especially for the high classes. More and more condominiums and fenced parceled land are offered on the second decade of this century, intra or peri urban enterprises for vast urban areas, offered and sold as “green, quiet and safe”. On an informal and illegal format their restrict use and access inhibit the production of true public spaces.

As a result closed condominiums allow for an urban and social status symbol and the disavowal of public life spheres for contemporary cities on the beginning of this century. Enterprises keyed on higher classes include some adequate green coverage, treated gardens, ponds and equipments like pet shops, golf courses, spas and even churches and markets.

The remainder of the system is filled by private property of intra parcel and intra block spaces for private or collective restrict access, that are really significant parts of the open spaces for each city, and we can affirm that private action on the production of open spaces in Brazil is vast and includes all social classes, leading to the creation and management of their own open spaces individually and disconnected from the remaining urban tissue.

Belo Horizonte                                                                       Belo Horizonte

Open Space System                                                             Income

Open Space System and distribution of income for the city of Belo Horizonte. Source: Income Map was prepared by Prof. Dr Manoel Lemes da Silva Neto the other map were drawn by the research team SEL-Quapa

Thus, the formation of each system is dependent on the mode of urban space production and follows three basic formats:

  1. Formal or forecasted – rare, it is the case of planned cities, with Brasília and its satellite townships as the complete and most emblematic example; historic nucleus of railway era cities of the State of São Paulo, coffee era cities on the north of Paraná State, Palmas, Goiânia, Belo Horizonte old Downtown area, etc.

 

Open Space Systems for the municipality of Palmas, TO.

  1. Informal – the most usual comes to life as the urban tissue constitution, resulting from social actions of diverse urban space, public or private entrepreneurs. It deals with proposing urban schemes by adding new streets grids and land parceling, with public financing of street implementations and construction of other open spaces as, squares and pedestrian walkways. The grid is promoted by private initiative, state regulated or not as in the “invasions” of public land by favelas and clandestine land parceling.

Silvio Macedo, 2006

  1. Parcial –   in a distinct way from the usual informal processes, answering to a specific demand of an urban segment, such as in Barra da Tijuca in Rio de Janeiro, Riviera de São Lourenço in Bertioga (SP), of Pedra Branca condominium at Great Florianópolis, etc.

Open Space Systems for the municipality of Rio de Janeiro – RJ.

Aiming at the urban as a whole, resulting from an Urban Plan or open areas plan, that is, on top of a consolidated urban network, studies are made on open spaces demand, a plan is prepared and from that position action are proposed to increment the system. That is the case of the city of Campo Grande, by means of a 1980 plan identified and preserved areas for a linear parks system executed 20 years later, on the first decade of the XXI century.

27

Open Space Systems for the municipality of CampoGrande – MS.

The qualitative increments of open spaces systems has been a reality for the first decade of the XXI century, expressed by the following points within the public sector:

  • Highlighting environmental issues on urban plans,      promoting a variety of open spaces dimensions, linked to the preservation      of natural resources. From those principles are created a number of      diverse linear parks, and preservastion and conservation areas.
  • Instituting urban environmental protection áreas      (APPs) as a sure fact. From the end of the XX th century the rules for the      implementation of rural APPs are validated for the urban environment,      inducing the recuperation of waterways, eliminating irregular occupation and      the return of vegetal border protections.
  • on amplifying actions on natural resources      conservation, like mangroves and urban forests, specially after the issuin      of 1988 Federal Constitution. Until them such actions were rare and      punctual and gear up for improvement since them. Considering the mentioned      facts under this item and the one before it, we have:
    • from 1990 on APPs and Conservation Units (UCs)       increase in numbers under various formats and sizes;
    • open spaces on a private       setting are upgraded in status under urban codes, on part of the       communities, with the resulting increase in demands to realize their       erxistence. Zoning legislation becomes an induction force on the creation       of private open sapces, specially os closed parcelments, as well as in       large scale horizontal and vertical condominiuns;
  • on setting up and maintenance of the integity      of conservation áreas and leasure systems, in order to protect hidric      networks;
  • on sizeble public investments for the      recuperation of áreas destined to house parks and environment protection,      invaded by low income population, specially those by the river      borderlines;
  • on various urban forestation projects and      programs, that nonetheless do not contribute in a more effective way with      the spatial and environmental constitution of spaces such parks and      squares and are limited by difficulties on finding adequate places for      tree planting on public spaces;
  • on the assumption that parks and squares have      become the most common public open spaces in Brazil, due to the growing      production of new parks, linear parks and treated seaside walkways or the      consolidation of a sport square as a standard for the investment in such      neighborhoods;
  • On seaside communities, beaches and seaside      lanes that might be attractive to domestic or foreign turism, receive makeover      efforts, bikeways and equipments for sports and gymnastics.

Side by side with all that, public spaces demand increases despite the existing “fear” syndrome. Urban space use conflicts abound on contemporary cities, highlighting dangerous areas and the exposure to physical violence and robbery on squares and beaches, but do not hinder the continuous increase in use of public spaces under new modes such as walking and skating, including in the poorest of the areas.

It is also noticeable the open spaces systems quality increase on the same period, considering the private sector production:

  • on the continuous increased presence of the      private significant actions on the production of urban open spaces in      Brazil involving every social substract, creating and managing their own      open spaces with a selfish approach and disconnected of the existing urban      network;
  • a large amount of open air activities occur      behind walls and it is very strong the presence of gyms, clubs and      shopping centers on dayly leasure;
  • decrease on intrapoperty open spaces;
  • On the introduction of low density, vertical      áreas, equiped with large áreas ocupied by colective leasure equipments;

Final Considerations

After 5 years of research it is possible to identify the theorethical-conceptual progress on the subject, primarily on the relationship between open space systems and the contemporary public environment. The research allowed for the stablishment of urban open spaces systems evaluation principles  together with the creation of criteria to propose rules and regulations on the open spaces systems qualification.

It is proper to pay attention to the fact that all procedures mentioned before were added to new others, perceived and processed by the national research network. The researchers commitement resulted in thesis, dissertations and involved a number of graduate students under scientific initiation programs;

Workshops as well as annual encounters of the research network, its researchers and public agents, promoted and allowed for the preparation of reference texts for the whole group and the overall Brazilian scientific community.

As a concrete result it was developed an evaluation process and a set of thematic maps on the subject of open spaces systems for the 25 cities included on the research. Concepts and methods were developed with and around the collective work incorporating regional nuances and dealing with cultural differences.

After the annalysis of brazilian cities we think that in order to reach urban spatial quality it is necessary the presence of generous urban open spaces, that is, beyond quantitative aspects, it is necessary that they be diversified, with good projects, answering to the variety of social demands as far as tree coverings, equipments and maintenance procedures. It has been identified that the public environment development is in need of easily accessible open spaces.

The research also considers that open spaces are essential to overcome the major environmental problems facing Brazilian cities and, simultaneously, open spaces are fundamental basis for the building up of a truly just and democratic society.

References

ARENDT, Hannah. A condição humana (1958). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991.

HABERMAS, Jürgen. The theory of communicative action (1981). Boston: Beacon Press, 1989.

LEFEBVRE, Henri. La Production de L’espace. Paris: Éditions Antrhropos, 1974.

MACEDO, Sílvio; CUSTÓDIO, Vanderli; QUEIROGA, Eugenio; ROBBA, Fábio; GALENDER, Fany; DEGREAS, Helena; SILVA, Jonathas M. P. da. Os sistemas de espaços livres da cidade contemporânea brasileira e a esfera de vida pública – considerações preliminares. In: ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA, XII, 2009,  Montevidéu. Anais do XII EGAL, Montevidéu: Universidad de la República, 2009. Espaço de Diálogos.

MACEDO, QUEIROGA, CAMPOS, et al. Considerações preliminares sobre o sistema de espaços livres e a constituição da esfera pública contemporânea no Brasil. In: TÂNGARI V.R., ANDRADE R. de., SCHLEE M.B. (Orgs.). Sistemas de espaços livres:  cotidiano, apropriações e ausências. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009. p. 60-83.

MAGNOLI, Miranda M. E. M. Espaços livres e urbanização: uma introdução a aspectos da paisagem metropolitana. São Paulo: USP,1982. Tese (Livre-docência) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

MAGNOLI, Demétrio. O Protocolo de Kyoto e terceira etapa da “ecodiplomacia.” Revista Pangea Mundo: Quinzenário de Política, Economia e Cultura. Seção: Relações Internacionais, ago. 2001. Disponível em: <http://www.clubemundo.com.br/ revistapangea/show_news.asp?n=56&ed=1> Acesso em: 7 ago. 2007.

MORIN, E. O método 1: a natureza da natureza. Porto Alegre: Sulina, 2008.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova: da crítica da Geografia a uma Geografia Crítica. São Paulo: Hucitec, 1978.

_____. Espaço e método. São Paulo: Nobel, 1985.

_____. O espaço do cidadão. São Paulo: Nobel, 1987.

_____. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

_____. A natureza do espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo:

Hucitec, 1996.


[1] The Design Department Laboratory of the Architecture and Urban Planning Faculty, covers issues related to landscaping, as open spaces and landscape studies.

Praças do ecletismo: a linha clássica de projeto

SIlvio Macedo: Acervo QUAPA

 
 A origem das praças no Brasil: implantação e forma na malha urbana
 
 “Reunir-se: fazer-se público de sua presença, exibir pompa, ver homens e mulheres bem-vestidos e bonitos, contar e ouvir as novidades, assistir a apresentações musicais, mostrar filhas na busca de maridos, homens finos admirando e fazendo corte a cortesãs. Os jogos sociais e sexuais – com a tácita concordância entre seus praticantes – o plaisir de la promenade, tinha uma palco magnífico nos jardins público.” Hugo Segawa.

Em seus estudos sobre praças contemporâneas, Macedo (2002) considera duas premissas básicas para conceituar tais espaços: uso e acessibilidade, conceituando-os  como espaços livres urbanos destinados ao lazer e ao convívio da população, acessíveis aos cidadãos e livres de veículos. Lembramos que os estudos foram elaborados a partir das praças nas cidades contemporâneas brasileiras. Ainda assim,  essa tipologia mantém o caráter de sociabilidade que é intrínseco às funções da praça descartando-se alguns logradouros públicos enquadrados como tal e que nada mais são do que canteiros centrais, rotatórias, restos de sistemas viários gramados não oferecendo condições mínimas adequadas ao exercício do lazer ou acessibilidade da população. Tal fato se deve à necessidade de muitos órgãos públicos municipais de ampliar quantitativamente o número dos seus espaços públicos e de lazer perante a comunidade.
Os primeiros espaços livres públicos urbanos surgiram no entorno das Igrejas. Ao seu redor, foram construídos os edifícios públicos, palacetes e comércio servindo como local de convivência coletiva da comunidade. Murilo Marx afirma que a praça deve a sua existência sobretudo aos adros das Igrejas, onde serviu como espaço para reunião de pessoas e para um conjunto de atividades diferentes, caracterizando-se de forma bastante típica e marcante.

A forma urbana influenciou o traçado de nossos logradouros públicos. Se para a colonização espanhola, as ruas eram traçadas em cruz e na colonização inglesa, francesa, holandesa e belga, os traçados obedeciam a sistemas em xadrez, radiocêntricos e lineares, as cidades de colonização portuguesa cresceram de forma espontânea assumindo a modelagem do terreno e de maneira informal, quando não, à margem da lei. 

imagens de Bruxelas : Ssolbergj

Vista panorâmica sobre a Londres moderna, vista da Golden Gallery da Saint Paul’s Cathedral: http://migre.me/nQbZ

Vista panorâmica de Lisboa e ponte 25 de Abril a partir do miradouro do Cristo-Rei.http://migre.me/nQgL
 O Desenho Clássico nos projetos das praças
Inspirada nos jardins franceses dos séculos XVI e XVII, as praças estudadas apresentavam uma natureza dominada pela mão do homem, prevalecendo a geometria, a simetria e a construção de perspectivas monumentais com a utilização de planos ortogonais, caminhos em cruz, passeios perimetrais, estar central com ponto focal e espaços espelhados.

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

Linha clássica (Acevo QUAPASEL do livro Praças Brasileiras)

 Síntese das principais características

· traçados em cruz ;
· grandes eixos com pontos focais e estar central;
·hierarquia nas circulações com presença de caminhs secundários perimetrais;
· canteiros que apresentam formas geométricas e espelhadas;
· eixos de circulação ortogonais;
· grande quantidade de áreas permeáveis com o uso da topiaria e das bordaduras em canteiros e caminhos além da grande utilização de espécies exóticas e pouca utilização das espécies nativas;
· utilização de mobiliários e equipamentos tais como coretos, pavilhões, espelhos d’água, estátuas, monumentos, fontes, bustos; 
· vegetação arbórea plantada ao longo dos caminhos para sombreamento;
· grande utilização de espécies exóticas européias e pequena utilização de espécies nativas;
 
Alguns exemplos

Praça da República (Recife-Pe) Acervo QUAPASEL (Livro Praças Brasileiras)

Praça da República (Recife-Pe) Acervo QUAPASEL (Livro Praças Brasileiras)

Praça da República (Recife-Pe) Acervo QUAPASEL (Livro Praças Brasileiras)

Praça da República (Recife-Pe) Acervo QUAPASEL (Livro Praças Brasileiras)

Praça da República (Recife-Pe) Acervo QUAPASEL (Livro Praças Brasileiras)

Observação: esse post (e suas imagens) foi organizado predominantemente a partir do capítulo A linha Clássica do livro Praças brasileiras indicado na bibliografia.
 
Referências Bibliográficas
 
Gomes, Marcos Antônio Silvestre. De Largo a Jardim: praças públicas no Brasil – algumas aproximações.
Disponível em: http://migre.me/nP9H . Acesso: 12.03.2010 18:25:15
MACEDO, S. S.(Coord.).Introdução a um quadro do paisagismo no Brasil. São Paulo: Projeto Quapá, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 1998.
MARX, M. Cidade Brasileira. São Paulo: Melhoramentos: Editora da Universidadede São Paulo, 1980.
ROBBA, F; MACEDO, S. S. Praças Brasileiras. (public squares in Brazil). São Paulo: Edusp: Imprensa oficial do Estado. 2002, 312p.
SEGAWA, H. Ao amor do público: jardins no Brasil. São Paulo: Studio Nobel:Fapesp, 1996.

Endereços eletrônicos
A vegetação na paisagem urbana. Resenha de Márcia Nogueira Batista do livro
TERRA, Carlos; ANDRADE, Rubens de; TRINDADE, Jeanne; BENASSI, Alfredo. Arborização. Ensaios historiográficos. Rio de Janeiro, Maia Barbosa, 2004, 215 p.
Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/resenhas/textos/resenha145.asp
Acesso: 24.03.2010 As 23h:37:25

Tipos de espaços livres públicos: Praças, Átrios, Largos, Pátios

Esse post tem por objetivo apresentar de forma sistematizada uma visão do estado de arte das praças brasileiras desde a sua origem até o início dos anos 2000. O material utilizado foi produzido ao longo de 7 anos de estudos do grupo QUAPA – Quadro do Paisagismo no Brasil, liderado pelo Prof. Dr. Silvio Soares Macedo e desenvolvido no Laboratório da Paisagem da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo entre 1994 e 2001.

Num primeiro momento, falaremos sobre a formação e evolução da praça na cidade brasileira, do final do século XVIII aos anos finais do século XX.

Várias são as definições para o termo praça. Mesmo havendo divergências entre autores, a praça é caracterizada como um espaço público destinado à con-vivênica de seus cidadãos, contextualizado em ambiente urbano e que se encontra livre de edificações.

No Brasil, o termo praça é comumente associado à idéia de áreas livres, geralmente ajardinadas, repletas de equipamentos públicos destinados à recreação de seus usuários conflitando em muito com os espaços e projetos dessa tipologia no continente europeu.

Para os gregos, a ágora era o espaço livre público por excelência, local onde o exercício da cidadania se materializava representando o espírito de coletividade da população.

Ágora grega (fonte: http://migre.me/me3v)

 A Ágora grega era o espaço público aberto da antiguidade clássica onde se praticava a democracia direta ou ainda, o lugar por excelência do debate das idéias, dos tribunis populares e onde eram discutidos os negócios e decididos os rumos da cidade. Por meio de assembléias e com direito igual a voto, aqueles considerados cidadãos eram ouvidos. Tratava-se de um espaço delimitado por edificações diversas de caráter público e Stoas, ou ainda, conjunto de pórticos ou colunatas abertos ao público onde o mercadores em feiras livres podiam comercializar seus produtos. Da ágora, era possível avistar a acrópole, ou ainda, o ponto mais alto da cidade (do grego ἀκρόπολις, composto de κρος, “extremo, alto”, e πόλις, “cidade”). Nesse lugar, eram construídos os templos aos deuses como o Parthenon em Atenas ou ainda os palácios.

Para os romanos, o Fórum era constituído por um espaço livre público central onde ocorriam as relações sociais, as atividades comerciais, religiosas e de mercado da comunidade.

Forum romano (imagem: http://migre.me/me7n)

O fórum romano era o centro comercial da Roma imperial. Nele localizavam-se as lojas, praças de mercado e locais para assembleias dos civitas ou ainda, cidadãos. Diferentemente da Ágora grega, o fórum era configurado por imponentes edifícios públicos que representavam a monumentalidade do Estado.  As discussões políticas aconteciam não nas praças abertas, mas no interior dos edifícios.

Origens


SIlvio Macedo: Acervo QUAPA

 

 
 
 “Reunir-se: fazer-se público de sua presença, exibir pompa, ver homens e mulheres bem-vestidos e bonitos, contar e ouvir as novidades, assistir a apresentações musicais, mostrar filhas na busca de maridos, homens finos admirando e fazendo corte a cortesãs. Os jogos sociais e sexuais – com a tácita concordância entre seus praticantes – o plaisir de la promenade, tinha uma palco magnífico nos jardins público.” Hugo Segawa.

Em seus estudos sobre praças contemporâneas, Macedo (2002) considera duas premissas básicas para conceituar tais espaços: uso e acessibilidade, conceituando-os  como espaços livres urbanos destinados ao lazer e ao convívio da população, acessíveis aos cidadãos e livres de veículos. Lembramos que os estudos foram elaborados a partir das praças nas cidades contemporâneas brasileiras. Ainda assim,  essa tipologia mantém o caráter de sociabilidade que é intrínseco às funções da praça descartando-se alguns logradouros públicos enquadrados como tal e que nada mais são do que canteiros centrais, rotatórias, restos de sistemas viários gramados não oferecendo condições mínimas adequadas ao exercício do lazer ou acessibilidade da população. Tal fato se deve à necessidade de muitos órgãos públicos municipais de ampliar quantitativamente o número dos seus espaços públicos e de lazer perante a comunidade.
Os primeiros espaços livres públicos urbanos surgiram no entorno das Igrejas. Ao seu redor, foram construídos os edifícios públicos, palacetes e comércio servindo como local de convivência coletiva da comunidade. Murilo Marx afirma que a praça deve a sua existência sobretudo aos adros das Igrejas, onde serviu como espaço para reunião de pessoas e para um conjunto de atividades diferentes, caracterizando-se de forma bastante típica e marcante. 

A forma urbana influenciou o traçado de nossos logradouros públicos. Se para a colonização espanhola, as ruas eram traçadas em cruz e na colonização inglesa, francesa, holandesa e belga, os traçados obedeciam a sistemas em xadrez, radiocêntricos e lineares, as cidades de colonização portuguesa cresceram de forma espontânea assumindo a modelagem do terreno e de maneira informal, quando não, à margem da lei.  


imagens de Bruxelas : Ssolbergj

 

 

Vista panorâmica sobre a Londres moderna,
vista da Golden Gallery da Saint Paul’s Cathedral: http://migre.me/nQbZ

Praças, Largos, Adros, Átrios e Pátios

A praça como a conhecemos hoje, sempre foi o local para reunião de gente e para o exerício da vida pública destacando em frente aos edifícios públicos, igrjeas ou conventos destacando-se na paisagem urbana.

 Os templos, seculares ou regulares, raramente eram sobrepujados em importância por qualquer outro edifício, nas freguesias ou nas maiores vilas. Congregavam os fiéis, e os seus adros reuniam em torno de si as casas, as vendas e quando não o paço da câmara. Largos, pátios, rocios e terreiros, ostentando o nome do santo que consagrava a igreja, garantiam uma área mais generosa à sua frente e um espaço mais condizente com o seu frontispício. Serviam ao acesso mais fácil dos membros da comunidade, à saída e ao retorno das procissões, à representação dos autos-da-fé. E, pelo seu destaque e proporção, atendiam também a atividades mundanas, como as de recreio, de mercado, de caráter político e militar. À linearidade, as ruas de interligação como as chamadas Direitas. À irregularidade, uma outra ordem que não a das vias ortogonais”. In: MARX, Murillo. Cidade Brasileira. São Paulo: Melhoramentos/Edusp, 1980, p. 54.

Sem idetinficação: Acervo QUAPASEL 2002

 

Silvio Soares Macedo: Acervo QUAPASEL 2002

 Praças secas européias

Praça de São Pedro em 1909: acervo http://migre.me/nvf0

praça seca (Acervo QUAPA, 2000)

Pátios ou ainda Átrios
O conceito dos pátios remete-se à necessidade humana e proteção do espaço exterior, desconhecido e hostil. Devido ao seu isolamento, proporciona aos seus habitantes, a impressão de domínio, pois o homem necessita de planos de paredes ou cercamentos para sentir-se seguro. Mesmo após longa evolução que alterou aspectos funcionais, o pátio permanece centralizado na edificação, delimitado por paredes e não coberto. A forma em planta não fixa, podendo apresentar-se circular, quadrado, oval ou retangular. A única certeza é que trata-se de espao delimitado pelos muros que o cercam. Várias são suas funções e por isso, apresentam mobiliários e formas distintas. Existem pátios de fábricas, de residências, de claustros, de escolas, de presídios, de conjuntos de casas.

Pátios de Cordoba: Dolores María Macías Naranjo

Na cidade, os pátios são espaços livres públicos definidos a partir de uma igreja ou outro elemento arquitetônico expressivo, além do casario antigo aos quais dá acesso, quase sempre pavimentados e exercendo a função de respiradouros, de propiciadores do encontro social e eventualmente destinados a atividades lúdicas temporárias.”
SÁ CARNEIRO, Ana Rita, MESQUITA, Liana de Barros (orgs.). Espaços livres do Recife. Recife: Prefeitura da Cidade do Recife/UFPE, 2000, p. 29.

Largos
“São espaços livres públicos definidos a partir de um equipamento geralmente comercial, com o fim de valorizar ou complementar alguma edificação como mercado público, podendo também ser destinados a atividades lúdicas temporárias.”
SÁ CARNEIRO, Ana Rita, MESQUITA, Liana de Barros (orgs.). Espaços livres do Recife. Recife: Prefeitura da Cidade do Recife/UFPE, 2000, p. 29.

Largo da MemóriaSP: Dornicke

Largo do Paissandú SP com Igreja Nossa Senhora do Rosário à direita:GFDL / CC-By-SA

Adros

Os adros são as áreas externas, cercadas ou não, de edificações religiosas que geram espaços contíguos bastante característicos. Tem caráter público e agregador social, dervindo ainda hoje para  a realização de procissões e festas religiosas, feiras e mercado livre ou ainda espaço de lazer da população.
 

Adro e Largo da Igreja no Antônio Dias: acervo http://migre.me/nv67

Igreja de São Pedro em Recife (acervo: uol)

Referências Bibliográficas
 
Gomes, Marcos Antônio Silvestre. De Largo a Jardim: praças públicas no Brasil – algumas aproximações.
Disponível em: http://migre.me/nP9H . Acesso: 12.03.2010 18:25:15
MACEDO, S. S.(Coord.).Introdução a um quadro do paisagismo no Brasil. São Paulo: Projeto Quapá, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 1998.
MARX, M. Cidade Brasileira. São Paulo: Melhoramentos: Editora da Universidadede São Paulo, 1980.
ROBBA, F; MACEDO, S. S. Praças Brasileiras. (public squares in Brazil). São Paulo: Edusp: Imprensa oficial do Estado. 2002, 312p.
SEGAWA, H. Ao amor do público: jardins no Brasil. São Paulo: Studio Nobel:Fapesp, 1996.

Fonte de referência: acervo QUAPA, QUAPASEL
Revistas Paisagem & Ambiente: ensaios (coleção QUAPASEL)
MACEDO, Silvio Soares e ROBBA, Fábio; Praças Brasileiras; São Paulo: Edusp, 2002, ISBN 85-314-0656-0
Para você aluno: vale à pena pesquisar nesses dois links pois eles contém mais de duas centenas de projetos de paisagismo distribuídos em todo o país.

http://winweb.redealuno.usp.br/quapa/
http://winweb.redealuno.usp.br/quapa/busca.asp            

Praças no Brasil: alguns conceitos preliminares (2)

No post anterior, vimos que a praça faz parte de um sistema de espaços livres urbanos ou seja, juntamente com cerca de uma centena de outras tipologias (que posteriormente serão descritas) dá, juntamente com os edifícios, forma à cidade e acolhe a vida pública em suas diversas manifestações.

silvio macedo: espaços públicos x espaços privados (acervo QUAPA)

 A ilustração acima apresenta diferentes tipos de composição de espaços livres a partir de sua relação com os elementos edificados. Dentro de lotes, seu uso passa a ser definido por sua forma e pela função do local; se residencial, os corredores laterais tendem a ser utilizado como circulação, cabendo às áreas frontais o uso para estacionamento ou jardins e para as áreas de fundo, usos adequados aos quintais domésticos. Ainda na mesma ilustração, o edifício em lâmina, tipico representante do movimento modernista, graças a sua implantação, viabiliza a existência de áreas ajardinadas com lugares de estar para o público.

Silvio Macedo: palacete isolado(acervo QUAPA2000)

acervo QUAPA 1999 (residencial Place des Voges SP)

Os conceitos advindos do movimento modernista influenciou e muito o desenho das cidades brasileiras no século XX especialmente após a década de 30.

Acervo QUAPA 2000 (autor desconhecido)

Brasília é um dos exemplos marcantes. A nova capital apresentava um plano diretor concebido pelo urbanista Lúcio Costa. Nele, os preceitos da cidade funcional e da carta de Atenas, materializavam-se criando espaços magníficos e inovadores para a época : eixos monumentais, grandes avenidas, super quadras, edifícios em lâminas, vida organizada a partir da separação das áreas residenciais, das de lazer e de trabalho, propondo uma cidade-jardim, na qual os edifícios se localizam em áreas verdes pouco densas em resposta ás cidades tradicionais e altamente adensadas.

O resultado pode ser visto na próxima foto aérea:

Brasília (Acervo QUAPA 2000)

Brasília (Acervo QUAPA 2000)

Por volta da década de 50 (século  XX) surgem os novos códigos urbanísticos e seus zoneamentos funcionais.  Trata-se de um instrumento urbanístico que estabelece um conjunto de normas e leis e que tem por objetivo regular o uso e a ocupação do solo urbano. É por meio dele que a cidade toma forma ao estabelecer, por exemlo, o conjutno de recuos, taxas de ocupação e coeficientes de aproveitamento de cada área da cidade. O zonemaneto tranforma-se em referência morfológica para zonas as novas áreas urbanizadas do país.

Zoneamento em São Paulo (década de 70) Silvio Macedo doutorado FAUUSP

São Paulo (Acervo QUAPASEL

São Paulo: avenida Paulista (Acervo QUAPASEL 2004)

De forma bastante genérica, mostramos que a legislação urbana, ao organizar o uso e a ocupação do solo, gera padrões morfológicos que dão forma às cidades e viabilizam a vida pública nos diversos espaços livres dela resultantes. Com isso, as praças podem ser consideradas com partes integrantes de um sistema de espaços livres públicos ou em alguns casos privados, como praças em áreas corporativas, ou centros comerciais (shoppings centres) .

Praça Vitor Civita (http://migre.me/kTO1)

Em tempo: esse post foi construído a 6 mãos: minhas, do Roberto Sakamoto e da Ana Cecília de Arruda Campos.

Fonte de referência: acervo QUAPA, QUAPASEL
Revistas Paisagem & Ambiente: ensaios (coleção QUAPASEL)
Para você aluno: vale à pena pesquisar nesses dois links pois eles contém mais de duas centenas de projetos de paisagismo distribuídos em todo o país.

http://winweb.redealuno.usp.br/quapa/
http://winweb.redealuno.usp.br/quapa/busca.asp            

Praças no Brasil: alguns conceitos preliminares

Introdução

Em nossa última aula, falamos de forma bastante rápida e abrangente sobre o processo de construção dos espaços livres públicos brasileiros. Em especial, sobre praças.

Esse post será elaborado a partir da livre interpretação de textos, discussões e artigos desenvolvidos desde 1994 pelos pesquisadores  liderados pelo Prof. Dr. Silvio Soares Macedo responsável pelo grupo QUAPA- Quadro do Paisagismo no Brasil. Nossas reuniões são realizadas no Laboratório Paisagem e Ambiente que está situado na FAUUSP – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (5511 30914687).

Em seu livro Praças Brasileiras, o professor Silvio afirma que juntamente com a rua, as praças constituem duas das tipologias de espaços livres urbanos mais importantes na história das cidades brasileiras pois desempenham um papel importantíssimo para o desenvolvimento das relações sociais da população e para a construção da esfera de vida pública.

praça em Palmas (To): Acervo QUAPA

flickr

Podemos afirmar que a praça é um espaço que permite inúmeros usos. Espaços de convergência de vários arruamentos e circulações de pedestres, sua forma deveria em princípio, ser constituída pelo conjunto de edificações que encontram-se ao seu redor. Dos antigos terreiros situados em frente às Igrejas aos contemporâneos logradouros repletos de equipamentos esportivos que lembram academias de ginástica a céu aberto, podemos constatar que esses espaços livres assumem inúmeras formas, desenhos, linguagens e equipamentos que permitem à população vivenciar o ócio, o flanar, o livre comerciar, a troca de idéias ou ainda a manifestação politica por meio de passeatas entre outros.

Sistema de Espaços Livres

A estrutura espacial da cidade é composta por duas categorias de sub-espaços: os espaços edificados e os espaços livres de edificação. 

Os espaços livres de edificação podem ser divididos em diferentes tipos, tais como: as ruas, os quintais, os pátios, as calçadas, os terrenos, os parques e as praças, além de outros tantos por onde as pessoas fluem no seu dia-a-dia. Resumindo: espaço livre não pode ser confundido com área verde, com jardins por exemplo.Em outro post, serão descritos mais de 50 tipologias espaciais identificadas ao longo dos últimos anos de pesquisa do grupo.

sem identificação: acervo QUAPASEL 2008

O espaço livre de edificação pode ser ‘verde’ (com vegetação), pode ser árido, pode ser alagado portanto azul, pode ser marrom ser for num rio, cinza se for o estacionamento externo a um shopping e assim por diante.

A praça é parte integrante de um conjunto de tipologias urbanas que compõem o Sistema de Espaços Livres brasileiros. Entendemos por espaços livres, todo aquele espaço que que não é edificado (definição de Miranda Magnoli) e portanto não é contido em uma edificação.

As ilustrações a seguir mostram a imensa quantidade de área livre contida no interior dos lotes urbanos e nas áreas externas à eles independentemente de sua localização mostrando um grande potencial de uso quer público, quer privado.

Barra da Tijuca: Rio de Janeiro (acervo QUAPA)

Pirituba: São Paulo (acervo QUAPA)

Alphaville: São Paulo (acervo: QUAPA)

máscara de espaços livres - Acervo QUAPA 2002

Nessa imagem, você poderá observar que a forma urbana é bastante diversificada em sua composição. Nela aparecem três cores: o marrom que deve ser lido como espaço edificado (prédios), o espaço amarelo + verde que são livres de edificação, sendo uma delas predominantemente vegetada. Se juntássemos toda a cor marrom que representa as edificações, certamente teríamos apenas 40% da área ocupada sendo o restante, espaço livre que encontra-se divido em duas outras categorias: espaço livre público e espaço livre privado.

Em tempo: esse post foi construído a 6 mãos: minhas, do Roberto Sakamoto e da Ana Cecília de Arruda Campos.

Fonte de referência: acervo QUAPA, QUAPASEL
Macedo, Silvio Soares. Robba, Fábio. Praças Brasileiras. São Paulo: EDUSP, 2002. (Coleção QUAPA – esgotado)
Para você aluno: vale à pena pesquisar nesses dois links pois eles contém mais de duas centenas de projetos de paisagismo distribuídos em todo o país.

http://winweb.redealuno.usp.br/quapa/
http://winweb.redealuno.usp.br/quapa/busca.asp