The open spaces system as a structural element of urban form: proposal for a new point of view

The open spaces system as a structural element of urban form: proposal for a new point of view

Sílvio Soares Macedo. E-mail: ssmduck@usp.br. Prof. Tit. at FAUUSP, CNPq scholarship.

Eugenio  Fernandes  Queiroga. E-mail:  queiroga@usp.br.  Prof. Dr.  at  FAUUSP  e  CNPq scholarship.

Jonathas Magalhães Pereira da Silva. E-mail: jonathas@mpsassociados.com.br Prof. Dr. at FAU and POSURB-PUC-Campinas

Ana Cecília de Arruda Campos. E-mail: anacecilia@arrudacampos.com, LAB-QUAPÁ researcher at FAUUSP.

Rogério Akamine. E-mail: akamine224@gmail.com. Prof. Dr. UNINOVE e USJT, LAB-QUAPÁ researcher at FAUUSP.

Fany Galender. E-mail: fgalender@uol.com.br. Prefeitura Municipal de São Paulo, LAB-QUAPÁ researcher at FAUUSP.

Helena Degreas. E-mail: hdegreas@uol.com.br.  Profa. Dra. FIAMFAAM, LAB-QUAPÁ researcher at FAUUSP.

Fábio Mariz Gonçalves. E-mail: fabiomgoncalves@uol.com.br. Prof. Dr. at FAUUSP.

Vanderli Custódio. E-mail: vanderli@usp.br. Profa. Dra. at Inst. de Estudos Brasileiros (Área Temática de Geografia) – IEB-USP.

Morphology studies cannot consider urban form without taking into account buildings and open spaces. These two elements are closely connected to physical support and pre-existing environmental dynamics. Therefore we see no sense in breaking them in any studies related to the urban form. This article begins to look at the city and its forms under  a rarely used way. The open space becomes the protagonist of the analysis. This approach considers both publicly and privately owned spaces. It evaluate the role of different types of retreats that shape backyards, enclosed yards, parking lots, parks and plazas, etc.. and through which passes part of everyday city life. Despite the natural connection links with others societies in the world like: similar neighborhoods and architectural forms, global urban habits, Brazilian cities hold a peculiar form coming from the specific process of parceling land, urban legislation, cultural habits and formal and informal actions that resulted as the contemporaneous Brazilian urban landscape. After five years of study, carried out by a national network of researchers, coordinated by LAB-QUAPA[1] – at the São Paulo University, it was possible to build a comprehensive overview of the characteristics, opportunities and constraints of the Brazilian cities open space systems. The presentation discusses the relationship between the open space systems and the urban form, checking the points in common: their process of constitution, the existing social and environmental conflicts, and their morphological structure and appropriation types of open spaces.

Keywords: stakeholders, open spaces system, urban form

Introduction

This text is a result of a search that works with the concepts: space by reference to the Brazilian geographer Milton Santos, open space worked by the Brazilian architect and urban planner Miranda Magnoli, the public sphere derived from the political theory of Habermas(1989) and Hannah Arendt (1991) and notions of complexity and system proposed by the philosopher Edgar Morin (2008).

The research was developed through a national network known as QUAPÁ-SEL Network – Frame of Landscaping in Brazil / Open Space System – which currently has researchers from 17 Brazilian universities.

Networking aimed to build a theoretical-conceptual and methodological framework of the open space systems and the constitution of the public sphere in Brazil, through exchange and knowledge from the sum of specificity, methods and suggestions from each investigation that integrated the research.

 

Objectives

The survey was designed and developed to deepen discussions on the existing open spaces in cities. We tried to check them as representatives of a condition of urban cultural life and to examine how Government acts towards them.

It aimed to build a referential interpretation of the Brazilian urban contemporaneity linking open spaces and public life evaluating and dimensioning the initiatives of institutions, enterprises and populations (plans, projects and management), in order to qualify public spaces.

The study also sought to understand the recent structure of open space systems in significant Brazilian urban formations, be they metropolitan, megalopolitan and responsible for diffuse urbanization. Aimed at critical review of thought and values dominant models ​​that guide the planning of open space systems, the implementation of its elements and the recent trends related to real estate. To do so it  was necessary to understand the interdependence and complementarity between public and private spaces.

The assessment of ecological potentials of the open spaces systems to conserve and regenerate urban natural resources was also needed to understand the contribution of different open spaces system for the constitution of contemporary public life environments in various Brazilian urban realities.

Finally, we tried to create theoretical and methodological bases for the elaboration of general principles for public policies, plans and deployments of open spaces, more attentive to the heterogeneity of the Brazilian urban reality and to environmental protection and urban ecology.

 

Working Standards

The working standards indicate the scope and limits for the development of the research. To reach the stated objectives it was necessary to establish weekly meetings with the researchers, perform field research, organize semi-annual series of lectures with professionals in the private and public sectors, develop an agenda  for workshops in all participating cities involved with the university, identify representatives from the local public and society, organize annual conferences involving national network of researchers and systematize photographic documentation and mapping carried out during the research.

With the collected material it was possible to develop graphical analysis of maps and aerial photos in addition to urban and environmental legislation resulting on the production of specific texts.

Follows the adopted concept for the open space system as well as the results achieved so far.

Open Spaces System Concept

The open spaces system is understood as the set of all existing urban open spaces, regardless of their size, aesthetic, attributes, function or location. We consider every open space, public or private.

1

The idea of system is constituted by full functional binding, since only public spaces are physically connected to each other, especially considering the road system. The drawings emphasize the buildings while the open spaces are considered as their negatives.

The land ownership structure affects the construction of the city and therefore of its public and private spaces. It also interferes in the form of these appropriations. So there are two categories of open spaces in terms of land ownership: the public and private.

The urban public open spaces are almost always linked together via the integrated network of pathways in which streets, avenues and alleys are physically connected and allow, in theory, the user access to both buildings and open spaces linked to them, but also for other public spaces such as squares, parks, etc.. Because of this integrative role, and considering the fact that much of everyday urban life occur in the set of routes, they can be considered as the most important public spaces of any city.

Public open spaces are unrestricted to all those within public ownership, with different degrees of accessibility and appropriation. In Brazil, using the property definitions established by the Civil Code, three types of public open spaces can be identified:

  • “Bens dominicais” – Dominicais – are public spaces suitable for transfer of ownership
  • “Bens de uso especial” – Special use – targeted to specific activities (school or a prison open spaces, for example).
  • “Bens de uso comum do povo” – Public use – spaces for public use (street, square, city park, the beach, etc.)

The public open spaces are a subsystem within the open spaces system. As stated in previous paragraphs, the main space is the street, a fundamental connection in the city, where important daily activities of urban society occur. Other types of spaces such as parks, plazas, promenades, boardwalks, urban forests, nature reserves, caves, informal soccer fields, lakes, beaches, etc.. complete this system.

The private open spaces are those embedded within particular areas with access not available or with special permissions granted for partial areas.

Such spaces form a subsystem inserted into the urban open space systems. Gardens, yards, parking lots, loading and unloading yards, private forest reserves, private soccer fields, business parks, etc.. part of this system, unlike the public spaces, only rarely are physically connected to each other, and are extremely fragmented and spread throughout the urban tissue. They are frequently isolated by walls and fences, usually inaccessible, trapped in the middle of city blocks, separated from the street by  building blocks.

The contribution of this subsystem to urban environmental demands varies but it is essential to confront the issues of drainage and slope stabilization due to the shortage of public spaces in the Brazilian cities.

They add up to the majority of private spaces as courtyards, corridors, between the existing buildings and crucial to the daily life of the population.

Sílvio Macedo, 2005

It is on these spaces that happen every day some of the recreational activities and domestic services such as washing and drying clothes, children’s games, the cultivation of plants, car parking, car washing, etc.. These activities are therefore complementary to the life that occurs inside the buildings.

We observed densely built lots and a high degree of land-sealing with excessive pavement of open spaces. For everyday conveniences, both owners and renters do not hesitate to reduce the existing open space on the lot. This behavior is independent of the use. It could be observed in residential, business, commercial or industrial uses. The private open space is handled as if it were only reserve for the future expansion of the building.

 

The landscape and the open spaces system

Landscape is understood here as the morphological expression of the transformation of physical space by the social and environmental changes within a given space-time.

The Brazilian city does not have a standard form and this fact can be determined primarily by the shape of the urban patches and for the insertion in these physical support that induce different landscapes.

Is defined as urban patches the built area contained within the perimeter of an urban sprawol, independent of the size and the extent of urbanization: village, city or metropolis.

Cities according to their urban patches can be presented in four different ways, namely:

I – linear – found within valleys embedded in middle of hills and high declivity slopes, sea and river borders and even along roadsides.

II – tentacular – structured by a compact core which irradiating arms of urbanization along street or water lines.

III – mixed – the most common type.

IV – compact – Elder cities, which originated from any of the three previously indicated ways, whitch growth will take a compact and continue form.

These denominations are mere references towards a more detailed classification in accordance with the open spaces systems and the whole of the urban sprawl.. They are:

I – Open spaces system within a compact urban spread, as in the cases of São Paulo and Belo Horizonte.

II – open spaces system within a fragmented and discontinued urban area, spread over two or more units, as in the case of metropolitan Campinas.

III – open spaces system within an urban area fully or partially discontinued by large scale natural elements, as the case of Rio de Janeiro and the Florianópolis insular territory.

IV – Open spaces system within a discontinuous urban area totally or partially fragmented by scattered natural elements, such as in Manaus and Palmas.

In the case of natural structures discontinuity, it results from the presence of various physical support elements such, estuaries, ponds and dunes or from woods or forests spreads.

Many of those formats may last as a result of growth impediments due to grades and water ways, even those modified by fast urban sprawl through areas with modest physical support elements, due to population growth and economic activities

Large metropolitan areas faced physical barriers to grow, like São Paulo dealing with the flooding of large areas along its river beds, or Rio de Janeiro, by means of landfills on the ocean shores, swamps and mangroves, altering its urban spread altered by technology, regardless of its physical support limitations

Each urban configuration presents a set of tissues and a specific open spaces system, with similar characteristics due to origins and cultural, urban, landscape and economic patterns. Previously mentioned images indicate systems components, with diverse urban tissues indicated as a blotch within a mesh of streets and traversed by green spots indicating parks and squares and blue strips for river basins.

Obviously, such schematic indications are simplistic, but provide available structural indicatives for a specific urban sprawl.

City boundaries format and its area are directly linked to access permeability of citizens to contiguous non urbanized spaces. It is easier to reach on foot open fields, wooded areas and neighboring hills in Santa Maria on Rio Grande do Sul due to its linear and narrow configuration than for a citizen of São Paulo, wide and compact, requiring several hours to do it.

Presented below are the maps resulting from the research of open spaces on target communities.

São Paulo-SP

Open Space Systems for the municipality of Rio de Janeiro and São Paulo

Sea coast linear cities, with compact urban areas, equally allow for easiness of access to the beaches for its inhabitants, such as in Vila Velha (ES) and Praia Grande (SP). In the case of Rio de Janeiro, also linear in configuration, the Tijuca range of hills hampers easy access from inland to the beaches, requiring tunnels and freeways to conquer those barriers.

Aerial view of Vila Velha, Espírito Santo. Photo: Silvio Macedo, 2007

 

Systems modes

Every Brazilian city has an open space system, resulting from the growth of the urban nucleus. Usually open spaces result from local land parceling practices resulting in street webs and public spaces, rulling out the possibility to define a priori, when and where open spaces for parks and plazas should be planned for, increasing the prevailing dependence on market variables to do so.

Standards for the constitution of open spaces, streets, avenues, parks and plazas, are rare. That leads to a non-egalitarian distribution of future public open spaces, totally dependents on future decisions on land parceling and destination of public spaces.

Only under fully planned urban situations, together with rigid control over implementation practices, either under government or private rule, it is reasonable to expect an equitable distribution of proposed types of open spaces. This has been the case for Palmas, Maringá, Brasília and Boa Vista. Nonetheless this appropriate distribution does not allow for articulation and complementarity between open spaces, as a quality system requires.

Under contemporary Brazilian urban practices, large private enterprises assume the role of providing for open spaces systems usually adequately qualified, but as a common fact, introduce highly controlled low accessibility, weakening and even hampering general and public use. Such enterprises are coming to life not only on capitals and big metropolitan areas, but also in midsize cities such as: São Carlos, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, São José dos Campos and Londrina, between other examples.

Open Space Systems for the municipality of  Ribeirão Preto, SP.

There is a growing market dependence on the constitution of open spaces systems, especially for the high classes. More and more condominiums and fenced parceled land are offered on the second decade of this century, intra or peri urban enterprises for vast urban areas, offered and sold as “green, quiet and safe”. On an informal and illegal format their restrict use and access inhibit the production of true public spaces.

As a result closed condominiums allow for an urban and social status symbol and the disavowal of public life spheres for contemporary cities on the beginning of this century. Enterprises keyed on higher classes include some adequate green coverage, treated gardens, ponds and equipments like pet shops, golf courses, spas and even churches and markets.

The remainder of the system is filled by private property of intra parcel and intra block spaces for private or collective restrict access, that are really significant parts of the open spaces for each city, and we can affirm that private action on the production of open spaces in Brazil is vast and includes all social classes, leading to the creation and management of their own open spaces individually and disconnected from the remaining urban tissue.

Belo Horizonte                                                                       Belo Horizonte

Open Space System                                                             Income

Open Space System and distribution of income for the city of Belo Horizonte. Source: Income Map was prepared by Prof. Dr Manoel Lemes da Silva Neto the other map were drawn by the research team SEL-Quapa

Thus, the formation of each system is dependent on the mode of urban space production and follows three basic formats:

  1. Formal or forecasted – rare, it is the case of planned cities, with Brasília and its satellite townships as the complete and most emblematic example; historic nucleus of railway era cities of the State of São Paulo, coffee era cities on the north of Paraná State, Palmas, Goiânia, Belo Horizonte old Downtown area, etc.

 

Open Space Systems for the municipality of Palmas, TO.

  1. Informal – the most usual comes to life as the urban tissue constitution, resulting from social actions of diverse urban space, public or private entrepreneurs. It deals with proposing urban schemes by adding new streets grids and land parceling, with public financing of street implementations and construction of other open spaces as, squares and pedestrian walkways. The grid is promoted by private initiative, state regulated or not as in the “invasions” of public land by favelas and clandestine land parceling.

Silvio Macedo, 2006

  1. Parcial –   in a distinct way from the usual informal processes, answering to a specific demand of an urban segment, such as in Barra da Tijuca in Rio de Janeiro, Riviera de São Lourenço in Bertioga (SP), of Pedra Branca condominium at Great Florianópolis, etc.

Open Space Systems for the municipality of Rio de Janeiro – RJ.

Aiming at the urban as a whole, resulting from an Urban Plan or open areas plan, that is, on top of a consolidated urban network, studies are made on open spaces demand, a plan is prepared and from that position action are proposed to increment the system. That is the case of the city of Campo Grande, by means of a 1980 plan identified and preserved areas for a linear parks system executed 20 years later, on the first decade of the XXI century.

27

Open Space Systems for the municipality of CampoGrande – MS.

The qualitative increments of open spaces systems has been a reality for the first decade of the XXI century, expressed by the following points within the public sector:

  • Highlighting environmental issues on urban plans,      promoting a variety of open spaces dimensions, linked to the preservation      of natural resources. From those principles are created a number of      diverse linear parks, and preservastion and conservation areas.
  • Instituting urban environmental protection áreas      (APPs) as a sure fact. From the end of the XX th century the rules for the      implementation of rural APPs are validated for the urban environment,      inducing the recuperation of waterways, eliminating irregular occupation and      the return of vegetal border protections.
  • on amplifying actions on natural resources      conservation, like mangroves and urban forests, specially after the issuin      of 1988 Federal Constitution. Until them such actions were rare and      punctual and gear up for improvement since them. Considering the mentioned      facts under this item and the one before it, we have:
    • from 1990 on APPs and Conservation Units (UCs)       increase in numbers under various formats and sizes;
    • open spaces on a private       setting are upgraded in status under urban codes, on part of the       communities, with the resulting increase in demands to realize their       erxistence. Zoning legislation becomes an induction force on the creation       of private open sapces, specially os closed parcelments, as well as in       large scale horizontal and vertical condominiuns;
  • on setting up and maintenance of the integity      of conservation áreas and leasure systems, in order to protect hidric      networks;
  • on sizeble public investments for the      recuperation of áreas destined to house parks and environment protection,      invaded by low income population, specially those by the river      borderlines;
  • on various urban forestation projects and      programs, that nonetheless do not contribute in a more effective way with      the spatial and environmental constitution of spaces such parks and      squares and are limited by difficulties on finding adequate places for      tree planting on public spaces;
  • on the assumption that parks and squares have      become the most common public open spaces in Brazil, due to the growing      production of new parks, linear parks and treated seaside walkways or the      consolidation of a sport square as a standard for the investment in such      neighborhoods;
  • On seaside communities, beaches and seaside      lanes that might be attractive to domestic or foreign turism, receive makeover      efforts, bikeways and equipments for sports and gymnastics.

Side by side with all that, public spaces demand increases despite the existing “fear” syndrome. Urban space use conflicts abound on contemporary cities, highlighting dangerous areas and the exposure to physical violence and robbery on squares and beaches, but do not hinder the continuous increase in use of public spaces under new modes such as walking and skating, including in the poorest of the areas.

It is also noticeable the open spaces systems quality increase on the same period, considering the private sector production:

  • on the continuous increased presence of the      private significant actions on the production of urban open spaces in      Brazil involving every social substract, creating and managing their own      open spaces with a selfish approach and disconnected of the existing urban      network;
  • a large amount of open air activities occur      behind walls and it is very strong the presence of gyms, clubs and      shopping centers on dayly leasure;
  • decrease on intrapoperty open spaces;
  • On the introduction of low density, vertical      áreas, equiped with large áreas ocupied by colective leasure equipments;

Final Considerations

After 5 years of research it is possible to identify the theorethical-conceptual progress on the subject, primarily on the relationship between open space systems and the contemporary public environment. The research allowed for the stablishment of urban open spaces systems evaluation principles  together with the creation of criteria to propose rules and regulations on the open spaces systems qualification.

It is proper to pay attention to the fact that all procedures mentioned before were added to new others, perceived and processed by the national research network. The researchers commitement resulted in thesis, dissertations and involved a number of graduate students under scientific initiation programs;

Workshops as well as annual encounters of the research network, its researchers and public agents, promoted and allowed for the preparation of reference texts for the whole group and the overall Brazilian scientific community.

As a concrete result it was developed an evaluation process and a set of thematic maps on the subject of open spaces systems for the 25 cities included on the research. Concepts and methods were developed with and around the collective work incorporating regional nuances and dealing with cultural differences.

After the annalysis of brazilian cities we think that in order to reach urban spatial quality it is necessary the presence of generous urban open spaces, that is, beyond quantitative aspects, it is necessary that they be diversified, with good projects, answering to the variety of social demands as far as tree coverings, equipments and maintenance procedures. It has been identified that the public environment development is in need of easily accessible open spaces.

The research also considers that open spaces are essential to overcome the major environmental problems facing Brazilian cities and, simultaneously, open spaces are fundamental basis for the building up of a truly just and democratic society.

References

ARENDT, Hannah. A condição humana (1958). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991.

HABERMAS, Jürgen. The theory of communicative action (1981). Boston: Beacon Press, 1989.

LEFEBVRE, Henri. La Production de L’espace. Paris: Éditions Antrhropos, 1974.

MACEDO, Sílvio; CUSTÓDIO, Vanderli; QUEIROGA, Eugenio; ROBBA, Fábio; GALENDER, Fany; DEGREAS, Helena; SILVA, Jonathas M. P. da. Os sistemas de espaços livres da cidade contemporânea brasileira e a esfera de vida pública – considerações preliminares. In: ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA, XII, 2009,  Montevidéu. Anais do XII EGAL, Montevidéu: Universidad de la República, 2009. Espaço de Diálogos.

MACEDO, QUEIROGA, CAMPOS, et al. Considerações preliminares sobre o sistema de espaços livres e a constituição da esfera pública contemporânea no Brasil. In: TÂNGARI V.R., ANDRADE R. de., SCHLEE M.B. (Orgs.). Sistemas de espaços livres:  cotidiano, apropriações e ausências. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009. p. 60-83.

MAGNOLI, Miranda M. E. M. Espaços livres e urbanização: uma introdução a aspectos da paisagem metropolitana. São Paulo: USP,1982. Tese (Livre-docência) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

MAGNOLI, Demétrio. O Protocolo de Kyoto e terceira etapa da “ecodiplomacia.” Revista Pangea Mundo: Quinzenário de Política, Economia e Cultura. Seção: Relações Internacionais, ago. 2001. Disponível em: <http://www.clubemundo.com.br/ revistapangea/show_news.asp?n=56&ed=1> Acesso em: 7 ago. 2007.

MORIN, E. O método 1: a natureza da natureza. Porto Alegre: Sulina, 2008.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova: da crítica da Geografia a uma Geografia Crítica. São Paulo: Hucitec, 1978.

_____. Espaço e método. São Paulo: Nobel, 1985.

_____. O espaço do cidadão. São Paulo: Nobel, 1987.

_____. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

_____. A natureza do espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo:

Hucitec, 1996.


[1] The Design Department Laboratory of the Architecture and Urban Planning Faculty, covers issues related to landscaping, as open spaces and landscape studies.

Representações gráficas para paisagismo: algumas sugestões

Nesta semana, vocês desenvolveram planos de massa utilizando oelementos vegetais na comosição de espaços livres – ou ainda, como vocês carinhosamente chamas, as maquetes de algodão. O próximo post será dedicado apenas a elas, ok:

Na aula passada, pedimos a vocês que representassem o que estavam vendo nas maquetes na forma de plantas (com legendas), cortes, elevações e croquis. Como sugestão, pedimos que vocês encontrem os trabalhos que fizeram nas disciplinas de Desenho Técnico com a Profª Alessandra, lembram-se dela? Pois é. A hora é agora. Apliquem nos desenhos.

Outras sugestões de desenho encontram-se aqui, no conjunto de slides que as professoras Kátia Lulli e Fabíola Bernardes prepararam para vocês.

Em tempo: as ilustrações foram retiradas destes três livros (que estão na bilbioteca), a saber:

ABBUD, Benedito. Criando Paisagens. São Paulo: Senac, 2006. MASCARÓ, Juan Luis. Loteamentos Urbanos. Porto Alegre: Editora Masquatro, 2005. REID, Grant W. Landscape graphics. New York, Whitney Library of Design, 1987.

Deixo aqui também uma aula em ppp realizada pelo Prof. Dr. Silvio Soares Macedo (FAUUSP – Quadro do Paisagismo no Brasil) que  fala sobre a importância das formas de representação das idéias para as discipçinas de paisagismo.

Oficinas de Trabalho como instrumento de pesquisa e aprendizado

MACEDO, S. S. ; GALENDER, F. ; DEGREAS, H. ; COSSIA, D. ; CAMPOS, A. c. de A. ; AKAMINE, R. . Oficinas de Trabalho como instrumento de pesquisa e aprendizado. In: ENEPEA, 2008, Curitiba – PR. ENEPEA 2008.

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo
QUAPÁ SEL – Núcleo São Paulo
Rua do Lago, 876.
São Paulo SP
CEP 05508-080
Endereço eletrônico:
quapaselsp@gmail.com

Resumo

O presente texto procura apresentar a oficinas realizadas pela pesquisa “O Sistema de Espaços Livres e a Constituição da Esfera Pública Contemporânea no Brasil”, ora em andamento no Laboratório da Paisagem / Projeto Quadro do Paisagismo no Brasil, da FAUUSP, com apoio da FAPESP.

Aborda-se este processo de trabalho e as reflexões iniciais sobre a sua contribuição para a pesquisa, tendo como base seis oficinas já realizadas a partir de 2007.

Abstract

The present paper intends to present the workshops that have been held by the research “The system of open spaces and the constitution of the contemporary public life in Brazil”, which has been carried out in the Laboratório da Paisagem  / Quadro do Paisagismo no Brasil – FAUUSP and supported by FAPESP.

It is about the work process and the initial reflections on their contributions for the research, regarding six workshops that have been already done since 2007.

A opção por realização de oficinas nas diferentes cidades envolvidas na rede de pesquisa “O Sistema de Espaços Livres e a Constituição da Esfera Pública Contemporânea no Brasil” parte do envolvimento de parceiros na área acadêmica na revisão de fundamentos e premissas voltados para a conceituação do sistema de espaços livres de cada cidade pesquisada, com vistas à formação de uma base de conhecimento da realidade brasileira, analisando seu processo de formação, sua diversidade e semelhanças.

Partindo da adaptação da expressão inglesa workshop, caracterizamos tais eventos pela realização de atividades de caráter intensivo, compartilhando experiências concretas, que vem permitindo a reflexão sobre as diferentes hipóteses e pressupostos contidos nos objetivos da pesquisa. A primeira oficina foi realizada na cidade paulista de Sorocaba, em outubro de 2007, já tendo sido realizadas outras em Maceió, Vitória, Campinas, Belo Horizonte e Curitiba.

O formato estabelecido tem sua origem na experiência do Prof. Silvio Soares Macedo no Projeto Orla, elaborado a partir de solicitação do Ministério do Meio Ambiente em 2002. Como assessor deste órgão, ele propôs a realização de discussões com agentes locais que, por conhecerem as características particulares de cada localidade, muitas vezes, empiricamente, a partir de uma vivência cotidiana, puderam fornecer subsídios para um diagnóstico-síntese de cada realidade.

Também a prática de “charretes”, definida como uma atividade didática voltada para a imersão projetual, visando a elaboração de respostas para um dado problema em um curto espaço de tempo, foi um elemento inspirador para o segundo dia de atividades. As “charretes” têm sido bastante aplicadas como método de trabalho em diversas escolas de arquitetura de outros países, já sendo, inclusive, adotada como processo de ensino, sobretudo no Programa de Pós-graduação da FAUUSP. 

No primeiro dia, conta-se a participação dos agentes envolvidos na definição, implantação e gestão dos espaços livres urbanos, tanto no âmbito público como privado. Secretárias estaduais e municipais, órgãos federais, empresas de grande porte com significativa participação no desenvolvimento da cidade, companhias de água e saneamento, empresas ligadas ao mercado imobiliário e de turismo, população organizada (ONGs, Associações de Moradores, etc) são protagonistas, juntamente com a Universidade na participação das apresentações realizadas no primeiro dia das oficinas e nas discussões e proposições do dia posterior. A riqueza desta troca de informações, posturas e intenções, que se encontra fragmentada em seus locais de origem, tem-se mostrado bastante eficaz, uma vez que estas se revelam e são partilhadas pelo grupo em sua totalidade.

A oficina permite a caracterização do espaço livre urbano daquele município e/ou região metropolitana, partindo da discussão sobre as bases da constituição do sistema de espaços livres identificado, as suas especificidades e particularidades, seus critérios de distribuição e sua articulação com o tecido urbano, face às tendências do crescimento urbano, às características do suporte físico e à natureza do vínculo que estabelece com o usuário.

A dinâmica envolve, além da exposição de conhecimentos específicos, a análise e o diagnóstico preliminar, advindo desta caracterização elaborada por atores com atuação efetiva naquela situação, contribuindo na identificação de conflitos e potencialidades que o contexto apresenta.

Paralelamente ao processo de realização das oficinas, iniciam-se os estudos sobre o papel da legislação local na constituição dos espaços livres urbanos públicos e privados, a revisão acerca da nomenclatura própria da área utilizada por técnicos, estudiosos e legisladores, sobretudo no âmbito público, provocando conflitos no entendimento mais aprofundado da questão dos espaços livres na constituição da paisagem urbana.

Três relatos são apresentados logo após a redação das Conclusões, de modo a apresentar nossa sistemática de trabalho. Foram selecionadas as oficinas de Maceió, Vitória e Belo Horizonte, devido à suas particularidades regionais; suas dinâmicas específicas, oriundas das características dos participantes e sua evolução urbana.

Conclusões

O numero de oficinas realizadas já nos permite iniciar a reflexão para o desenvolvimento de uma metodologia de avaliação da lógica dos diferentes sistemas de espaços livres urbanos, identificando pontos comuns e pontos específicos de cada situação urbana. Tal trabalho, ora em andamento pela equipe de Coordenação Nacional, é também acompanhado pelo trabalho de simulação gráfica da legislação específica dos municípios selecionados e pela elaboração de mapas de verticalização x espaços livres, sistema viário, uso e ocupação do solo, confronto com dados censitários das áreas em estudo, entre outros.

Como aspectos positivos, identificamos:

– a observância em planos diretores de princípios ambientalistas que influenciam a geração de espaços livres de portes diversos, associados a conservação de recursos naturais.

– a instituição das áreas de proteção ambiental urbanas como um fato ser concretizado

– o aumento das ações que envolvem a conservação de recursos ambientais, como manguezais e florestas urbanas.

–  produção crescente de novos parques e orlas tratadas.

– a constituição de uma série de parques lineares.

– a consolidação da praça esportiva.

–  proteção efetiva de áreas de várzea e  corpos d’água.

– a efetivação da ciclovia como um canal de transito, mas também como um espaço de recreação da população.

– a criação dos primeiros sistemas integrados de parques.

– investimentos públicos de porte para a recuperação de áreas reservadas para a construção de parques e invadidas pela população, em especial aquelas situadas as margens de rios.

– valorização crescente nos códigos de ao menos parte das cidades do papel do espaço livre no âmbito privado, com o conseqüente aumento de prescrições para concretizar sua existência.

Apesar de esses itens todos refletirem um aumento da importância dada pelo Poder Público aos espaços livres, ainda são muitos os fatores que impedem o atendimento das demandas urbanas para tal tipo de espaços.

A título de constatação geral inicial podemos afirmar que as variações que sofrem as estruturas administrativas locais no que tange à produção e gestão dos espaços livres urbanos na cidade brasileira, é evidente a sobreposição de ações no que se refere à sua implantação, desenho e manutenção, além, da descontinuidade em sua linha de planejamento, dada a constante interrupção das atividades e os redirecionamentos políticos, nem sempre tecnicamente bem amparados.

Constatamos ainda:

– falta crônica de recursos para a implementação de novos logradouros.

– falta de recursos e equipes de manutenção e gestão.

– dispersão de responsabilidades, recursos e ações entre departamentos e secretarias municipais responsáveis pela produção e gestão de espaços livres públicos.

– políticas equivocadas a respeito, que de fato não atendem as demandas do todo da população.

– despreparo de equipes técnicas tanto para o planejamento, como para o projeto de espaços públicos. Existe de fato uma confusão de prioridades para o atendimento das demandas, que em grande parte dependem de oportunidades e programas políticos para sua implementação.

– ausência real de entendimento técnico e político de se tratar os espaços livres públicos em especial aqueles dedicados a conservação e recreação como partes de um sistema e o seu alto interesse por parte da população.

Concomitantemente à realização de novas oficinas, estamos iniciando a etapa de balanço das já realizadas em parceria com as equipes locais que, após cada evento, passam a se articular efetivamente como um núcleo local, dando prosseguimento ao trabalho proposto. Ainda percebemos a necessidade de estreitamento destes vínculos, por meio da criação de instrumentos que dêem continuidade ao processo iniciado, produzindo desdobramentos concretos, com a troca de produtos entre a pesquisa de âmbito local e a de escala nacional.

Os resultados das oficinas são heterogêneos, em parte devido às dificuldades locais de envolvimento dos parceiros, infra-estrutura de apoio das instituições de ensino, dificuldades internas de formação dos núcleos (estabelecimento de prioridades na eleição de temas pelos departamentos, lentidão de fornecimento de subvenção das agencias de fomento a pesquisa locais, etc.).

Podemos destacar o caso de Sorocaba, que apesar do envolvimento com uma Universidade local (UNIP), a atuação conjunta esta se dando mais solidamente através do Núcleo de Planejamento da Prefeitura Municipal (NUPLAN), tendo sido celebrado um Termo de Cooperação Técnica entre a FAUUSP e a Prefeitura Municipal de Sorocaba, após a realização da oficina. Os trabalhos recém se iniciam e estão voltados para a elaboração de um Plano Diretor para os espaços livres daquela cidade.

As oficinas: Belo Horizonte, Vítória e Maceió.

Os textos a seguir foram extraídos do relatório encaminhado à FAPESP em 2007 e adaptados à apresentação do presente artigo.

Oficina de Trabalho em Belo Horizonte MG

Dias 03 e 06 de junho de 2008

Local: Escola de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Minas Gerais (EAU-UFMG)

Participantes Núcleo QUAPÁ-SEL São Paulo:

Prof. Dr. Eugênio Fernandes Queiroga, ; Profa. Dra. Helena N. Degreas, Profa. Dra. Vanderli Custódio, Arq. Fany Galender, Arq. Denis Cossia Graduando Alexander Villalon.

03.06.2008

Dia destinado a realização de visitas técnicas aéreas e terrestres que objetivam o reconhecimento da cidade de Belo Horizonte, possibilitando a observação e registro em imagens dos diferentes tecidos urbanos e das tipologias dos espaços livres urbanos significativos das principais localidades que compõem sua região metropolitana.

Os percursos foram realizados em circuitos previamente estabelecidos com os parceiros locais, que participaram tanto do sobrevôo, como das visitas terrestres.  A equipe de terra visitou a áreas planejadas, diversas praças, destacando-se o Parque Municipal e a Barragem de Santa Luzia. Nesses locais, foram observados e descritos por meio de fotos, texto, e a relação de equipamentos, manutenção e uso social dos espaços.

 

04.06.2008

Abertura: recepção e apresentação dos convidados e participantes no Auditório da EAUUFMG

Prof. Dr. . Eustáquio (Diretor da EAUUFMG);Profª Drª Marieta Cardoso Maciel (EAUUFMG), Profª Drª Stael Alvarenga Pereira Costa  (EAUUFMG), Profª DrªLúcia Capanema Álvares (EAUUFMG), Profª Drª Maria Cristina Villefort Teixeira (EAUUFMG)

Apresentação 01

Os Sistemas de Espaços Livres e a Constituição da Esfera Pública Contemporânea no Brasil: um processo de investigação nacional

Prof. Dr. Eugênio Queiroga / FAUUSP – Coord. nacional da Pesquisa QUAPÁ SEL, Profª Fanny Galender / FAUUSP – grupo da Pesquisa Quapa SEL Núcleo São Paulo

Foram apresentados os objetivos da pesquisa QUAPA SEL Nacional destacando sua história, objetivos e os procedimentos de trabalho adotados na realização das oficinas com alguns resultados parciais.

A abordagem dos Espaços Livres de Edificação enfatizou a visão sistêmica e a  relação dos espaços privados e dos espaços públicos descrevendo morfológica, cultural, ambiental e funcionalmente vários exemplos advindos das diversas oficinas já realizadas. Dentre os objetivos, os palestrantes destacaram que a pesquisa em rede objetiva investigar: o SEL das cidades brasileiras, o SEL como representante de uma cultura urbana, o vínculo entre espaços livres e vida pública, a estruturação urbana das cidades brasileiras, as iniciativas da população, instituições e empresas na qualificação e requalificação dos espaços livres nas cidades brasileiras; os  valores dominantes sobre os ELS, a contribuição dos espaços livres para a  constituição de princípios públicos gerais de políticas públicas em toda realidade observada, esperando-se construir um referencial teórico que permita a interpretação e divulgação dos estudos.

 

Apresentação 02

 

O Ambiente e a Gestão de Espaços Públicos em Belo Horizonte: Áreas

Verdes e Arborização

Arq. Márcia Mourão Parreira do Amaral – Gerente da Gestão Ambiental

Secretaria Municipal Adjunta de Meio Ambiente (SMAMA).

A palestrante inicia sua fala a partir da descrição do zoneamento realizado

em BH e o papel do poder público na fiscalização, gestão e manutenção

dos espaços públicos,  descrevendo  os resultados do trabalho conjunto com a

população na decisão sobre uso e preservação dessas áreas.

Das políticas em andamento, a palestrante destacou cinco programas: 1) conhecimento das 701 praças e dos 57 parques da cidade; 2) criação de um banco de dados de áreas verdes, identificando as abandonadas, conhecimento do entorno e definição de funções. 3) viabilização da troca de uso de áreas públicas. 4)atendimento aos pedidos  locais como áreas  para caminhada e pista de skate; 5) arborização de logradouros públicos. Destaca e descreve o Programa BH Verde onde se trabalha com a permuta de áreas entre secretarias.

Apresentação 03

 

Programa de Recuperação Ambiental de BH.

Eng. Janice Shimid de Novaes (Engenheira de Obras da  SUDECAP- DRENURB)

A engenheira descreve algumas características físicas e sociais da região metropolitana de BH destacando o tratamento da hidrografia urbana por meio do plano Diretor de Drenagem (DRENUBS) que é parte integrante do plano Diretor municipal. Descreve o método de trabalho, o projeto (terceirizado) destaca as principais obras e dedica o sucesso da intervenção à continuidade política municipal. As intervenções contam com aporte financeiro do BID.

 

Apresentação 04

 

Espaços Públicos nos Assentamentos existentes (PBH): Programa Vila Viva.

Arq. Maria Cristina Fonseca de Magalhães

 

Atuação em áreas de grande fragilidade social com o objetivo de  recuperar e integrar assentamento adotando o conceito de “intervenção estruturante”, e estabelecendo ações por eixos: Eixo Urbanístico Ambiental, Eixo Sistemático Habitacional; Eixo Regularização Fundiária. Cita o Caso do Aglomerado da Serra, descrevendo o plano, o processo de projeto e construção, destacando a participação dos moradores na gestão dos espaços semi-público e o excelente relacionamento da comunidade com o poder público. Caso da Flor de Maio: área de risco onde se realizou tratamento de uma encosta. Caso Núcleo Habitacional São João: onde se efetuou tratamento de espaços livres públicos gerados nos conjuntos habitacionais com participação da população no plantio de mudas e manutenção e a organização de um conselho gestor colegiado: poder publico e comunidade (exigência do licenciamento).

 

 

 

Apresentação 5

 

Movimentos Populares/Organizações Sociais. Associações de Moradores

Sra. Edna Barbosa (AMA Cidadania)

A palestrante descreve sua experiência na Vila Novo Ouro Preto (Pampulha) descrevendo a situação dos córregos cheios de lixo e encostas perigosas associando a atuação conjunta ao poder público. Ela descreve que a atuação conjunta evita depredações propositais do povo e declara a todos os presentes que o  poder emana do povo e que, na qualidade de pagantes de impostos, os moradores da favela precisam participar e reivindicar. Exemplifica que a associação evita o uso de conceitos como elitismo e paternalismo exemplificando com o relato de uma antiga área de lixão a céu aberto transformada em parque linear, sonho da comunidade. A operacionalização tanto do projeto quanto à organização da comunidade se deve à orinetação dada por alunos e professores da escola de arquitetura da UFMG. Ainda de acordo coma palestrante, o Movimento de Cidadania Pelas Águas lutou e conseguiu só umas pedrinhas, mas o povo é governo e, como eles moravam sobre as nascentes com lixo e esgoto produzidos também por eles produzido, então eram eles que tinham que se organizar e reivindicar.

Apresentação 6

Pró Civitas

Srª Juliana Renault

 

Representante de dois bairros também na Pampulha, trabalha com várias associações de bairros (Bandeirantes, Pampulha e outras) e considera que na cidade os problemas são muito parecidos, seja na favela ou nas áreas ricas. Cita vários exemplos de conflitos vinculados a comportamentos públicos e  necessidades da população enfatizando que a falta de capacidade de gestão e manutenção pública do espaço é um dos principais motivos desses conflitos.

Cita cinco reivindicações da associação por ela presidida quanto à manutenção, reformas e projetos de espaços livres públicos. Reitera que as demandas levadas ao poder público não são atendidas e que cabe à população reivindicar e fazer-se ouvir.

 

Apresentação 7

 

CREA/Sindicato dos Arquitetos/ Instituição de Ensino.

Arq. Eduardo Fajardo Soares (SINARQ)

O palestrante discorreu sobre a atuação do sindicato nas questões vinculadas aos conflitos entre interesses públicos e poder público. Dentre os vários conflitos exemplificados, destacaram-se a Praça da Liberdade e arredores, o Centro de Referência do Professor, entre outros.

DEBATE

O debate versou sobre vários assuntos destacando-se o Projeto Vila Viva e as

alterações de residências para apartamentos, dimensões mínimas e seu custo;

sobre forma de cálculo do SNUC (Sistema Nacional de Unidades de Conservação) nos parques implantados. 

Apresentação 8

 

Observatório de  Conflitos Urbanos de BH.

Prof.ª Dra. Lúcia  Capanema Álvares da  Coordenação Local (EAUUFMG)

Para a viabilização do início da proposta de pesquisa SEL BH optou-se pelo uso de recursos da disciplina de paisagismo da EAUFMG (e posteriormente uma disciplina da área de Turismo) cuja área de intervenção foi uma favela, contando com a colaboração da URBEL e dos moradores para a elaboração do projeto de paisagismo. Formalizado o vínculo com o Observatório de Conflitos Urbanos do IPPUR do Rio de Janeiro constituiu-se o Núcleo SEL-BH que passou a monitorar e mapear todo tipo de manifestações coletivas ocorridas nos espaços públicos repercutidas mas principais mídias impressas e televisivas registradas nos conselhos municipais.

Apresentação 9

Trabalhos da UFMG. TGI sob orientação da Profa. Marieta Cardoso Maciel da Coordenação Local (EAU – UFMG)

 

Aline Ramos

TFG: Intervenção Parque Albergue Castello Branco – o trabalho apresenta o levantamento, análise e diagnóstico da região escolhida para intervenção, situada junto ao Elevado Castello Branco. É proposta a implantação de um parque linear e de um albergue para a população moradora da área.

 

Aline Betat

TFG: Proposta de Implantação de um Parque Urbanoem Lagoa Santa/MG com a apresentação de um breve histórico e características da cidade. A gênese do projeto vem da participação da aluna nas reuniões do plano diretor da cidade, quando percebeu as demandas da população local.

3º dia

Data: 05.06.2008

A Oficina

A oficina de BH aconteceu na EAUUFMG e contou com a participação de 19 integrantes vinculados a área de graduação e alguns professores predominantemente vinculados à escola anfitriã.

Foram organizadas duas equipes compostas por com professores e alunos. Diferentemente das demais oficinas, os trabalhos foram iniciados com a discussão e fechamento das apresentações dos palestrantes feitas no dia anterior.

 

Os temas abordados foram:

Equipe 1

  • Espaços Livres Privados
  • Padrões de tecidos urbanos
  • Legislação & Planos & Diretrizes poder público
  • Mercado imobiliário e tendências
  • Estruturas lineares (ferrovias, rodovias, vias arteriais, hidrografia)

Equipe 2

  • Estruturas lineares (ferrovias, rodovias, vias arteriais, hidrografia)
  • Espaços livres públicos
  • Legislação, Planos & Diretrizes do poder público

Terceiro dia de trabalho da Oficina de Belo Horizonte

Oficina de Trabalho em Maceió / AL

Dias 02, 03 e 04 de dezembro de 2007

Local: Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Participantes Núcleo QUAPÁ-SEL São Paulo:

Prof. Dr. Sílvio Soares Macedo (FAUUSP), responsável geral pelo Projeto QUAPÁ-SEL, o Prof. Dr. Jonathas Magalhães Pereira da Silva (Univ. Anhembi-Morumbi), a Profa. Dra. Vanderli Custódio (IEB/USP – Área de Geografia), Denis Cossia (Arqto. Quapá-FAUUSP) e Gustavo Meirelles (discente FAUUSP).

Núcleo Maceió: coordenação de Prof. Dr. Geraldo Majela Gaudêncio (FAU-UFAL)

02.12.2007

Um dia antes do início do evento, o Professor Sílvio Macedo, Denis e Gustavo realizaram um sobrevôo sobre a cidade de Maceió com o intuito de obter fotos aéreas atualizadas sobre as quais poderíamos trabalhar nos dias subseqüentes. Elas compõem um banco de imagens do Projeto QUAPÁ-SEL Nacional, bem como já estão disponibilizadas para o Núcleo Maceió e todos os participantes do evento. O grupo de São Paulo, assessorado pelo Prof. Dr. Geraldo Majela, realizou reconhecimento da cidade, percorrendo-a de carro: as áreas de favela, as industriais, as de casario tradicional, o centro comercial, histórico, os mirantes e a orla marítima. 

 

03.12.2007

No primeiro dia, reservado a exposições sobre a cidade, a Oficina contou com cerca de 30 pessoas entre técnicos e acadêmicos, em sua maioria arquitetos de formação, mas também geólogos e geógrafos, provenientes de órgãos públicos municipais, estaduais e mesmo federais. Cabe destacar os participantes da Secretaria Municipal de Planejamento de Maceió, do Patrimônio da União (Marinha), do IBAMA, das Prefeituras de Arapiraca e Palmeira dos Índios, do órgão de Unidades de Conservação do Estado de Alagoas, muitos pós-graduandos de mestrado e doutorado, bem como professores do Grupo de Estudos de Morfologia dos Espaços Públicos, da Faculdade de Arquitetura, coordenado pelo Prof. Dr. Geraldo Majela.

Pela manhã, o Professor Sílvio Macedo apresentou os objetivos do Projeto QUAPÁ-SEL Nacional e da Oficina. O Professor Majela expôs como se deu a organização e engajamento do Núcleo Maceió no projeto e apresentou cronograma dos trabalhos. 

Deste dia, destacam-se as exposições do representante do Patrimônio da União (Terrenos da Marinha), por conta do desconhecimento que tínhamos (técnicos e acadêmicos) dos objetivos e das formas de atuação do órgão; e da representante da Prefeitura Municipal que detalhou o Plano Diretor.

Dessas exposições registramos que o território de Maceió é de 513,55 km2, sendo 191,79 km2 de área urbana, ou seja, 37 %. O restante é constituído por três unidades de conservação em torno da área urbana, área rural composta por grandes propriedades de cultivo de cana-de-açúcar – cultura que caracteriza o Estado de Alagoas. Os 800 mil habitantes se dividem entre o tabuleiro, constituído por um extenso conjunto de grotas, alguns núcleos ao longo dos 40 kmde orla marítima e a Lagoa Mundaú. Conjuntos habitacionais construídos pelo poder público constam aqui e ali na paisagem urbana, sobretudo do tabuleiro; as favelas, destacando a denominada Sururu de Capote, se encontram ao longo do trecho urbano da Lagoa Mundaú e apresentam muita precariedade nas construções de madeira e plástico. Moradias precárias também são encontradas ao longo do Córrego Reginaldo que nasce no tabuleiro e deságua na orla, com o nome de Salgadinho. Na orla sul está a grande indústria química Brasken, o histórico e reformado bairro Jaraguá, o Porto de Maceió, as praias de Pajuçara e Ponta Verde com adensamento vertical destinado à moradia das classes altas e aos hotéis para os turistas, com quiosques de praia com serviços de alimentação.  Na orla norte há moradias horizontais de classes médias e altas e no extremo norte, há pouca ocupação, mas projetos de construção de resorts e outros tipos de infra-estrutura de grande porte para fins turísticos. (ANEXO 2)

Ressalta-se a importância de projetos federais diversos e dos serviços públicos, em geral, bem como a atividade de construção civil, na oferta de empregos urbanos. A cultura da cana, mesmo com colheita manual, não utiliza a mão-de-obra urbana excedente, pois os donos de usinas e plantações preferem contratar os sertanejos e não os desempregados da cidade: cortam mais toneladas/cana por dia.    

A proposta básica do Plano Diretor de Maceió, no que diz respeito aos espaços livres, é a descentralização das áreas de lazer de forma a evitar o deslocamento da população para o Centro da cidade e orla em busca de lazer e recreação. Priorizam-se calçadões, praças, ciclovias, mirantes, corredores culturais e similares. A cidade não tem tradição no uso de parques.   

No período da tarde foram apresentados trabalhos de investigação de mestrado e doutorado, em andamento e concluídos, sobre diversos aspectos do tema Sistema de Espaços Livres Urbanos, orientados pelo Prof. Dr. Geraldo Majela. Alguns mais específicos outros nem tanto, mas todos de interesse. Destacou-se o trabalho em andamento de Nelcy M. Santos (Deha/Ufal) sobre “Os campos de pelada e a dinâmica do sistema de espaços livres em Maceió”. Segundo a autora, existiriam mais de 480 campos de pelada em Maceió; e o trabalho das profas. Regina Lins e Veronica Robalinho (Nest/Ufal), sobre “Pesquisa sobre Vazios Urbanos em Maceió”, com elaborado nível teórico.  

Tanto de manhã quanto de tarde, os debates foram “acalorados” e muitas dúvidas entre acadêmicos e técnicos foram esclarecidas. Sentimos a ausência de representantes de movimentos sociais e organizações não governamentais (ONGs) com interesse em discutir questões urbanas relacionadas ao tema. 

O que se pôde observar/concluir no primeiro dia foi a preocupação recorrente sobre como desenvolver o turismo em Maceió, sobretudo na orla marítima, sem causar problemas ambientais.

No segundo dia, reservado para os trabalhos em grupo sobre carta do município, o Professor Jonathas Magalhães elaborou a síntese das exposições do dia anterior, na forma do esquema abaixo:

Ou seja, a Percepção individual das diferentes Unidades de Paisagem é construída por Valores contraditórios de diferentes grupos sociais. Esses valores irão definir o Uso e Ocupação do território na medida em que os diferentes grupos são incluídos na discussão Ambiental. A maior tensão operacional, do Sistema de Áreas Livres, é revelada pela Demanda social de espaços livres de edificação de modo a promover a qualidade da área urbanizada. Acredita-se que um bom encaminhamento dessas questões reside na Inclusão de diferentes grupos sociais estabelecendo-se as prioridades e definindo as formas de NÃO Ocupação dessas áreas e sua forma de Gestão.

As apresentações feitas até aquele momento mencionaram, de certa forma, os pontos explicitados pelo gráfico, entretanto percebeu-se que as discussões realizadas no dia anterior não conseguiram promover uma visão dos diversos aspectos necessários para a avaliação ou estudo de um sistema de espaços livres. A intenção, ao se apresentar o gráfico acima, foi resgatar as diversas falas procurando estabelecer as conexões existentes e sugerir uma complementaridade.

Neste dia o número de participantes da área técnica foi menor, por conta das demandas da função ou cargo de cada um, mesmo assim, pela manhã foi possível formar cinco grupos mistos (técnicos e acadêmicos), com 4 ou 5 pessoas e alocá-los para a discussão dos seguintes temas:

  • Paisagens, ecossistemas e conservação;
  • Ações turísticas;
  • Mercado imobiliário: vetores de expansão e habitação;
  • Praças e parques: sistema de espaços livres públicos;
  • Tipos de tecido urbano: sistema de espaços livres privados.

A proposta visava a elaboração de um diagnóstico temático sobre Maceió,  preenchendo os seguintes itens: a) caracterização; b) conflitos; e c) potenciais.

Sobre uma carta colorida de 1:35.000 os grupos trabalharam até às 13h. No meio da tarde chegaram dois representantes do Movimento Terra e Liberdade (MTL), defensor da propriedade da terra urbana e rural para os pobres. Na apresentação informaram a existência de 4.500 famílias sem terra em Alagoas, expulsas pela concentração fundiária em prol da monocultura canavieira. Na cidade, muitas dessas famílias não têm moradia nem emprego. Neste sentido o Movimento luta pela participação nos programas públicos destinados à construção de moradias urbanas e à criação de áreas e galpões cooperativos onde se possa produzir e comerciar hortifrutigranjeiros e artesanato. Por conta de compromissos anteriormente assumidos pelos expositores, não houve debate.

Findos os trabalhos com a carta, cada grupo apresentou a síntese temática e o Professor Sílvio Macedo elaborou a síntese geral sobre Maceió: a) a cidade possui muitos espaços livres urbanos por todos os tipos de tecido; b) há um excesso de planos para a orla, mas quase nada para o restante da cidade; c) falta um projeto de cidade. O Professor Jonathas Magalhães ressaltou a importância da atuação política do arquiteto para a inclusão de demandas populares nos projetos públicos. A Professora Vanderli Custódio alertou para o fato de que metodologicamente,em Geografia Urbana, não se estuda uma cidade sem considerar o contexto regional, ou seja, a rede urbana a qual ela pertence e o contexto nacional, o do processo de geral de urbanização, como parecia estar sendo feitoem Maceió. Somentequando indagados os grupos mencionaram aspectos da relação de Maceió com a sua região metropolitana. Ressaltou que a cidade é constituída, em sua maioria, por pessoas pobres e que suas demandas precisam ser consideradas nos projetos urbanos concebidos pelos órgãos públicos.

Como balanço geral da Oficina, o Núcleo São Paulo concluiu que:

1) guardadas as peculiaridades históricas, geográficas e paisagísticas, o caso de Maceió é semelhante ao de Sorocaba – SP, no sentido da cidade ser possuidora de um “estoque” significativo de espaços livres urbanos;

2) a Oficina foi muito bem organizada;

3) o trabalho em grupo por temas, sobre carta da cidade inteira, foi muito mais proveitoso para o conhecimento da realidade urbana do município, do que cada grupo tratar de todos os temas sobre cartas regionais da cidade;

4) o conhecimento do Brasil, por parte dos pesquisadores do Eixo Sul-Sudeste do País, requer se desloquem, requer pesquisas in loco;

5) os ganhos, no sentido das discussões realizadas (o encontro entre acadêmicos, técnicos, ONGs, outros representantes da sociedade civil e setores econômicos com interesses urbanos), e dos materiais produzidos (fotos aéreas), são recíprocos: tanto para os Núcleos QUAPÁ-SEL locais como para a coordenação nacional.                    

Apoios: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado (DEHA)

 Oficina de Trabalho em Vitória / ES

Dias 19 e 20 de fevereiro de 2008

Local: Auditório do Centro de Artes UFES

Participantes Núcleo QUAPÁ-SEL São Paulo:

Prof. Dr. Silvio Soares Macedo; Profa. Dra. Helena Degreas; Arq. Fany Galender; Arq. Marcos Fernandes C. Rios; Graduando FAUUSP Marco André C. Salles

18.02.2008

Dia destinado a realização de visitas técnicas às cidades de Vitória, Serra, Vila Velha e Cariacica, possibilitou a observação e registro em imagens dos diferentes tecidos urbanos e das tipologias dos espaços livres urbanos significativos das quatro principais cidades que compõem a região metropolitana de Vitória.

Os percursos foram realizados em circuitos previamente estabelecidos com os parceiros locais, que participaram tanto do sobrevôo, como das visitas terrestres. 

19.02.2008

Abertura: recepção e apresentação dos convidados e participantes

Profa. Dra. Eneida Maria de Souza Mendonça (Coordenadora do Núcleo QUAPÁ SEL Vitória / UFES); Profa. Dra. Cristina Engel (Diretora do Centro de Artes UFES); Prof. Dr. Francisco Guilherme Emmerich (Pró Reitor de Pesquisa e Pós Graduação UFES); Prof. Dr. Antonio (Coordenador Mestrado Departamento Geografia UFES)

Apresentação 01

Os Sistemas de Espaços Livres e a Constituição da Esfera Pública Contemporânea no Brasil: um processo de investigação nacional

Prof. Dr. Silvio Soares Macedo / FAUUSP (Coordenador nacional da Pesquisa QUAPÁ SEL)

A apresentação destacou os seguintes aspectos:

  1. Apresentação do Projeto Quapá, sua história e seus objetivos
  2. Objetivos da pesquisa SEL
  3. Estruturação da pesquisa em rede nacional
  4. Resultados gerais esperados
  5. Procedimentos de trabalho

Foram discutidos os conceitos e objetivos que norteiam a pesquisa, focando na busca por uma definição de sistema e suas bases de constituição (dependência, articulação, conjunto, fatores de eficiência de um sistema, tipos de sistemas, conflitos e etapas de constituição de um sistema); a articulação entre espaço livre público e privado; suas funções: circulação, lazer recreação, acesso, conservação, preservação, produção. Partindo-se do conceito de Espaço Livre de Edificação, proposto por Miranda Magnoli, pode-se contrapor noções de área verde, área aberta, espaço verde, porém enfatizando sempre que é a articulação entre espaços livres e edificados que configura e qualifica a forma urbana, organizando os seus tecidos diversos. Discutiu-se a distribuição dos espaços livres a partir da acessibilidade e qualificação funcional. Foram discutidos ainda outros conceitos relevantes à pesquisa: processo de verticalização urbana, densidade habitacional e de construção, características das situações de demanda por espaços livres, atributos funcionais, estoque de áreas para o sistemaem questão. Observou-setambém a demanda por conservação, preservação e manutenção de áreas de encostas, bosques e corpos d’água entre outros, bem como as finalidades ambientais, juntamente com a expressão estética que estas configurações espaciais assumem.

Apresentação 02

Gestão de Espaços Livres Municipais

Arq. Fabrício Sanz Encarnação

Gerência de Projetos Urbanísticos (SEDEC) / Prefeitura Municipal de Vitória

Apresentação de 03 projetos de intervenção em orlas, atualmente em execução: Orla de Nova Palestina, Maria Ortiz e Camburi, destacando como a gênese da diretriz das intervenções urbanísticas e paisagísticas, a criação do projeto como processo. No caso da Orla de Maria Ortiz, constatou-se que se tratava de local de impedimento de permanência, devido à existência de rede de alta tensão. Foi proposta a criação de corpos estriados (locais onde se pode ocupar, com pequenas áreas de estar), calçadões e ciclovias (o usuário circula; não permanece), trabalhando sempre a questão limite/tensão/margem (no caso, o mangue). O projeto da Orla de Nova Palestina visa área limite entre o mangue e a área pública, sendo previstas áreas de estar, recreação infantil (banco jacaré, arco-íris, joaninha), onde a ênfase está nas referências lúdicas e de temática infantil. A Orla de Camburi se situa em área limite entre o natural e o urbano. O mar espraiando assim como a cidade em sentidos contrários, questionando quais são os limites entre o asfalto, a praia e o mar. O projeto cria ambientes de estar com bancos, pergolados e quiosques como esculturas arquitetônicas. A exposição dos projetos pautou-se mais na explanação da essência dos projetos, na sua poética e menos nos seus aspectos técnicos de detalhamento e execução.

Apresentação 03

Gestão de Espaços Livres Municipais

Arq. Alexandre Fiorotti

Departamento de Planejamento Urbano (SEDUR) / Prefeitura do Município de Serra

O palestrante abordou a ocupação do território e a formação do município de Serra, composto a partir dos núcleos de Nova Almeida, Serra-sede e Carapina, em um processo de descontinuidade urbana, com muitos vazios urbanos entre eles. Na década de 1960 ocorreram inúmeros loteamentos de glebas e, com a implantação de Companhia Siderúrgica de Tubarão e a expansão da atuação da Companhia Vale do Rio Doce houve uma intensa demanda para implantação de conjuntos habitacionais para população de baixa renda, via COHAB e INOCOOP. Foi lembrado que, devido à legislação de parcelamento do solo então vigente, estes ficaram sem área para uso público e implantação de equipamentos sociais. Com a Lei Lehmann, em 1976, houve um decréscimo na aprovação de loteamentos, apesar de ser possível verificar que no município, mesmo após a lei, permaneceu a prática de ignorar a destinação de áreas para o sistema de espaços livres. Atualmente, com o Plano Diretor do Município em vigência, inicia-se a verticalização de inúmeros bairros como Laranjeiras e a destinação de áreas públicas para conservação e preservação. Verifica-se, concomitantemente, o aumento de loteamentos e condomínios para alto padrão.

Arq. Rafael Fontes

Departamento de Projetos de Obras Públicas (SEDUR) / Prefeitura do Município de Serra

Destacou os procedimentos de seleção de demandas de projetos, definição de prioridades e as etapas de viabilização de projeto e obras no município de Serra. O município divide as suas obras em dois tipos: as obras da cidade, advindas de demanda política ou técnica; e as obras definidas através do orçamento participativo, através de consulta popular e de levantamento e planejamento da rede existente. Percebe-se atualmente uma alta demanda por quadras poli-esportivas cobertas e de futebol de areia, campos de futebol de areia, quadras de bocha, mesas de jogos, ciclovias e pistas de caminhada, playgrounds, equipamentos de ginástica e praças de eventos. Concluiu sua exposição com a apresentação dos projetos recentes, sobretudo as intervenções em orlas.

Apresentação 04

Planejamento estratégico dos recursos naturais de Serra

Bióloga Edmara Lourenção

Secretaria do Municipal do Meio Ambiente (SEMMA) / Departamento de Recursos Naturais do Município de Serra

A palestrante discorreu sobre a configuração da cidade de Serra em função da situação ambiental do território, isto é de acordo com seus ecossistemas, elementos de drenagem natural e sistema viário. A prioridade atual do departamento é o estabelecimento de critérios para a criação de áreas de preservação a partir de áreas ainda não loteadas. O município conta hoje com 05 Unidades de Conservação (entre APAs e reservas), estando em definição os seus planos de manejo. Apresentou os processos de implantação de outras áreas de preservação e seus planos de manejo (Jardim Botânico de Serra, APA de Praia Mole, APA Municipal do Viajante, Parque Natural Municipal de Bicanga, APA da Lagoa de Jacuném, APA Mestre Álvaro) e de outras ações sobre os espaços livres da cidade.

Apresentação 05

Plano Básico de Urbanização Integrada das margens do Rio Aribiri

Arq. Lilian Miranda Damasceno

Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SEMDU) / Prefeitura Municipal de Vila Velha

Abordou o Plano Básico de Urbanização Integrada das margens do Rio Aribiri, em andamento graças aos recursos federais do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento).

Trata-se de área de baixa renda, carente de infra-estrutura básica, ao lado de uma outra área que já está sendo atendida por outro recurso, e de ocupação consolidada desde a década de 70. Caracteriza-se por ser área de manguezal aterrada, com a presença de palafitas, com alta degradação das águas do rio.

Verifica-se a existência de fragmentos de mangue ainda existentes e está sendo estudada a implantação de atracadouro, pois o rio ainda é utilizado. Está previsto no projeto o tratamento de encostas, reforma de escolas, projeto de macro drenagem, implantação de parque linear, procurando a acessibilidade através de bicicletas.

A recuperação do rio e do mangue tem como objetivo melhorar a relação da população com o rio através de calçadas, praças para convívio e arborização adequada. Já o parque proposto tem a intenção de segurar a ocupação irregular contínua, com o remanejamento da população excedente para outras áreas próximas.

Apresentação 06

Gestão de Espaços Livres Municipais

Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano (SEMPLAD) / Prefeitura Municipal de Cariacica

Arq. João Marcos Charpinel Borges

O arquiteto apresentou um histórico do município de Cariacica, destacando seu papel de cidade-dormitório da capital. Com a chegada da Companhia Vale do Rio Doce e da ferrovia, a cidade se expande e, na década de 1960, o desenvolvimento industrial acaba consolidando a cidade como local de moradia. Assim como as demais cidades da região metropolitana de Vitória, os loteamentos irregulares e clandestinos persistem até mesmo depois da instituição da lei federal 6766/79. As diretrizes definidas pelo Plano Diretor do Município são: Interação das esferas públicas e privadas: conter o avanço da malha urbana sobre a rural (atualmente, não se está aprovando nenhum loteamento) e aplicação do estatuto da cidade; no âmbito da esfera pública: criação de novos parques, praças e logradouros

No Plano de Gestão dos Espaços Livres Públicos serão implantados os seguintes projetos: Parques: Morro da Compainha, Cravo e a Rosa e Sta. Bárbara; Praça: de Cariacica Sede, de Campo Grande, Trevo de Alto Lage; Logradouros: Av. Expedito Garcia (Projeto Calçada Viva, seguindo o conceito de Shopping a Céu Aberto, visando reordenar a área de comércio de ambulantes), Urbanização da Orla de Cariacica (em licitação), com a  adequação das calçadas nos bairros (pólos comerciais)

Apresentação 07

Reabilitação de áreas degradadas

Secretaria de Meio Ambiente de Cariacica (SEMMAM) / Gestão de Unidades de Conservação

Bióloga Aparecida Demoner Ramos

A palestrante discorreu sobre o programa de criação de mais duas Unidades Municipais de Conservação dos manguezais de Cariacica, que se somarão às quatro já existentes: o Parque Natural Municipal do Itanguá (localizado em solo urbano, com recuperação e restauração de área ocupada por esgoto, considerando o mangue como área verde da cidade) e a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Municipal Manguezais de Cariacica (onde foi adotado outro estatuto jurídico para permitir que os 200 catadores de sururu e siri permaneçam no local). O objetivo precípuo destas duas intervenções é a criação de um circuito turístico dos manguezais de Cariacica, gerando renda com o patrimônio natural.

Destacou ainda a implantação da Área de Proteção Ambiental Municipal Monte Mochuara e do Parque Natural Municipal do Monte do Mochuara, ambas as áreas abrigando sítios arqueológicos.

Debate

Prof. Msc. Homero Penteado (DAU / UFES) – Pede que as secretarias se posicionem sobre a questão dos sistemas de espaços livres e questiona a postura dos projetos frente à adequação aos seus locais. Por exemplo: porque as praias não podem ser somente praias e precisam ter ciclovias, estares, etc., gerando problemas ambientais? Porque tudo tem que ser pavimentado e não se pisa no chão?

Profa. Dra. Eneida Mendonça (DAU / UFES e QUAPÁ SEL Núcleo Vitória) – Coloca que a idéia era que cada setor ou secretaria mostrassem o que está fazendo, quais são seus projetos e objetivos.

Arq. Ronaldo (Prefeitura Municipal de Vitória): Pede esclarecimentos ao Prof. Dr. Silvio Macedo sobre a questão da qualidade com relação à função.

Prof. Dr. Silvio Macedo: Esclarece que todo espaço livre deve ter um atributo para não ser descartável. Deve ser verificada qual é demanda para este espaço e ser proposta uma gestão para ele. Os espaços devem ter uma função na cidade: não necessariamente deve ter equipamentos, mas permitir usos diversos, além de fornecer um conforto mínimo para o usuário. Pode ter um papel na drenagem e gerar elementos de identificação do usuário através de sua linguagem.

Coloca a questão para a plenária: até que ponto um projeto pensado na hora certa, não impede que simplesmente se corra atrás do prejuízo, tornando-o mais caro? Isto é, a ausência de planejamento, de uma reflexão mais aprofundada e abrangente não permitiria que grande parte dos problemas que nossas cidades vivenciam ocorresse.

As intervenções realizadas nesta manhã por técnicos de diferentes órgãos e esferas nos mostrou como as cidades estudadas vêem a questão de seus espaços livres face à estruturação de cada cidade, seus problemas ambientais e suas demandas por equipamentos e locais de práticas esportivas, recreacionas e de lazer e convívio. A definição, implantação e gestão dos espaços livres urbanos variam para cada caso e nos mostrou um amplo leque de situações e possibilidades de atuação, sempre lembrando que a atuação conjunta, em equipes multidisciplinares é imprescindível para abarcar a complexidade do meio urbano.

Apresentação 08

Apresentação dos trabalhos desenvolvidos pelo Núcleo de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Espírito Santo (NAU/UFES) ligados à Pesquisa QUAPA SEL

Profa. Dra. Eneida Maria Souza Mendonça

Departamento de Arquitetura e Urbanismo UFES

Os trabalhos desenvolvidos pelo grupo coordenado pela Profa. Dra. Eneida buscam desenvolver produtos que aprofundem os seguintes itens:

1. Método para análise e construção da paisagem

2. Análise e construção da paisagem

3. Apropriação alternativa do ambiente urbano

Já foram realizadas atividades de caráter empírico, concluídas dentro do escopo da pesquisa, através de três bolsas de Iniciação Científica (PIBIC/CNPq), cujos resultados foram apresentados no  VIII ENEPEA, em 2006, e no  II Colóquio da Pesquisa realizadoem São Paulo, em setembro de 2007

Na seqüência, apresentaram-se as novas pesquisadoras do Núcleo QUAPÁ SEL Vitória. São elas: Thais Sartori / Análise comparativa das principais tipologias de Vitória (PIBIC/CNPq); Luciana Bandeira de Oliveira / Análise preliminar dos espaços livres na Baía Noroeste de Vitória (PIBIC/CNPq); Cynthia L. P. de Miranda / Ocupação em áreas de preservação ambiental: uma proposta para Vila Velha (Bolsista de Aperfeiçoamento / FACITEC); Caroline Jabour de França / Análise do tecido urbano da cidade de Vitória/ES. A arquiteta está se integrando à pesquisa, após Doutorado realizado em Milão sobre o desenho urbano da cidade de Vitória, onde divide a cidade em zonas de tipologias de edificação e ocupação em um esforço de compreensão da estruturação do tecido urbano; Doriéli Z. Fornaciari / Espaço físico e Espaço virtual: o desafio dos espaços públicos de lazer e cultura na cidade contemporânea e na era da informação / Trabalho Final de graduação (TFG) em andamento

Neste momento, o objetivo dos trabalhos em desenvolvimento no Núcleo QUAPÁ SEL Vitória é dar continuidade às pesquisas anteriores, utilizando material anteriormente produzido, para avaliação do desempenho dos espaços livres e as possibilidades futuras de intervenção e constituição de um sistema eficiente.

Apresentação 09

Metropolização da Grande Vitória: ausência de espaços públicos na constituição da Região Metropolitana da Grande Vitória

Profa. Dra. Ana Lucy Oliveira Freire

Departamento de Geografia UFES

Trabalhando na escala metropolitana, parte da idéia de urbanização e desigualdade do crescimento dos diversos municípios da metrópole capixaba. Aborda a idéia de núcleo e periferia, por meio de um quadro da urbanização brasileira e suas vinte e sete regiões metropolitanas. A pesquisadora se pergunta quais os parâmetros e finalidades deste processo, apresentando alguns pressupostos da sua pesquisa. Destaca a modernização do estado e os novos investimentos públicos e privados no Espírito Santo, que, até trinta anos atrás, tinha sua riqueza assentada na economia cafeeira. Dá ênfase à estrutura viária e ao aumento de mobilidade geral decorrente de novas vias e terminais rodoviários. Aponta algumas figuras novas que se surgem na paisagem urbana capixaba, típicas da cidade brasileira contemporânea, onde a fragmentação e a segregação são preponderantes.

Apresentação 10

Corredores Verdes em Vitória

Prof. Msc. Homero Penteado

Departamento de Arquitetura e Urbanismo UFES

Utiliza os conceitos de Formann, de corredor, matriz e fragmento e os associa com a idéia da cidade como matriz urbana. A apresentação se assenta em fundamentos consolidados no paisagismo e na ecologia da paisagem. Mostra um bom mapa analítico de um setor urbano da capital e aplica os conceitos em uma área vizinha ao campus da UFES, na qual foca seu estudo de caso. Através de trabalhos de campo realizados com os alunos da graduação no bairro Jardim da Penha, com suas ruas largas e pequenas calçadas, apresenta uma competente análise da situação atual e das potencialidades do local, à luz da teoria adotada.

Apresentação 11

Caracterização do Patrimônio Ambiental em Cariacica e Serra para elaboração de Planos Diretores Municipais

Prof. Dr. André Luiz Nascentes Coelho / Consultorem Meio Ambientee Geoprocessamento

Fundação Ceciliano Abel de Almeida (FCAA / UFES) – Núcleo Cidades

O trabalho busca desenvolver uma metodologia que identifique os recursos e ferramentas para a elaboração de PDM, visando a indicação das áreas de interesse ambiental. Parte da junção de uma série de informações para uma análise de multicritérios, indicando potencialidades e limites do território e classifica as áreas do ponto de vista ambiental para a geração de diretrizes e legislação. Tendo por base as legislações existentes, são feitas simultaneamente a análise dos atributos e um comentário sobre cada área. São estabelecidas diretrizes para o município e realizada uma apresentação em audiência pública, após a qual é feita uma reavaliação. Para a cidade de Serra, por exemplo, foram elaborados mapas de análise do relevo, declividades, precipitação e temperaturas médias anuais, rede hidrográfica e drenagem, mostrando o conhecimento do território. A partir de uma pré-seleção de locais para os trabalhos de campo com GPS e registro fotográfico foram determinados atributos como características da flora, recursos hídricos, valor cênico, fragilidade e realizada a identificação das áreas de interesse ambiental, com comentários sobre as características da área.

Apresentação 12

Aplicações da caracterização do patrimônio ambiental na elaboração de Plano Diretor Municipal

Arq. Msc. Giovanilton André Ferreira

FCCA/UFES – Instituto Cidades

Membro do Instituto Cidades, que tem elaborado Planos Diretores Municipais para diversas cidades do Estado com equipe multidisciplinar, o pesquisador expôs a metodologia de elaboração destes planos. O método parte de 03 leituras: a técnica (patrimônio ambiental, arquitetônico, mobilidade e acessibilidade), a dos governantes (política) e a da população (demandas locais). Considera como estrutura básica dos Planos Diretores a definição de eixos prioritários, perímetro urbano, macro zoneamento, zoneamento, índices urbanísticos e conflitos ambientais e de caráter sócio-econômicos. O resultado final aparece sempre como um processo de negociação permanente.

Apresentação 13

Dinâmica urbana da Região Metropolitana da Grande Vitória (RMGV) na década de 1990

Arq. Jose Carlos da Silva Oliveira

Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) / Governo Estado do Espírito Santo

Foram apresentados dois trabalhos, sendo o primeiro gerado a partir de um vôo no final da década de 1990, que resultou no documento “Dinâmica urbana na década de 90”, o que permitiu a comparação com material do final da década anterior e a detecção da evolução do crescimento urbano da RMGV. O segundo estudo analisa o processo de verticalização do espaço urbano. É apresentado um quadro da conformação do território pré-metropolitano que destaca a implantação das grandes plantas industriais e portuárias e os grandes conjuntos habitacionais nos anos 1960-1970, sobretudo em Vitória e Vila Velha. O vetor de adensamento e as zonas de adensamento urbano são caracterizados. A RMGV na década de 1980-1990 se caracteriza pelo predomínio do adensamento dos novos parcelamentos, a ocupação de grandes áreas por instalações de abrangência metropolitana (shopping centers, hospitais, universidades, porto), o elevado índice de verticalização localizada e a consolidação de novas territorialidades metropolitanas. De1960 a 1980, os parcelamentos se deram sem nenhuma preocupação com o espaço livre: os grandes espaços foram ocupados pelas instituições e os espaços privados, loteados. Identifica-se na paisagem urbana da metrópole a consolidação de um eixo de verticalização do sul de Vila Velha ao norte de Vitória, expandido na década 1990-2000 com a inclusão de Guarapari. O pesquisador questiona quais serão as futuras territorialidades; qual será a dinâmica urbana para 2010; qual será a dinâmica dos espaços livres públicas frente a esta tradição. Sugere a estratégia de implantação de condomínios de baixa densidade com a intenção de criar espaços livres públicos.

Apresentação 14

Gestão das Unidades de Conservação do Estado do Espírito Santo

Aline Alvarenga / Analista de Meio Ambiente e Recursos Hídricos / Gerência de Recursos Naturais

Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA) / Governo Estado do Espírito Santo

A analista de Meio Ambiente apresentou mapas com um histórico dos biomas do Espírito Santo que, por sua vez, está totalmente inserido na Mata Atlântica. Atualmente, somente restam 8% de área deste ecossistema, estando ocupada em 40% por pastagens, 26% por outros usos e 19,32% pela lavoura. Apenas 2,5% estão sob a denominação de Unidades de Conservação: 1,5%federal, estaduais 0,98%, municipais 0,06%. O Instituto trabalha com a definição de Unidades de Conservação, conforme o SNUC/Lei 9.985/2000, e possui 16 Unidades de Conservação no Estado sob seu gerenciamento, com diferentes denominações e estatutos jurídicos, tais como: Área de Proteção Ambiental, Área de Relevante Interesse Ecológico, Monumento Natural, Parque Estadual, Reserva Ecológica, Reserva de Desenvolvimento Sustentável. Tratou da criação e implementação destas Unidades de Conservação, que se originam a partir de consulta pública e do processo de definição dos objetivos de manejo, delimitação, instrumento legal, órgão gestor/conselho e plano de manejo, destacando a situação ambiental atual da Região Metropolitana de Vitória. A explanação foi extremamente rica, pois trabalhou com as definições da legislação, confrontando-a com situações concretas do território em estudo pelo grupo.

 

20/02/2008

Como não foi possível contar com a presença de representantes dos movimentos populares no dia previsto, antes do início das atividades de discussão e elaboração do produto final da Oficina, ouvimos as falas de dois convidados deste setor que posteriormente se incorporaram às equipes de trabalho.

Apresentação 15

Movimentos populares / Conselho Popular de Vitória (CPV)

Sr. Waldemar Cunha

A cidade é gestada por Conselhos, não deliberativos, mas que são constantemente chamados para respaldar as decisões políticas. Esta situação leva à reivindicação de maior participação (inclusive a paridade), apesar de seus membros não terem formação técnica, contribuindo, no entanto, com o olhar da população, do usuário. Na atual administração, houve o regate do orçamento participativo, permitindo maior participação da população, manifestando seus próprios interesses e demandas, variáveis de localidade para localidade. Lembrou ainda que nos bairros melhores, a população não quer que determinadas construções ou ações venham a ser implementadas, pois acredita que acarretará o estabelecimento de uma outra comunidade indesejada. O movimento quer evitar a visão pontual, procurando uma visão mais coletiva, menos voltada para um único grupo, mas contemplando o atendimento de um maior numero de pessoas, o coletivo e a inclusão. Propõe um olhar multidisciplinar que tente ser o mais abrangente possível, juntamente com a idéia do cidadão como um agente de transformação. A grande preocupação do Movimento é com a maneira com que os novos empreendimentos estão sendo implantados, levando em consideração o futuro, especialmente quanto à mobilidade, acessibilidade e visibilidade.

Apresentação 16

Movimentos populares / Conselho Comunitário de Vila Velha (CCVV)

Advogado Sandro Ghuio Franzotti

Coloca que a falta de planejamento e a sua defasagem na demora da implantação é o grande problema das nossas cidades. O Conselho vem analisando seus problemas tendo em vista o intenso crescimento da cidade e sua disparidade social acentuada. Discorreu sobre a forma de abordagem de problemas enfrentados, a participação do Conselho e os descaminhos da elaboração e implementação do Plano Diretor de Vila Velha, frente à pressão política e os conflitos de interesses. Destacou também a ausência de uma visão de longo prazo nas ações publicas, o que certamente irá comprometer qualquer proposta de uma cidade saudável.

 

Considerações sobre as apresentações

O painel de apresentações permitiu aos participantes uma reflexão acerca das metodologias de abordagem, prioridades de enfoque, dificuldades na consecução de objetivos, conflitos entre distintas esferas de atuação do poder público, pressões dos diferentes agentes que atuam na construção do espaço livre urbano, entre outras questões, somando informações para a etapa seguinte, de estabelecimento de diretrizes gerais de atuação sobre os espaços livres urbanos da Região Metropolitana da Grande Vitória.

Ressaltamos a presença de membros da Fundação Vale do Rio Doce que se resumiram à condição de ouvinte nas exposições de trabalhos do dia 20.02.08 e de sua participação num dos grupos de trabalho. Ressaltamos também a marcante ausência de representantes da Petrobrás e do mercado imobiliário, cujas presenças poderiam ter propiciado um confronto positivo de posturas e o conhecimento mais aprofundado das diferenças entre grupos de interesses diversos.

 

 

 

A Oficina

Cada oficina tem a sua especificidade devido às distintas realidades e às diferentes informações que cada participante aporta. No caso de Vitória, o diferencial se deu graças à participação de membros de outras três cidades que integram a região metropolitana: Vila Velha, Cariacica e Serra.

Contando com 17 participantes, foram formados quatro grupos com profissionais de formação heterogênea e de diferentes instituições. Devido ao predomínio de participantes de Vitória, os técnicos dos demais municípios acabaram por assessorar todas as equipes, além de atuarem em seus próprios grupos, o que contribuiu para o aprofundamento das análises.  

A oficina teve como objetivo a discussão do sistema de espaços livres da região e se iniciou com a formação de quatro grupos conforme a temática abaixo:

  1. Sistema de parques, calçadões de praia e praças, áreas de conservação e preservação ambiental (05 participantes)
  2. Sistema de espaços livres privados e tecidos urbanos (04 participantes)
  3. Investimentos públicos, Plano Diretor e crescimento urbano x metropolização (05 participantes)
  4. Legislação e Mercado imobiliário (03 participantes)

Cada grupo discutiu uma temática específica para posteriormente confrontar com as outras temáticas, criando mapas que apresentassem:

  1. Espacialização de características de cada local (como é a paisagem daquele lugar).
  2. Exposição de conflitos
  3. Apresentação de potencialidades

Após a manifestação de cada equipe e a discussão das abordagens, foram elaborados mapas-síntese, atualmente em processo de finalização pelo Núcleo QUAPÁ SEL Vitória, possibilitando pareceres e eventuais complementações de todos os demais participantes do evento.

Mapa síntese da oficina de Vitória

Bibliografia

BARTALINI, Vladimir; LIMA, Catharina Pinheiro Cordeiro dos Santos.  Sistema de espaços livres e áreas verdes. São Paulo, FAUUSP, 2007. (texto de pesquisa)

CAVALHEIRO; FELISBERTO; NUCCI, J. C. Espaços livres e qualidade de vida. São Paulo: FAUUSP, 1977

COELHO, Leonardo Loyolla. Compensação Ambiental: Uma alternativa para a viabilização de espaços lives para convívio e lazer na cidade de São Paulo. 2008.

MACEDO, Silvio Soares et alii. Projeto QUAPÁ SEl, Relatório de Pesquisa .São Paulo, 2008.

MAGNOLI, Miranda M. Espaços livres e urbanização: uma introdução a aspectos da paisagem metropolitana. 1982. Tese (livre docencia

MAGNOLI, Miranda M. O parque no desenho urbano. Paisagem e Ambiente: ensaios, São Paulo, n. 22, p. 201-203, 2006.

MACEDO, Silvio Soares; ROBBA, Fábio. Praças brasileiras. São Paulo: EDUSP: IMESP, 2002. 311 p.

_______. O sistema público de espaços livres e o parque contemporâneo Brasileiro. In: PEREIRA, Tânia Sampaio; DA COSTA, Maria Lucia Moreira Nova; JACKSON, Peter Wyse. Recuperando o verde para as cidades: a experiência dos jardins botânicos brasileiros. Rio de Janeiro: Rede Brasileira de Jardins Botânicos: Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro.2007103 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) ­­– Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

PEREIRA, Raul Isidoro. “O sentido da paisagem e a paisagem consentida: projetos participativos na produção do espaço livre público”, FAUUSP – São Paulo, 2006. (tese de doutorado).

Projeto Orla: fundamentos para gestão integrada. Freire, Oneida Divina da Silva (coord), Brasília, Ministério do Meio Ambiente/Ministério do Planejamento, orçamento e Gestão, 2002.

QUEIROGA, Eugenio Fernandes. A Megalópole e a Praça: o espaço entre a razão  de dominação e a ação comunicativa. São Paulo: FAUUSP. 2008, tese de, 2007 doutorado.  351p.

ROBBA, Fábio. A praça contemporânea nas grandes capitais brasileiras (1990 a 2004): do programa a forma projetual. 2004.267 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

SAKATA, Francine Gramacho. O projeto paisagístico como instrumento de requalificação urbana. 2004.135 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

SERPA, Ângelo. O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Editora Contexto, s.d.

WEINGARTNER, Gutemberg.  A construção de um sistema – os espaços livres públicos de recreação e de conservação em Campo Grande, Ms. São Paulo : FAUUSP, 2008,( doutorado em Arquitetura e Urbanismo),  Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 196 paginas

Systems of free open spaces and the constitution of the contemporary public sphere in Brazil: land use and social sustainability

Systems of free open spaces and the constitution of the contemporary public sphere in Brazil: land use and social sustainability

Degreas, Helena Napoleon¹; Macedo, Silvio Soares²
¹ PhD in Landscape Architecture, Professor and researcher of the Department  of Architecture and Urban Planning of FIAMFAAM; member of the research hosted in FAUUSP-QUAPA
² PhD in Landscape Architecture, Titular Professor of  the Department of Landscape and Environment of the College of Architecture and Urban Planning of the University of São Paulo and leader of the national research “System of free spaces and the constitution of the contemporary public sphere in Brazil”

Abstract

This article present a vision of the Brazilian cities considering the production of their system of open spaces that results in new urban patterns, showing the importance of this new approach in the constitution of the contemporary public sphere in Brazil and its importance to the construction of sustainable cities. The article also adopts free open space as the organizing element of the urban landscape, responsible for the diverse morphologic, environmental, aesthetic and functional aspects of the cities. These spaces are elements basic to the performance of social life, because in them occur the leisure, the recreation, the social encounters and the conservation of the natural elements propitiating quality of public life. An intense urbanization process based on the model of “ideal city” toke place in our country but it did not work in Brazil, predominating informal pattern of urbanization, creating the unsustainable city pattern we have today: informal cities that devoid of basic infrastructure and of public equipment showing in its landscapes the results of socio-economic disparities proceeding from a spontaneous manner and shunning urban standards and legal norms. This article is part of the national research program : “System of free open spaces and the constitution of the contemporary public sphere in Brazil ” , supported by FAPESP and led by Silvio Macedo, PhD. Created in August of 2006, it congregates innumerable nuclei of research in university institutions distributed throughout Brazil. It is hosted in the Department of Landscape and Environment of the College of Architecture and Urban Planning of the University of São Paulo.

Keywords: landscape and social sustainability, new urban patterns, legislation.

1     Introduction

During the last few decades of the twentieth century Brazilian cities passed through a rapid process of urbanization coinciding with the end of an accelerated expansion of the economy. Until the 1960s, the urban population in Brazil represented about 45% of the national total. Forty years later, this number reached 80%, taking more than 100 million new inhabitants to the urban centers. These numbers, when associated with a precarious process of urban planning, produced a series of problems in the organization of the land and the distribution of its infrastructure, building social injustices and inequalities into its landscapes.

Coming from an agricultural background, with low levels of instruction and sparsely qualified for formal work in urban areas, the new inhabitants started to illegally occupy the poorly structured outskirts, the environmentally fragile areas such as steep hillsides and valley floors, areas subject to flooding such as fens and riversides, and wooded areas. From then on, urban precariousness spread as a settlement standard, exposing the historic inability of the public authorities to create housing policies capable of attending the housing needs of the low income population. Throughout the country, on one hand appears the city endowed with infrastructure; on the other, the illegal city neglected by their government.

By persistently creating public policies, government programs, projects and interventions in the territories of the legally occupied city, while denying the existence of the urban informality, the city was divided into two groups: the rich city endowed with infrastructure and public equipment and the poor city, of precarious urbanization, whose population has no access to the opportunities of education, health, transport, housing, work and leisure. This situation generated economic valuation, transforming the urban territory into a real estate business. The citizen who has financial resources lives in the legalized city, whose public infrastructure is installed. Those who do not have sufficient resources to pay for a regularized lot, invade the peripheral areas, commercialized illegally by clandestine property salesmen, who sell environmentally fragile areas and publicly owned lands, often originally destined for the implantation of urban equipment such as hospitals, schools, police stations, squares and low-investment parks, making the urban territory extend itself indefinitely, creating illegality and the precariousness of occupation.

2     Towards a sustainable urban planning process: quality of living in Brazilian cities

The Federal Constitution of 1988 included a specific chapter under Heading VII – Of the Economic and Financial Order- that deals with urban public policies. In it, issues are defined relating to the municipal managing plan, to urban property, to the dispossession of property in the cities and to the right of the municipal Public Power to demand the adequate use of urban lots by its proprietors. From this point, a specific and nation-wide legislation was created, that defined and allowed the application of flexible measures by means of legal and administrative instruments to the reality of the informal cities, permitting the regularization and organization of the dwelling places of a great part of the Brazilian population.

It can be affirmed that in Brazil, urban environment sustainability must be procured through a constant search that is only attained by means of a planning process that integrates the plans and action of the diverse instances of government, subordinating the actions of the state to the collective interests and to the construction of citizenship. A citizenship that not only aims at the satisfaction of the minimum basic necessities of a human being, but also seeks the quality of the individual and collective urban life.

3      Legal background for the promotion of change: the Statute of the City

With the objective of carrying out, at the municipal level, the urban policies that are dealt with in articles 182 and 183 the Constitution of the Federative Republic of Brazil, the Law nº 10,257, of July 10, 2001, called Statute of the City, was passed. In it the norms of public order and social interest are established, that regulate the use of urban property in favor of the collective good, of the security and welfare of the citizens, as well as of the environmental equilibrium, guaranteeing the right to sustainable cities. These articles prescribe the obligatory creation and approval of a municipal managing plan as basic instrument of the politics of development and urban expansion for the cities with more than twenty thousand inhabitants.

Figure 1: Brazilian informal cities (QUAPA, 2006)

 

Through the ordering of the social functions of the city and urban property as foreseen in the municipal managing plans, it is intended to prevent and to correct the possible distortions of urban sprawl, inequalities in the provision of infrastructures, degradation and pollution of the environment. Aiming at the sustainability of the cities, the Statute guarantees the right to the organization and control of land use when adopting standards of production, consumption and of urban expansion compatible with the limits of the environmental, social and economic sustainability of its territory by means of the elaboration and regulation of sustainable public politics. In the environmental sphere, the plan points out guidelines for the protection, preservation and recovery of the natural and constructed environment, of cultural, historical, artistic, landscaping and archaeological patrimony. In this way it is hoped that the sustainability of the cities occurs from the availability of, and equitable access to, the right to urban land, housing, environmental sanitation, the urban infrastructure, transport and public services, the opened spaces, work and leisure. These actions intend to meet the needs of present and future generations, adjusting this provision to the real interests and necessities of the population, respecting the limits of urban occupation and densities. One expects that with equitable access, all may have the possibility of developing a productive life, starting from the availability of equal chances for all.

In Brazil, the Statute of the City is considered an innovative law, because it creates the necessary guidelines and planning instruments to make viable an urban reform directed toward the promotion of an equitable and sustainable development of all urban territory considering the environmental, urban and social aspects of the city. Succinctly, the guidelines and instruments are as follows:

– General guidelines for urban policies that guarantee the regularization of real estate and the urbanization of areas illegally occupied by the low income population, by means of the ordinance and control of the use of the land, preventing the speculative retention of urban property.

– Planning instruments destined to assure the social function of the urban property such as the Managing Plan, the division of, and obligatory construction on urban property, slow growth urban property tax, dispossession for ends of urban reform, the right to pre-emption, onerous grant of the right to construct (reclaimed land);

– Instruments of real estate regularization such as the urban processory title, concession of right in rem of use, zones of social interest.

– Instruments of democratic management of the city such as the urban policy councils, conferences of the city, participative budget, public audiences, legislative initiatives by non members of parliament and studies of neighborhood impact.

With this, the accomplishment of the municipal planning conducted by sustainable guidelines must consider the precepts established in federal law guaranteeing urban development, the welfare state and the quality of life of its citizens. The municipal strategic planning is a contemporary management instrument that modifies the traditional form of management that involves a series of complex factors that include the ample knowledge of the territorial physical spaces, of its needs and of its potentialities, the establishment of methodologies, strategies and controls, administration of limited budgets and mainly the popular participation and involvement in the formularization and implementation of the urban projects. Reiterating, this new approach to planning allows the municipal public power to keep the population of the irregular city in its territory, making dialogue and participation possible by means of councils, getting to know its necessities, weaknesses, and making possible the construction of a city of equal opportunities.

In Brazil, the unequal socioeconomic conditions guided the objective of improvement of the quality of life towards the reduction of these disparities by means of the revision of the health politics, education, habitation, security and universalization of access of this population to these services. (Afonso, 2006:62)

Apparently abstract, the concept of quality of life pursued by the strategic municipal planning must be established starting from minimum human survival necessities, inserted in an urban environment. With this, beyond the previously cited policies, new demands such as commerce, transport, work, recreation and leisure are introduced involving new cultural and psychological aspects of the physical, social and psychic well-being of individuals and groups. (Afonso, 2006:68) The urban planning instruments created by the Statute of the City grant the population occupying illegal areas the right to the regulation of the urban property and as a consequence access to the public infrastructure and equipment, thus conferring on them the right to a quality of urban life through the use and enjoyment of the urban space: becoming citizens.

4     The production of Brazilian public space: open space as urban infrastructure and support for public life

The city can be seen and be analyzed through a variety of lenses that can collaborate in the understanding of its complex reality. Under the perspective of sociology, the city is the environment where human relationships have their place. In architecture, these human relationships occur in spaces constructed by man and for man. In ecology, the materialization of things and objects in an artificially constructed environment and whose functioning is fragmented, not systemic, modifies and impacts the natural environment taking it into entropy. For landscape architecture, the city is constructed and perceived by means of its free spaces. Its landscape is perceived and lived deeply by the citizen from the materialization of the relation between what it is built and what is area free of construction. According to Magnoli (1982: 15), the free spaces are the unbuilt: yards, gardens, streets, avenues, squares, parks, rivers, bushes, fens, urban beaches, or simple urban emptiness. Its localization, accessibility and distribution form a complex system of connections with multiple urban roles: free time activities, urban circulation, comfort, environmental conservation and requalification, urban drainage, urban imagery and memory, leisure and recreation, amongst others. They may be public or private.

The research group QUAPA – Picture of Landscaping in Brazil has as study object the Spaces Free of Buildings, understood as sets of public areas and private properties consisting of distinct morphologies and typologies, whose localization and distribution occur in diversified ways throughout all the urban fabric.

The Spaces Free of Buildings are elements or parts of the urban fabric that can be coordinated and contiguous between themselves, generating systems that, by means of the induction generated by public policies, programs, projects and action, lead to connectivity relating them between themselves morphologically, environmentally, functionally or even culturally, constituting a unit that is found to be governed by a systemic logic. The systemic vision provides another view of the contemporary Brazilian city as it relates to and contextualizes urban fragments in its territory, given them new meanings. This “re-signification” can induce different valuations of the same elements, generating new potentials for the use and public appropriation of free spaces which were previously without function, sub-utilized or even degraded.

The research deals with the free space in the public category (with its myriad typologies, forms, uses and functions) and the private category (internal areas within the property) as urban infrastructure responsible for the morphology of the city.

Figure 2: São Paulo: new open spaces proceeding from new urban legislation (QUAPA 2008)

If the city is form in the process of constant construction and reconstruction, the dynamics of daily life of the people creates its content by means of multiple activities and appropriations. We assume that the free space is the place of public life, for social interchange and meetings as it makes possible the percipient experience and daily practice of the relations between the people, giving the city life, theatricality.

Process and social product, the free spaces materialize the time and the necessities of the people who constructed them. In a considerably generalized form, four stages can be cited that morphologically characterized Brazilian cities:

5     The Colonial city and its free open spaces

In the first three centuries of urbanization, Brazil was a simple colony of the Portuguese crown, presenting a process of incipient urbanization which relegated a secondary role to the public free space, considering that it was not the result of a social necessity. In the majority of the Brazilian cities, the private accumulation of wealth defined the political and physical structure of the cities. It was in private property, in the farms that daily and social life was carried out. The sparse and small local population related directly with a luxuriant tropical vegetation and profuse fauna composed by the Atlantic forest that ran the length of the Brazilian coast, where the first urban nuclei if had been installed. Even the cities of Salvador and Rio de Janeiro that were capitals, had some few thousands of inhabitants characterizing themselves as modest agglomerations, true commercial warehouses with humble public free spaces occupied by ambulant peddlers. The main public spaces had basically an institutional influence, that is, the public free spaces were determined by the institution that predominated there in the daily activities of the people. Church and State occupied the squares. The commerce, the manufacture, was situated around it as it characterized the center of the nucleus. Housing in turn surrounded this area forming the residential areas. The activities of social encounters occurred by means of the religious commemorations such as processions. The private spaces of the houses were composed of backyards which, thanks to the poorly developed commerce, represented the space for plantation and subsistence of its inhabitants. It was there that they planted vegetables, fruits, flowers and bred animals for human consumption.

Figure 3: Residential pattern of the 20th century (QUAPA, 2006)

The same occurred in the patios of the convents where the necessity for production of food was more important than that related to the aesthetic attributes of the composition of environments. Except for the city of Recife which had intentional plantation of street arborization and where the first urban park was implanted, in too many cities, the public areas were neglected, accidentally constituted and not always were they paved. Of remaining portion, the nuclei had plazas, leveled places and clearings originating from the informality in the urban production where people, animals and vegetable plots joined.

Figure 4: Pátio São Pedro, Recife (QUAPA 2008)

The vegetation did not appear as an element of prominence or importance in the city. Only in the eighteenth century, in the capital of Rio de Janeiro, the first Public Walk appears, localized on an area of earth fills, this work was done to complement and to improve the linking of the urban nucleus with the more distant regions. In spite of its local character, the construction of a modern free space built in the manner of the Portuguese metropolis, signaled the intention to destine free areas for a new function of urban use: that of recreation for the populace.

6    The industrial city

The first decades of the twentieth century point towards the consolidation of eclecticism as the language assumed by Brazilian urbanism. On the one hand, using Spanish and French references, boulevards are constructed surrounded by terraced buildings, and on the other hand, modern residential quarters appear, derived from the English garden-city. In the latter, the isolated building in the lot interspersed with well-cared for gardens, wide wooded and grassy sidewalks, with winding and romantic formats intermingled with small parks and small greened squares, changed into the dream of consumption for the elites and middle classes of the whole country.

From the 1930s onwards, and with the development of construction techniques, the process of high-rise building in the Brazilian cities initiated using the French configuration of square city blocks. This method of organizing space results in the restriction of private free spaces and these are substituted by internal wells of ventilation within the lots and by urban squares. With modernism the Brazilian landscape architecture passed through a moment of rupture and construction. Rupture because it definitively abandoned eclecticism as the form of urban spatial expression conserving only the practice of maintaining the native vegetation and the use of certain materials for floors such as the Portuguese mosaic. Construction, because the modern Brazilian landscaping architecture was characterized by a strong national identity from the 1940s. In parallel, the habits of use of the free spaces are diversified with the introduction of sporting activities such as soccer, tennis, rowing and swimming that demand the construction of special installations.

Figure 5: Brasília and the end of colonial urban pattern (QUAPA, 2007)

This equipment was constructed throughout the country demanding the installation of grass-covered playing grounds, bocha courts, sports grounds in public free spaces already implanted, such as urban gardens, plazas, squares and parks. Swimming pools appeared in the well-to-do residences, becoming popular in the 50s and 60s and becoming a status symbol for those that possessed one. At the same time playgrounds appeared, a North American creation that concentrates a set of prefabricated toys in specific parts of the free spaces, in general public and directed towards recreation. The high cost of the urban land and the reduction of the playing areas of backyards led to a situation of chronic lack of free spaces destined for children’s recreation. Little by little the free areas disappeared either because of the invasion of low income habitation, or for the necessity of public equipment construction, popularizing the use of this equipment even in schools. The Brazilian coast in turn succumbed to the density increase caused by the popularization of sea bathing that, in turn, generated accelerated occupation and high-rise building along the shoreline. As a reply to the new behaviors and habits of the population in the use of the beach (eating, walking, playing badminton, ball playing (soccer, “frescobol”, volleyball), flirting and even just enjoying the perennial vision of the sea, the beach-side pavements or beach boardwalks appeared, creating a linear and continual typology (often landscaped), replete with equipment and public furniture destined for mass recreation.

As a way of solving the problems resulting from an explosive growth of the urban centers, the principles of functionalist modernity were adopted using the managing plan as instrument of territorial organization. The adoption of the functioning of the city by means of the fragmentation of a set of activities: working, inhabiting, recreation and circulation in the middle of a lot of green created urban forms that made the articulation between the public and the private difficult in the city and the suburbs. As for the green space that should have intertwined the whole city, in the Brazilian case it was simply ignored, considering that the constitution of the Brazilian urban space was historically constructed privileging private property. With this, the distribution, even if rational, of a number of square meters per urban sector, was made impracticable in reality by innumerable reasons. Especially relevant amongst these was the high price of the urban land in the legalized city and the complete inexistence of available urban ground in the illegal city, densely constructed and occupied. This was the situation that generated a complete setback in the distribution of schools, hospitals, police stations, etc., on one side, and in the provision of leisure and recreation equipment for the poor population. On one side appear wide streets, wooded, illuminated with squares, parks and gardens and on the other, the standard of precarious urbanization with narrow, sinuous streets, without tarring, illumination or pavements, with sewers running open to the sky.

6     The city of services

Little by little, sauntering freely through the urban environment is substituted by the segregation of the activities of leisure practiced freely in definitive places. Although the necessity of attending the demand in an equitable form is justified, in Brazil, as well as not meeting the needs of the population resident in the illegal city, this situation also collaborated towards the impoverishment of the public life. With the social meeting confined to areas of directed leisure and recreation in fast-food malls, theme parks, cultural restaurants, centers, and clubs, the streets had been losing the public life little by little, being reduced to circulation spaces for pedestrians. The urban morphology that denies the street by compartmentalizing the urban space into units, in a certain form divides and segregates the population. The public authorities in turn, given the gigantism of the necessities of the cities of medium and large size, find themselves without resources and incapable of minimally managing the maintenance and quality of its public spaces. The industrial city gives place to the city of services, contextualized in an environment where the liberal economy reigns anchored in a technical-scientific-informational evolution. The city formed by fluxes and interdependence between units and processes maximized by communication, is no longer just another form but rather a process whose layout passes through constant and unexpected transformations. The cosmopolitan elites (Castells, 1999) construct and reconstruct its spaces from spatial hyper-segregation. In these spaces, they preserve their social cohesion by the development of a set of rules, behaviors and cultural codes by the intermediation of which they manage to understand and to communicate with each other. In practice, this situation materialized in the residential condominiums carefully segregated by localization and by walls, replete with language and symbolic content that are present in their life styles and distinguish them culturally from the local people. From the VIP spaces to the international gastronomic restaurants, this elite integrates itself into the scope of global culture.

Figure 6: São Paulo: end of public life in condominium areas (QUAPA 2007)

For the common people, representatives of the immense majority of Brazilians, the contemporary period reserves a set of re-locations, redistributions, and urban reorganizations of industrial production, moving the great plants and companies away from the cities, provoking degradation by functional obsolescence, of great urban areas. In the economy the companies pass through fusions, sub-contracting, the solutions are just in time or just in case. In the segregated and fragmented city, the new urban regulation of the twenty-first century proposes the rescue from the social injustices by means of some legal and urban planning instruments. Although as yet little time has passed since the constitution of the Statute of the City, it may be perceived that some actions have already started to generate some urban forms distinct from the periods previously cited not only in form but also in the management for a city a little more just.

What one perceives is that, although deeply criticized by many, this new legislation now allows the governments to use the new urban planning instruments to revert the logic of exclusion by means of the delimitation of areas to fulfill their social function toward the city and the property. The real estate regularization and the urbanization of areas occupied by the low income population receive special norms for use and occupation of the land and construction, beyond contemplating environmental norms. By this means, it is guaranteed amongst other things that the new land divisions should be targeted for urban infrastructure such as water, electric energy, durable pavement, and commerce, public equipment in the areas of education, health, transport, recreation and leisure.

7     Some further thoughts

The sustainability of our cities passes necessarily through a revision of positions, values; of ethics. The strategies of planning adopted in our country still move in the direction of segregation and the absolute exclusion of a great portion of our population, since the economic system supports itself at the cost of the natural and human resources (Afonso, 2006).

Figure 7: Curitiba: green structure associated with open public spaces (QUAPA 2008)

The direction pointed by the public actions leads one to believe that a long journey still needs to be traveled. In spite of the creation of normative instruments that intend to make possible sustainable and consequently more just cities, the State has to be placed at the service of social development and of the citizen, incorporating the economic dimension as an instrument for achieving this objective. If this does not happen, one runs the risk of creating a discourse empty of meaning, that treats sustainability as a currently fashionable concept, easily added to the contemporary way of life. It is the social structure and its processes that establish the way natural resources should be used and therefore define the actions and its negative effects on the natural dynamics (Afonso, 2006).

Figure 8: cities studied by the research program (QUAPA, 2009)

At this point, the instruments of popular participation may reveal themselves to be efficient in the near future, when the population in general understand the complex ways of constitution of the sphere of public life, of how its participation is materialized in the urban form and intervenes with its urban life. We understand sustainability as the path to tread, a re-signification of man and his role in the world that he himself constructed to live in, searching for a new meaning in his existence and also for the planet where he lives.

References

Afonso, Cintia Maria. Sustentabilidade: caminho ou utopia? São Paulo:

ANNABLUME, 2006.

Albuquerque, Mariana Zerbone Alves de. Espaços livres públicos inseridos na paisagem urbana:memórias, rugosidades e metamorfoses. Recife: Mariana Zerbone Alves de Albuquerque, 2006. (Dissertação de Mestrado em geografia apresentada à CFCH Universidade Federal de Pernambuco).

Arendt, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991.

Carlos, Ana Fani Alessandri. A cidade. São Paulo: Contexto, 1994. (2ª edição)

Castells, M. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo:  Paz e Terra, 1999. v.1.

Cidades Sustentáveis: subsídios à elaboração da Agenda 21 brasileira. Maria do Carmo de Lima Bezerra. Marlene Allan Fernandes (coordenação geral) – Brasília: Ministério do meio Ambiente; Instituto Brasileiro do meio Ambiente e dos recursos renováveis; Consórcio Parceria 21, IBAM-ISER-REDEH.

Corrêa, Roberto L. O espaço urbano. São Paulo: Ática, 1989.

Custóio, Vanderli; Macedo, Sílvio Soares. Os Sistemas de Espaços Livres da Cidade Contemporânea Brasileira e a Esfera de Vida Pública – considerações preliminares in: Encuentro de Geógrafos de América Latina, 12º, 2009, Uruguay. Anais do XII Encuentro de Geógrafos de América Latina, Universidad de la República: Montevideo. (no prelo)

Custódio, Vanderli.  Segregação, fragmentação e segmentação. In: Anais do X EGAL. São Paulo: FFLCH/USP, 2005. p.1-16.

Degreas, Helena Napoleon. Paisagem paulistana: sincretismo e fragmentação.  São Paulo, 1999. Tese (Doutorado) Faculdade de Arquitetura e urbanismo da faculdade de Arquitetura e urbanismo da Universidade de São Paulo.

Fernandes, Marlene. Agenda Habitat para Municípios/Marlene Fernandes. Rio de Janeiro: IBAM, 2003. 224p.; 26,0 x 20,0cm; (Agenda Habitat para Municípios).

IBGE. Censo Demográfico. Rio de Janeiro, 2000.

Lefebvre, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Moraes, 1991.

Macedo, Sílvio S. Quadro do paisagismo no Brasil. São Paulo: FAUUSP, 1999. (Coleção Quapá, v.1)

________________________. Sistemas de espaços livres e a constituição da esfera pública contemporânea: estudos de caso em metrópoles-cidades e novas territorialidades urbanas brasileiras. São Paulo: FAUUSP, 2005.

Magnoli, Miranda. Espaços livres e urbanização. Tese (Livre-docência) – FAUUSP, São Paulo, 1982.

REIS, Nestor. G. Notas sobre urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes, 2006.

Prado Junior, Caio. Formação do Brasil contemporâneo: colônia, São Paulo: Brasiliense, 2008.

Portíansky, Silvia. El Espacio publico. Disponível em: http://www.laplataproyectos.com/frames.htm Acesso em: 15.03.2009: 17:23:25

Queiroga, Eugênio Fernandes. A esfera pública contemporânea e os espaços livres:  contribuições para o estudo de sistemas de espaços livres nas cidades  brasileiras. In: XIII Encontro Nacional da ANPUR. Sessão Livre: Processos e transformações na configuração dos espaços urbanos, UFSC: Florianópolis, 2009.

Salvi, Luciane Teresa. Hardt, Letícia Peret Antunes.Rezende, D. Alcides, Hardt. Carlos. Novos desafio à administração estratégica de políticas públicas e projetos urbanos. Rev. FAE, Curitiba, v.10, n.1, p.49-62, jan./jun. 2007.

Santos, Milton. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

________. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec, 1996.

________. Por uma outra globalização.6.ed.. Rio de Janeiro: Record, 2001.

observação:

O presente artigo foi aceito e publicado por:

Fifth International Conference on Sustainable Architecture and Urban Development

Organized by

Department of Architecture and Urban Planning, Al-Fateh University, Libya

In collaboration with The Center for the Study of Architecture in the Arab Region (CSAAR) – 3 – 5 November, 2009

Tripoli, Libya